Refúgio de vida silvestre, ecoturismo e implicações jurídicas: experiência na Região Metropolitana de Belém (PA)

Autores

  • Rosa de Figueiredo Lavor Prefeitura Municipal de Belém, PA, https://orcid.org/0000-0002-3157-8812
  • Luis Antonio Gomes de Souza Monteiro de Brito Centro Universitário do Estado do Pará (CESUPA), Belém, PA
  • Fernando Gomes Favacho Faculdades Ideal – FACI Wyden, Belém, PA
  • Paulo Moreira Pinto Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA https://orcid.org/0000-0002-2155-8172

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.11166

Palavras-chave:

Refúgio de Vida Silvestre; Ecoturismo; Gestão; Área Urbana; Análise Jurídica.

Resumo

O artigo faz referência às implicações jurídicas promovidas pela criação de Unidade de Conservação, precisamente de um Refúgio de Vida Silvestre localizado em área urbana da Região Metropolitana de Belém, no estado do Pará, e a inserção de atividades de ecoturismo. O contexto jurídico implicado na questão refere-se ao que está consagrado pelo denominado Sistema de Unidades de Conservação da Natureza que determina as categorias de manejo e o seu uso. Nesse caso, a categoria Unidade de Proteção Integral não permite o uso direto dos recursos naturais por populações tradicionais ou não, que residem no interior desses espaços territoriais legalmente protegidos. Nessa conjuntura, a sustentabilidade dos recursos biossocioculturais é planejada a partir da adoção do ecoturismo enquanto componente estratégico da administração e da gestão pública e, para a conservação ambiental. Entretanto, o segmento de mercado do ecoturismo, enquanto atividade econômica, pode reproduzir conflitos históricos e antagônicos vivenciados pelas populações amazônicas como, por exemplo, o desenvolvimento marginal e excludente das comunidades locais. Tal fato propicia entraves de ordens as mais diversas ao planejamento, administração e gestão das instituições públicas destinadas a administrar essas áreas. Do ponto de vista jurídico o arcabouço legal tem se pautado pelo imobilismo com relação às problemáticas advindas pela presença humana nesses espaços. A execução do estudo iniciou-se pela pesquisa bibliográfica e documental, utilizando-se também a observação direta por intermédio da participação em fóruns de debates organizados por instâncias de governança capitaneadas pelo poder público. Como resultado tem-se uma análise crítica preliminar, haja vista a criação e a organização recentes dessa Unidade de Conservação, pautada pela profusão de normas do Direito Ambiental que prejudicam resoluções de caráter mais flexíveis. Dessa maneira, estudos são necessários para aprofundar o tema com vistas às soluções que sejam benéficas para a manutenção da biossociodiversidade, principalmente em se tratando de áreas e populações amazônicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosa de Figueiredo Lavor, Prefeitura Municipal de Belém, PA,

Especialista em Ecoturismo (NUMA/UFPA). Técnica de Nível Superior da Prefeitura Municipal de Belém.

Luis Antonio Gomes de Souza Monteiro de Brito, Centro Universitário do Estado do Pará (CESUPA), Belém, PA

Doutor em Direito Ambiental pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) . Professor do Centro Universitário do Estado do Pará (CESUPA).

Fernando Gomes Favacho, Faculdades Ideal – FACI Wyden, Belém, PA

Doutor em Direito pela Pontificia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professor da FACI Wyden (Belém/PA).

Referências

ALMEIDA, M. P. S. R. Observação de aves no Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia: uma contribuição para a conservação ambiental da unidade e ao desenvolvimento turístico do estado do Pará. 2013. 134 f. Dissertação (Mestrado). Gestão de Áreas Protegidas da Amazônia. Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia. Manaus, AM, 2016.

ALMEIDA, M. P. S. R.; BAHIA, M. C.; NELSON. S. P. Observação de Aves no Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia: uma contribuição para a conservação ambiental da unidade e ao desenvolvimento turístico do Estado do Pará. Revista Brasileira de Ecoturismo, v. 9, n. 3, p. 544-574, 2016.

ANTUNES, P. B. Direito ambiental. 12ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Lumen Juris, 2010.

BABBIE, E. Métodos de pesquisa de survey. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema de Unidades de Conservação da Natureza. Brasília, DF: Senado Federal, 2000.

BRASIL. Unidades de Conservação da Natureza. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2008. (Coleção Ambiental; v. 8).

CEBALLOS-LASCURÁIN, H. O ecoturismo como um fenômeno mundial. In: LINDENBERG, K.; HAWKINS, D. E. (Org.). Ecoturismo: um guia para planejamento e gestão. São Paulo: SENAC, 1999.

DIAS, R. Turismo sustentável e meio ambiente. São Paulo: Atlas, 2008.

DIEGUES, A. C. S. O Mito moderno da natureza intocada. São Paulo, SP: NUPAUB/USP, 1994.

DINIZ, M. B. Desmatamento e ausência de riqueza na Amazônia. Belém: Paka-Tatu, 2017.

IDEFLOR-BIO. Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará. Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia. Disponível em: <http://ideflorbio.pa.gov.br/unidades-de-conservacao/regiao-administrativa-de-belem/refugio-de-vida-silvestre-metropole-da-amazonia/21>. Acesso em: 25 jun. 2018.

IDEFLOR-BIO. Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará. Plano de Gestão da Unidade de Conservação Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia (REVIS). Brasília, DF: Contrato IA/Ideflor-Bio (n. 033/2016), 2018. 400 p.

IDEFLOR-BIO. Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará. Portaria n. 683, de 21 de junho de 2018. Aprovação de Plano de Manejo e Resumo Executivo. Diário Oficial do Pará, n. 33644, de 26 de junho de 2018, p. 54.

IDEFLOR-BIO. Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará. Resolução n. 01/2017. Promulga o Regimento Interno do Conselho Gestor do Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia. Diário Oficial do Pará, n. 33397, de 19 de junho de 2017, p. 29-30.

IDEFLOR-BIO. Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará. Cartilha temática – Plano de Gestão da Unidade de Conservação Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia (REVIS). Brasília, DF: Contrato IA/Ideflor-Bio (n. 033/2016 – etapa 7), 2018. 32 p.

IDEFLOR-BIO. Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará. Resumo executivo – Plano de Gestão da Unidade de Conservação Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia (REVIS). Brasília, DF: Contrato IA/Ideflor-Bio (n. 033/2016 – etapa 7), 2018. 52 p.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 5ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

MACHADO, P. A. L. Direito ambiental brasileiro. 18ª ed. São Paulo, SP: Malheiros, 2010.

NAVES, S. C. Unidades de conservação: um limite ao direito de propriedade. Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/artigo,unidades-de-conservacao-um-limite-ao-direito-de-propriedade,44102.html>. Acesso em: 03 jan. 2017.

NEIMAN, Z.; MENDONÇA, R. Ecoturismo: discurso, desejo e realidade. Revista Turismo em Análise. São Paulo, 11(2): 98-110, nov. 2000. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2021.

NETO, O. C. O trabalho de campo como descoberta e criação. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petropólis, RJ: Vozes, 2002. p. 51-66.

NOGUEIRA, S. M. B. Planejamento do ecoturismo em unidades de conservação no Brasil. In: TELES, R. M. S. (Org.). Turismo e meio ambiente. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

OLIVEIRA, S. L. Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. São Paulo: Pioneira, 2002.

PARÁ. Decreto n. 2.211, de 30 de março de 2010. Cria o Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia nos municípios de Ananindeua, Benevides, Marituba e Santa Isabel do Pará. Diário Oficial do Pará, Suplemento, 01 de abril de 2010. Disponível em: ideflorbio.pa.gov.br/wp-content/uploads/2015/09/Decreto-Criacao-REVIS-MB.pdf. Acesso em: 03 jan. 2017.

PINTO, P. M.; SOUZA, J. A. A. Mapa de localização do REVISMA. Sistemas de Coordenadas Geográficas SIRGAS 2000 UTM 22S, Base cartográfica BCIM-IBGE, 2018; Ideflor-Bio, 2019, Belém, PA: LAIG/UFPA, 2020.

PIRES, P. S. Dimensões do ecoturismo. São Paulo: SENAC, 2002.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23ª ed., 12ª reimp. São Paulo: Cortez, 2007.

SIMONIAN, L. T. L.; BAPTISTA, E. R.; PINTO, P. M.; SILVA, J. B. Formação socioambiental do estado do Pará. In: SIMONIAN, L. T. L.; BAPTISTA, E. R. (Org.). Formação socioambiental da Amazônia. (Coleção Formação Regional da Amazônia, v. 3). Belém, PA: NAEA/UFPA, 2015. p. 393-525.

RIBEIRO, E. M. Ecoturismo na Amazônia: premissas para tomada de decisões sobre políticas de turismo sustentável no Amazonas. In: NASCIMENTO, E. P.; COSTA, H. A. (Org.). Turismo e sustentabilidade: verso e reverso. Rio de Janeiro: Garamond, 2018.

RODRIGUES, M. A. Direito ambiental esquematizado. São Paulo, SP: Saraiva, 2013.

SWARBROOKE, J. Turismo sustentável. São Paulo: ALEPH, 2000.

TRENNEPOHL, T. D. Manual de direito ambiental. 5ª ed. São Paulo, SP: Saraiva, 2010.

VALLEJO, L. R. Uso público em áreas protegidas: atores, impactos, diretrizes de planejamento e gestão. Anais – Uso Público em Unidades de Conservação, Niterói, v. 1, n. 1, 2013.

VIEIRA, P. F.; MAIMON, D. As ciências sociais e a questão ambiental: rumo à interdisciplinaridade. Belém, PA: APED/UFPA, 1993.

Downloads

Publicado

2021-05-07

Como Citar

Lavor, R. de F., Brito, L. A. G. de S. M. de, Favacho, F. G., & Pinto, P. M. (2021). Refúgio de vida silvestre, ecoturismo e implicações jurídicas: experiência na Região Metropolitana de Belém (PA). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 14(2). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.11166

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-09-15
Aceito em 2020-12-22
Publicado em 2021-05-07