Monitoria ambiental e suas contribuições na gestão dos Parques Estaduais Caverna do Diabo, Ilha do Cardoso e Turístico do Alto Ribeira (Vale do Ribeira, SP)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.12857

Palavras-chave:

Monitor ambiental, Gestão Participativa, Unidade de Conservação, Ecoturismo

Resumo

A condução de visitantes em Unidades de Conservação no Estado de São Paulo é regulamentada desde 1998, com a chancela legal do profissional denominado como “monitor ambiental”. A sua atuação se justificou, inicialmente, para preencher uma lacuna que o Estado não conseguia atender, de ter profissionais acompanhando visitantes em roteiros turísticos nos territórios sob sua gestão. Neste contexto, a monitoria ambiental ganhou força em regiões como o Vale do Ribeira, um território afetado por diversas áreas naturais protegidas e com precarização na oferta de empregos e oportunidades de geração de renda nos moldes da economia tradicional. A presente pesquisa foi desenvolvida no contexto de três Parques Estaduais da referida região e buscou avaliar a visão dos monitores ambientais sobre sua contribuição na gestão das Unidades de Conservação. Para tanto, foram feitas entrevistas com monitores ambientais, de modo a obter sua visão sobre sua atuação, tanto enquanto condutores de visitantes, como em outras atividades que porventura desenvolvam. Os resultados permitiram concluir que os monitores ambientais possuem uma compreensão clara sobre o significado teórico e prático de gestão participativa, bem como de sua ampla atuação e dos problemas desta relação com o Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Festa Mira, Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, SP

Geógrafo, Mestre em Sustentabilidade na Gestão Ambiental, Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade na Gestão Ambiental - PPGSGA - UFSCar.

Maurício de Alcântara Marinho, Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, SP

Geógrafo, Doutor em Geografia Universidade de São Paulo (USP)

Heros Augusto Santos Lobo, Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, SP

Referências

ANDRADE, J.A. Redes de Atores: Uma nova forma de gestão das políticas públicas no Brasil. Gestão & Regionalidade, n 64, p.52-66, 2006.

ANTUNES, E.; BARRETTO, S.F. Administração Pública e Gestão Participativa de Programas de Políticas Públicas. Juridicidade e Estratégias de Gestão: Uma Experiência no Programa EDPOPSUS. Revista de Direito da Cidade. Vol. 8, n. 4, p. 1423- 1441.

BARBOSA M.A.C.; ZAMBONI, R.A. Formação de um cluster em torno do turismo de natureza sustentável em Bonito. Brasília: IPEA/CEPAL, 2000.

BOBBIO, N. Do fascismo à democracia: os regimes, as ideologias, os personagens e as culturas políticas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

BORSANELLI, F.A.; LOBO, H.A.S. Percepções dos visitantes sobre a evolução do espeleoturismo no PETAR face ao fechamento das cavernas turísticas em 2008. In: RASTEIRO, M.A.; MORATO, L. (orgs.) Congresso Brasileiro de Espeleologia, 32, 2013. Barreiras. Anais. Campinas: SBE, 2013. p.45-54. Disponível em: <http://www.cavernas.org.br/anais32cbe/32cbe_045-054.pdf>. Acesso em: 2.jul.2021.

BRASIL. Lei Federal Nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm acesso em 27/06/2021.

CASTRO, C.E.; ESPINHA, A.M.L. Narrativas sobre a efetivação de um parque e algumas de suas humanidades. Pesquisas em Turismo e Paisagens Cársticas, v.1, n.1, p.7-17, 2008.

COUTINHO, M. P. C.; PEREIRA, P. R.; SETTE, I. R. O Relato da Experiência dos Cursos de Espeleoturismo para Guias e Condutores na Região da Bacia do São Francisco. Brasília: Editora IABS, 2014. 92 p.

GODINHO, L.P.S.; LENHARE, B.D.; BARIONI, A.; et al. Cursos de capacitação em Geologia para os monitores ambientais do Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR): uma análise de 10 anos de atuação do GGEO. Pesquisas em Turismo e Paisagens Cársticas, Campinas, vol. 9, n. 1, p. 53-62, 2016.

INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS (IAC). Macrozoneamento das Terras da Região do Rio Ribeira de Iguape. Campinas, 1990.

IBGE – 2010 fonte: https://www.ibge.gov.br/ acesso 24/08/2020

LOUREIRO, C.F.B. Educar, participar e transformar em educação ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental. v.1, p.13-20, 2004.

MARINHO, M.A. et al. A Formação de Monitores Ambientais: Estratégia para a Conservação e o Desenvolvimento Sustentável junto as Comunidades Vizinhas ao PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira). In: Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, 1., 1997, Curitiba, PR. Anais [...] vol. II, p. 405-418. Curitiba: IAP: UNILIVRE: Rede Nacional Pró Unidades de Conservação, 1997.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA) Mata Atlântica: patrimônio nacional dos brasileiros. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Núcleo Mata Atlântica e Pampa. Brasília: MMA, 2010.

MOREIRA, J.C. Geoturismo e interpretação ambiental. Ponta Grossa: UEPG, 2011. 157 p.

REIS, A.F.; QUEIROZ, O.T.M.M. Concessões nas Unidades de Conservação do Estado de São Paulo: reflexões, oportunidades e desafios. Revista Brasileira de Ecoturismo, v.10, n.2, pp.376-387, 2017.

RESENDE, R.U. Plano territorial de desenvolvimento rural sustentável Território Vale do Ribeira (SP). Brasília: MDA, 2011.

SALVATI, P.G.S.; COSENZA, A. Compreendendo a formação ecológica de monitores ambientais: o caso do Projeto ‘Monitores Ambientais de Recursos Hídricos’. Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 7, n.1, p. 139-153, 2012.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Resolução SMA n.32 de 31 de março de 1998. Disponível em: https://smastr16.blob.core.windows.net/legislacao/2016/12/RESOLUCAO-SMA-32-31031998.pdf. Acesso em 10 mar. 2020.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Resolução SMA n.195 de 21 de dezembro de 2018. Disponível em: https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/legislacao/2018/12/resolucao-sma-195-2018/. Acesso em: 8 ago. 2020.

SÃO PAULO (Estado). Infraestrutura de dados espaciais ambientais do Estado de São Paulo – IDEA-SP – DATAGEO - Sistema ambiental paulista Base territorial Ambiental Unificada – 2021 disponível em: http://datageo.ambiente.sp.gov.br

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p.317-322, mai/ago. 2005.

SEVERIAN, B.A.; ABRANTES, G.; LOPEZ-RICHARD, V. Capacitação e treinamento para gestão de atividades de campo em Unidades de Conservação: avaliação do projeto e seu impacto na evolução dos guias e monitores. In: 22° Congresso de Iniciação Científica, 2014, São Carlos. Anais de Eventos da UFSCar, 2014. v. 10.

SOUZA, P.B. Direitos, comunidades quilombolas e conservação da biodiversidade: o exemplo do Vale do Ribeira/SP. 2017.197 p. Tese (Doutorado em Direito Político e Econômico) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo-SP, 2017.

TILDEN, F. Interpreting our Heritage. 4a ed., ex ed. Chapel Hill, EUA: Editora da Universidade da Carolina do Norte, 2007.

TORRES, E.M.G. Percepções de um grupo de guias e monitores ambientais sobre o ambiente em que atuam (Paraty-RJ). Educação Ambiental BE-597, vol. 1, p. 49-75, 2008.

UNESCO. Atlantic forest south-east reserves. Paris: Unesco, 1999. Disponível em: <http://whc.unesco.org/en/list/893>. Acesso em: 15 Fev. 2018.

Downloads

Publicado

12/01/2021

Como Citar

Mira, L. F., Marinho, M. de A., & Lobo, H. A. S. (2021). Monitoria ambiental e suas contribuições na gestão dos Parques Estaduais Caverna do Diabo, Ilha do Cardoso e Turístico do Alto Ribeira (Vale do Ribeira, SP). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 14(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.12857

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)