Condutores de visitantes de Jamaraquá – FLONA do Tapajós, Belterra (PA): características socioeconômicas, acadêmicas e profissionais

Autores

  • Simone Lobato Ferreira da Cruz Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará, Santarém, PA

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.11859

Palavras-chave:

Condutores de visitantes, Unidades de Conservação, Ecoturismo, Floresta Nacional do Tapajós, Comunidade de Jamaraquá, Ecotourism

Resumo

A condução de visitantes em Unidades de Conservação é de suma importância para o desenvolvimento do turismo sustentável nessas áreas protegidas. Este estudo é uma pesquisa de natureza exploratória com abordagem qualitativa – quantitativa e demonstra as características socioeconômicas, acadêmicas e profissionais dos condutores de visitantes da comunidade de Jamaraquá, localizada na Floresta Nacional do Tapajós, município de Belterra (PA). Como instrumento de coleta de dados foi utilizada a entrevista presencial utilizando 17 questionários com modelo baseado em Cotes et al. (2018b), contendo 20 perguntas abertas e fechadas divididas em dois grupos: I- Características sociodemográficas com 06 questões, e II- Características acadêmicas e profissionais dos condutores, contendo 14. Os resultados incluem a maioria dos condutores de visitantes como sendo do sexo masculino, casados ou em união estável, possuindo o ensino fundamental, com menos de dez anos de experiência na atividade, e ganhando até um salário mínimo, indicando que seu trabalho serve para o divertimento e a educação dos turistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BANDEIRA, M. M., RIBEIRO, O. C. F. Sobre os profissionais da aventura: problemas da atuação na interface esporte e turismo. Licere, v.18, n.3,2015, 116-157.

BEZERRA, G. B. C. B. , PINTO, A. F. F. P. Turismo e reorganização do espaço local: uma análise geográfica acerca da comunidade Jamaraquá, Belterra/Pará. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2020.

BRASIL. Decreto 73.684 publicado em 20 de fevereiro do ano de 1974. Cria a Floresta Nacional do Tapajós, e dá outras providencias. Diário Oficial da União: pág.1987 col.3, Brasília, DF, 20 fev 1974. Disponível em:<http://legis.senado.leg.br/norma/496324>. Acesso em: 03 dez. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, DF. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm>. Acesso em: 15 fev. 2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Floresta Nacional do Tapajós: Diagnóstico Rural Participativo. Belterra-PA, 2003.

BRASIL. Ministério do meio Ambiente. Floresta Nacional do Tapajós - Plano de Manejo – Volume I (2004). Disponível em:<https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/flona_tapajoss.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2021.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. (2005). Diagnóstico da visitação em parques nacionais e estaduais. Brasília: MMA. Disponível em: <http://www.institutobrasilrural.org.br/download/20120220100952.pdf> Acesso em 13 fev. 2021.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. (2006). Diretrizes para a visitação em unidades de conservação. Brasília: MMA. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/332199683_Diretrizes_para_Visitacao_em_Unidades_de_Conservacao> .Acesso em 15 fev. 2021.

BRASIL. Ministério do Meio ambiente. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Instrução Normativa ICMBio nº 08, de 18 de setembro de 2008. Estabelece normas e procedimentos para a prestação de serviços vinculados à visitação e ao turismo em 52 Unidades de Conservação Federais por condutores de visitantes. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/o-que-somos/in082008.pdf>. Acesso em: 01 de fev. 2021.

BRASIL. Ministério do Turismo. Ecoturismo: orientações básicas. 2ed. Brasília: Ministério do Turismo, 2010. <http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/Ecoturismo_Versxo_Final_IMPRESSxO_.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2021

BRASIL. Ministério da saúde. Conselho nacional de saúde. Comissão nacional de ética em pesquisa. Resolução nº196 de 96 - Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html>Acesso em: 10 fev. 2021.

BRASIL. Ministério do Turismo. Portaria Nº 27 de 30 de janeiro de 2014. Estabelece requisitos e critérios para o exercício da atividade de Guia de Turismo e dá outras providências. Disponível em: <https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=265144>. Acesso : 02 fev. 2021.

BRASIL. Ministério do Meio ambiente. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. INSTRUÇÃO NORMATIVA ICMBIO Nº 2, DE 3 DE MAIO DE 2016. Dispõe sobre normas e procedimentos administrativos para autorização de uso para a prestação do serviço de condução de visitantes em unidades de conservação federais, conforme as informações contidas no processo n° 02070.001887/2012-05. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/cepsul/images/stories/legislacao/Instrucao_normativa/2016/in_icmbio_2_2016_exerc%c3%adcio_atividade_conducaovisitantes_ucs.pdf>. Acesso em: 04 fev. 2021.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Turismo de base comunitária em unidades de conservação federais: caderno de experiências (2019a). Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/downloads/turismo_de_base_comunitaria_em_ucs_caderno_de_experiencias.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2021.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Plano de Manejo - Floresta Nacional do Tapajós (2019b). Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/plano-de-manejo/plano_de_manejo_flona_do_tapaj%C3%B3s_2019_vol1.pdf>. Acesso em 20 fev. 2021.

BRASIL. Ministério do meio Ambiente. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Parques e Florestas nacionais - Floresta nacional do Tapajós. Santarém, 2021. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/flonatapajos/guia-do-visitante#:~:text=As%20comunidades%20e%20Aldeias%20est%C3%A3o,%2C%20Para%C3%ADso%2C%20Jutuarana%2C%20Itapuama%2C>. Acesso em : 27 de jan. 2021.

BOGGIANI, P. C. A importância dos condutores de visitantes na divulgação das Geociências em unidades de conservação. Terra e Didatica, Campinas, SP, v. 14, n. 4, p. 463–466, 2018. DOI:

CANTO-SILVA, C. R., CUNHA, A. M., BAZOTTI, L. S. & NASCIMENTO, C. A. (2015). Formação e Organização de Condutores Ambientais Locais: Estratégias de Desenvolvimento do Turismo Sustentável em Unidades de Conservação Gaúchas. Anais do VII Seminário Brasileiro sobre Áreas Protegidas e Inclusão Social - SAPIS e Encontro Latino Americano sobre Áreas Protegidas e Inclusão Social - ELAPIS, 2015. Florianópolis, 2015. Disponível em: <https://sapiselapis2015.paginas.ufsc.br/2015/11/18/anais-do-vii-sapis-e-ii-elapis/>. Acesso em: 09 fev. 2021.

CANTO-SILVA, C. R., SILVA, J. S. Panorama da visitação e da condução de visitantes em Parques brasileiros. Revista Brasileira de pesquisa em Turismo, v. 11, n. 2, p. 347-364, 2017.

CASSIANO, A.M.; SILVA, D.S.; SEVERIAN, B.A.; LOPEZ-RICHARD, V. Desafíos para la capacitación y acreditación de guías en Unidades de Conservación: Núcleo Picinguaba del Parque Estatal Serra do Mar, Sao Paulo, Brasil. Estudios y Perspectivas en Turismo (En Línea), v. 25, p. 483-501, 2016.

CASTILLO, D.; AREVALO, J.; HERRERA, F.; RUIZ, C.; ROJAS, R.; RENGIFO, E.; VAISBERG, A.; LOCK, O.; LEMESRE, J.-L.; GORNITZKA, H.; SAUVAIN, M. Spirolactoneiridoids might be responsible for the antileishmanial activity of a Peruvian traditional remedy made with Himatanthus sucuuba (Apocynaceae). Journal of Etnopharmacology, n. 112, p. 410-414, 2007.

CEBALLOS-LASCURÁIN, H. O ecoturismo como um fenômeno mundial. In: LINDBERG, K., HAWKINS, D. E. Ecoturismo: um guia para planejamento e gestão. São Paulo: SENAC,2002.

COTES, M.; SALLES, W.N.; SCHIAVETTI, A.; NASCIMENTO, J.V. (2018a) Necessidades formativas de condutores de visitantes em Parques Nacionais. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.10, n.4, nov 2017/jan 2018, pp.892-918.

COTES M., SALLES W.N., BRASIL V.Z., IHA T., SCHIAVETTI A., NASCIMENTO, J.V. (2018b) Perfil de condutores de trilhas de longa duração em parques nacionais brasileiros. R. bras. Ci. e Mov; v.26, n.1, 2018, p.167-177.

CUNHA, A. M.,BAZOTTI, L. S.,CANTO SILVA, C. Formação de monitores/condutores e educação ambiental – estratégias de desenvolvimento do turismo sustentavel nas UCs do RS.Fólio - Revista Científica Digital 2016; v. 17, n. 1: 213-229.

DRUMMOND, J. A., FRANCO, J. L. A.; OLIVEIRA,D. Uma análise sobre a história e a situação das unidades de conservação no Brasil. In: GANEM, R.S. (Ed.) Conservação da Biodiversidade: Legislação e Políticas Públicas, 2010. pp.341-385. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/303538670>. Acesso em: 15 jan. 2021.

ESPÍNOLA, R.S.; CASTRO, V.M. Ecoturismo e gestão participativa em Áreas Protegidas: o caso da Floresta Nacional do Tapajós (PA). Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.5, n.2, mai/ago-2012, pp.281-296.

FERRAZ, I. D. K. , SAMPAIO, P. T. B. Métodos simples de armazenamento das sementes de Andiroba (Carapa guianensisAubl. e Carapa proceraD.C. -Meliaceae). Acta Amaz., Manaus, v. 26, n. 3, p. 137-144, Sept. 1996. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0044-59671996000300137&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 11 fev. 2021.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2006.

IKEMOTO, S. M.; MORAES, M. G.; COSTA, V.C. Avaliação do potencial interpretativo da trilha do Jequitibá, Parque Estadual dos Três Picos, Rio de Janeiro. Soc. nat. (Online), Uberlândia , v. 21, n. 3, p. 271-287, Dec. 2009.

JACOBSON, S.K. El desarollo de un programa de entrenamiento para guias de ecoturismo en Tortuguero, Costa Rica. In: HAM, S.H. (Ed.) Interpretacion ambiental: una guia practica para gente con grandes ideias y presupuestos pequenos. Colorado: North American Press, 1992. p. 160- 162.

INEA. Instituto de Estudos Integrados Cidadão da Amazônia. Relatório Estratégico da Comunidade de Jamaraquá, 2012.

KINKER, S. Ecoturismo e Conservação da natureza em Parques Nacionais. Campinas: Papirus, 2002.

MALDONADO, C. 2009 O turismo rural comunitário na América Latina: gênesis, características e políticas. In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D.G.; BURSZTYN, I. (Org.). Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, pp. 25-44, 2009.

MOREIRA, J. C.; BURNS, R. C. Turismo, Manejo De Uso Público e a percepção dos visitantes: coleta de dados na Floresta Nacional Do Tapajós (Pará). Anais do VIII CBUC - Trabalhos Técnicos 2015. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/286936403>. Acesso em: 21 jan. 2021.

NASCIMENTO, C. A., CANTO-SILVA, C. R. C., MELO, I. B. N. & MARQUES, S. C. M. A regulamentação da atividade de condução de visitantes nos Sistemas Estaduais de Unidades de Conservação do Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 2016,v. 10, p. 516-532.

NEIMAN, Z. A educação ambiental através do contato dirigido com a natureza. (Tese Doutorado em Psicologia Experimental) - Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia, São Paulo: p.234. 2007. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47132/tde-19062008-085321/publico/Neiman_do.pdf. Acesso em: 13 de jan. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO (OMT). 2018. Sustainable Development of Tourism. Disponível em: <http://sdt.unwto.org/content/about-us-5>. Acesso em: 06 fev. 2021.

PEREIRA, A. I. DE A.; SILVA, F. J. DE L.; SILVA JÚNIOR, J. M. DA. Influência dos cursos de capacitação do Projeto Golfinho Rotador na atuação profissional dos condutores de ecoturismo em Fernando de Noronha (PE): uma contribuição a sustentabilidade turística local. Revista Brasileira de Ecoturismo (RBEcotur). v. 8, n. 1, 28 fev.2015.

PINHEIRO, R. M.; CASTRO, G. C. de; SILVA, H. H.; NUNES, J. M. G. Comportamento do consumidor e pesquisa de mercado. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

PRADO, M. V. P., ANDRADE, J. R. L., FACCIOLI, G. G. Turismo sustentável e capacidade de carga dos atrativos turísticos no município de Canindé do São Francisco/SE: Uma reflexão dos aspectos metodológicos. Anais... Indaiatuba: Anppas, 2004. 11 p. Disponível em: <http://www.anppas.org.br/encontro_anual/encontro2/GT/GT15/marta_virginia.pdf>. Acesso 13 de jan 2021.

RIBAS LCC, HICKENBICK C. O Papel de Condutores Ambientais Locais e de Cursos de Capacitação no Ecodesenvolvimento Turístico e as Expectativas Sociais no Sul do Brasil. Turismo em Análise, v.23, n.1, 2012, p.143-165.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento: includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SILVA, A. S. ; SILVA, A. P. ; VIANA, I. G. S. . A Influência do Turismo de Base Comunitária na Dinâmica Espacial da Comunidade de Jamaraquá, Flona Tapajós - Belterra – PA. In: ENANPPAS 2017 - VIII ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM AMBIENTE E SOCIEDADE, 2017, Natal –RN. Anais do ENANPPAS 2017. Disponível em : <http://www.enanppas2017.com.br/> Acesso: 05 dez 2020

SILVA, J.H. & MAIA, F. B. A. (2011). Organização local e gestão participativa o turismo em unidades de conservação: a difícil tarefa de integração no Parque Nacional do Catimbau (PE). Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, v.11, n.1, pp. 36-48, abr.

SILVA, M. J. Soares da; SOUSA, A. M. P.; SILVA, A. C. F.; RODRIGUES, D. S. Levantamento de famílias da Floresta Nacional do Tapajós, Pará. In: 2º Seminário de Pesquisa Científica da Floresta nacional do Tapajós. Anais do II Seminário de Pesquisa Científica da Floresta nacional do Tapajós. ICMBio, 2014. p. 235-242. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/flonatapajos/images/stories/destaques/anais_II_seminario_de_pesquisas.pdf>.Acesso em: 20 jan. de 2021.

UNEP. Towards a Green Economy: Pathways to Sustainable Development and Poverty Eradication - A Synthesis for Policy Makers. Nairobi: Unep, 2011. Disponível em:<https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/126GER_synthesis_en.pdf>. Acesso em: 03 dez. 2020.

VERÍSSIMO, A., ROLLA, A., VEDOVETO, M. FUTADA, S. de M. Áreas Protegidas na Amazônia Brasileira: avanços e desafios Belém/São Paulo: Imazon e ISA, 2011.Disponível em: <https://imazon.org.br/areas-protegidas-na-amazonia-brasileira-avancos-e-desafios-2/>. Acesso em: 15 de fev. 2021

WESTERN, D. (2002). Como definir o Ecoturismo. In: LINDBERG, K; HAWKINS, D. E. Ecoturismo: um guia para planejamento e gestão. São Paulo: SENAC.

WORLD WILDLIFE FUND (WWF) 2001. Guidelines for community-based ecotourism development. Disponível em: <https://wwf.panda.org/wwf_news/?12002/Guidelines-for-Community-based-Ecotourism-Development>. Acesso em: 05 fev. 2021.

Downloads

Publicado

2021-11-01

Como Citar

Cruz, S. L. F. da. (2021). Condutores de visitantes de Jamaraquá – FLONA do Tapajós, Belterra (PA): características socioeconômicas, acadêmicas e profissionais. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 14(4). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.11859
Recebido em 2021-03-08
Aceito em 2021-04-06
Publicado em 2021-11-01