Avaliação da qualidade dos serviços turísticos nos parques Nacional da Chapada dos Guimarães e Estadual da Serra Azul (MT)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2023.v16.14542

Palavras-chave:

Turismo, Unidades de Conservação, Ecoturismo, Serviços Turísticos

Resumo

A prática de atividades turísticas em Unidades de Conservação no país vem se intensificando nos últimos anos pela representatividade que essas áreas possuem. Espaços territoriais destinados à conservação da biodiversidade e de características relevantes, mas que devem possuir estrutura e serviços adequados para que as experiências turísticas os potencializem ainda mais como locais de visitação sustentável, assim como os destinos do entorno. Desse modo, este trabalho tem como objetivo realizar um estudo comparativo entre os parques Nacional da Chapada dos Guimarães (PNCG) e Estadual da Serra Azul (PESA), ambos detentores de atrativos naturais com alto poder de visitação e ambos localizados no estado de Mato Grosso, tendo, como categoria de análise, a avaliação da qualidade dos serviços turísticos. A pesquisa foi realizada por meio de abordagem quantitativa e descritiva, como também revisão bibliográfica e foi fruto da parceria entre o Observatório de Desenvolvimento do Estado, a Rede Brasileira de Observatórios de Turismo (RBOT) e pelo Protocolo Tourqual. Os dados foram coletados entre os dias 22 de setembro de 2021 e 30 de abril de 2022, de forma online por meio de posts com QR-CODE disponibilizados nos atrativos, como também por um link de acesso enviado pelos colaboradores da pesquisa através de aplicativos de mensagens após a utilização dos serviços. Assim, os parques da Chapada dos Guimarães e da Serra Azul tiveram 52 e 74 questionários respondidos, respectivamente. Os resultados ainda evidenciaram que as melhores avaliações foram na categoria experiência, em ambos os parques, como também há uma maior intensidade da atividade turística nas cidades do entorno do PNCG, principalmente de visitantes de outros estados do país. Contudo, como resultado da pesquisa, foi constatado que os serviços turísticos do PESA foram melhor avaliados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Carvalho Lima, Observatório de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso

Servidor efetivo do Governo do Estado de Mato Grosso na função de Analista de Desenvolvimento Econômico e Social, Perfil Turismólogo, e atua no planejamento turístico e na geração e disseminação de dados e informações sobre a atividade turística para o Observatório de Desenvolvimento do Estado. Possui Mestrado em Estado, Governo e Politicas Públicas pela Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais, MBA em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável pela Universidade Cândido Mendes e Bacharelado em Turismo pela Universidade do Estado de Mato Grosso. (http://lattes.cnpq.br/4307581681777606)

Luciana Pinheiro Viegas, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Professora do Curso de Bacharelado em Turismo da Univesidade do Estado de Mato Grosso, Mestre e Doutora em Geografia e Estudos da Cultura Contemporânea. (http://lattes.cnpq.br/2127221102593270)

Diego Augusto Orsini Beserra, Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico

É servidor efetivo do Governo do Estado de Mato Grosso, na função de Analista de Desenvolvimento Econômico e Social, Perfil Turismólogo, estando também como Interlocutor Estadual do Programa de Regionalização do Turismo do Ministério do Turismo. Graduado em Turismo pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR) e pós-graduado em Ecoturismo: interpretação e planejamento de atividades em áreas naturais, pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). (http://lattes.cnpq.br/8131116641880767)

Referências

ANDRADE, M. P.; IADANZA, E. E. S. Unidades de Conservação no Brasil: algumas considerações e desafios. Revista de Extensão e Estudos Rurais (REVER), Viçosa, v.5, n.1, p. 81-96 jan./jun. 2016.

ARAUJO, M. A. R. Unidades de conservação: importância e história no mundo (2012a). In: NEXUCS (Org.) Unidades de Conservação no Brasil: o caminho da gestão para resultados. São Carlos: RiMa Editora, 2012.

ARAUJO, M. A. R. Unidades de conservação no Brasil: a história de um povo em busca do desenvolvimento e da proteção da natureza (2012b). In: NEXUCS (Org.) Unidades de Conservação no Brasil: o caminho da gestão para resultados. São Carlos: RiMa Editora, 2012.

BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: SENAC, 2000.

BRAGA, H. M. C. B. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos de investigação, elaboração de trabalhos acadêmicos e publicações. São Paulo: Laços, 2015.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza: painel de unidades de conservação brasileiras, 2022. Disponível em: <https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiMGNmMGY3NGMtNWZlOC00ZmRmLWExZWItNTNiNDhkZDg0MmY4IiwidCI6IjM5NTdhMzY3LTZkMzgtNGMxZi1hNGJhLTMzZThmM2M1NTBlNyJ9&pageName=ReportSectione0a112a2a9e0cf52a827>. Acesso em: 21 set. 2022.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza: Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000; Decreto nº 4.340, de 22 de agosto de 2002; Decreto nº 5.746, de 5 de abril de 2006. Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas: Decreto nº 5.758, de 13 de abril de 2006. Brasília: MMA, 2011. 76 p.

CADASTUR. Cadastro de prestadores de serviços turísticos (2022). Pesquisa de prestadores. Disponível em: <https://cadastur.turismo.gov.br/hotsite/#!/public/sou-turista/inicio>. Acesso em: 09 set. 2022.

DIAS, R. Turismo sustentável e meio ambiente. São Paulo: Atlas, 2003.

DICTORO, V. P.; FIGUEIREDO, R. A.; CASSIMIRO, M. O.; GONÇALVES, J. C. A relação ser humano e natureza a partir da visão de alguns pensadores históricos. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 14, nº 4: 159-169, 2019.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed., São Paulo: Atlas, 2002.

ICMBIO, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (2022). Guia do visitante. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/parnaguimaraes/guia-do-visitante.html>. Acesso em: 15 ago. 2022.

ICMBIO, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (2019). Contribuições do Turismo em Unidades de Conservação Federais para a Economia Brasileira: efeitos dos gastos dos visitantes em 2018. Brasília, DF, ICMBio. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/centrais-de-conteudo/contribui-c3-a7-c3-b5es-economicas-do-turismo-final-web-pdf>. Acesso em: 10 out. 2022.

ISA, Instituto Socioambiental (2022). Unidades de Conservação no Brasil. Disponível em: <https://uc.socioambiental.org/arp/599#pesquisa>. Acesso em: 16 ago. 2022.

LEUNG, Y. F. et al. Gestión del turismo y de los visitantes en áreas protegidas: directrices para la sostenibilidad. Serie Directrices sobre Buenas Prácticas en Áreas Protegidas no. 27, Gland, Suiza: UICN, 2019. 120 pp. Disponível em: https://portals.

iucn.org/library/sites/library/files/documents/PAG-027-es.pdf. Acesso em: 21 set. 2022.

LIMA, L. C. Pesquisa nacional de avaliação da qualidade dos serviços turísticos de Mato Grosso: relatório final. Cuiabá, 2022. 14 p. Disponível em: <https://www.sedec.mt.gov.br/-/13873091-boletins-e-pesquisas>. Acesso em: 10 ago. 2022.

LOPES, M. C. S. P. Relação entre turismo e qualidade de vida no turismo sénior: avaliação na eurorregião. 2020. Tese de Doutorado (Escola Internacional de Doutoramento), Universidade de Vigo, Ourense, Espanha, 2020. Disponível em: <https://www.investigo.biblioteca.uvigo.es/xmlui/handle/11093/1649>. Acesso em: 22 set. 2022.

MATO GROSSO. Lei n. 9.502, de 14 de janeiro de 2011. Institui o Sistema Estadual de Unidades de Conservação - SEUC, e dá outras providências. Disponível em: <https://www.al.mt.gov.br/norma-juridica/urn:lex:br;mato.grosso:estadual:lei.ordinaria:2011-01-14;9502/ficha-tecnica>. Acesso em: 04 out. 2022.

MATO GROSSO. Observatório de Desenvolvimento (2022). Turismo em números. Disponível em: <http://www.sedec.mt.gov.br/-/16632357-turismo-em-numeros?ciclo=>. Acesso em: 16 ago. 2022.

MIKICH, S. B. A importância da pesquisa para as unidades de conservação: o caso do Parque Estadual Vila Rica do Espírito Santo, Fênix - PR. In: CAMPOS, J. B.; TOSSULINO, M. G. P.; MÜLLER, C. R. G. (Orgs.) Unidades de Conservação: ações para valorização da biodiversidade. 2ª ed. Curitiba, Instituto Ambiental do Paraná - IAP, 2006.

MONDO, T. S. Avaliação da Qualidade de Serviços em Meios de Hospedagem: aplicação do modelo Tourqual©. Revista Eletrônica Ciências da Administração e Turismo. v.5, n.2, p. 55 – 67, Jul/Dez, 2017.

MONDO, T. S.; FIATES, G. G. S. TOURQUAL: Proposal of a Protocol For Quality Evaluation on Services at Tourist Attractions. Brazilian Business Review, v. 14, n.4, 448–465, 2017.

NELSON, S. P. Uso público nas unidades de conservação. In: CASES, M. O. (Org.) Gestão de Unidades de Conservação: compartilhando uma experiência de capacitação. Brasília: WWF-Brasil / IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas, 2012.

NOGUEIRA, J. M.; RIOS, R. M.; IMBROISI, D. Ecoturismo como instrumento eficiente na conservação da biodiversidade. Anais do V Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo (ANPTUR). Belo Horizonte, MG, 25 e 26 ago. 2008. Disponível em: <https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/5/114.pdf>. Acesso em: 05 out. 2022.

OLIVEIRA, E.; IRVING, M. A. Controvérsias na agenda de proteção da biodiversidade no Brasil: o papel da mídia pela ótica da Teoria Ator-Rede. Razón y Palabra. n. 90, junio - agosto 2015.

PIRES, P. S.; RAMOS, M. V. Ecoturismo e turismo de aventura: vivências da aprendizagem. In: RUSCHMANN, D. M.; TOMELIN, C. A. (Orgs.). Turismo, ensino e práticas interdisciplinares. Barueri, SP: Manole, 2013.

RAMOS, A. As unidades de conservação no contexto das políticas públicas. In: CASES, M. O. (Org.) Gestão de Unidades de Conservação: compartilhando uma experiência de capacitação. Brasília: WWF-Brasil / IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas, 2012.

RANGEL, L. A.; SINAY, L. Ecoturismo como ferramenta para criação de Unidades de Conservação no estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 12, n. 4, ago/out 2019, pp. 563-580.

SEMA, Secretaria de Estado de Meio Ambiente (2022). Unidades de Conservação. Disponível em: http://www.sema.mt.gov.br/site/index.php/unidades-de-conservacao. Acesso em: 22 set. 2022.

TOSSULINO, M. G. P.; MUCHAIH, M. C.; CAMPOS, J. B. A importância do correto enquadramento das unidades de conservação para a sua efetividade. In: CAMPOS, J. B.; TOSSULINO, M. G. P.; MÜLLER, C. R. G. (Orgs.) Unidades de Conservação: ações para valorização da biodiversidade. 2ª ed. Curitiba, Instituto Ambiental do Paraná - IAP, 2006. Disponível em: <https://www.iat.pr.gov.br/sites/agua-terra/arquivos_restritos/files/documento/2020-09/unidades_de_conservacao.pdf>. Acesso em: 20 set. 2022.

TOZONI-REIS, M. F. de C. Metodologia da Pesquisa. 2. ed. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2009.

TOZZO, R. A. Unidades de conservação no Brasil: uma visão conceitual, histórica e legislativa / Storage units in Brazil: a conceptual, historical and legislative vision. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 7, n. 3, p. 508-523, 17 dez. 2014.

ULATE, A. H.; CRUZ, J. C. P. Áreas silvestres protegidas e ecoturismo na Costa Rica. In PANOSSO NETTO, Alexandre; TRIGO, Luiz G. Godoy. (Orgs.). Turismo na América Latina: casos de sucesso. Assis, SP: Triunfal Gráfica e Editora, 2016.

Downloads

Publicado

01.11.2023

Como Citar

Lima, L. C., Viegas, L. P., & Beserra, D. A. O. (2023). Avaliação da qualidade dos serviços turísticos nos parques Nacional da Chapada dos Guimarães e Estadual da Serra Azul (MT). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 16(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2023.v16.14542
##plugins.generic.dates.received## 2022-10-26
##plugins.generic.dates.accepted## 2023-05-14
##plugins.generic.dates.published## 2023-11-01