A Pós Graduação Brasileira em Turismo e em Ecoturismo como caminho para o Desenvolvimento Sustentável

  • Maria Cristina Fogliatti de Sinay Pesquisadora Independente
  • Laura Sinay Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ,
  • Ariane Queiroga Ferreira Universidade do Grande Rio, Rio de Janeiro, RJ,
  • Iluska Braga Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO
Palavras-chave: Educação e Formação em Turismo, Formação Superior em Ecoturismo, Planejamento Turístico e Sustentabilidade

Resumo

Os impactos do ecoturismo estão diretamente relacionados ao planejamento da atividade.  Assim sendo, a sustentabilidade da mesma depende, ao menos parcialmente, do conhecimento acadêmico-científico sobre o assunto. Neste contexto e tendo em vista a potencialidade do turismo/ecoturismo no Brasil, este trabalho tem como objetivo verificar se a insustentabilidade do ecoturismo no Brasil é influenciada pelo reduzido número de profissionais academicamente aptos a planejar e implementar adequadamente a atividade no país. O procedimento metodológico seguido no presente artigo se embasa no delineamento do panorama acadêmico-científico da pós-graduação brasileira em turismo (incluindo o mapeamento dos cursos de mestrado e doutorado na área, com identificação das disciplinas ofertadas e temas abordados) e na incidência de trabalhos acadêmico-científicos sobre ecoturismo no país (incluindo dissertações e teses, grupos de pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq e artigos publicados em periódicos científicos credenciados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES com foco no Brasil).  Encontramos que o número de revistas, cursos de pós-graduação, disciplinas e dissertações acadêmicas no Brasil focados no ecoturismo é limitadíssimo. Assim, a análise do panorama atual permite concluir que a insustentabilidade do ecoturismo no Brasil é, de fato, parcialmente decorrente das limitações mencionadas.  Assim sendo, se faz necessário ampliar o número de cursos de pós-graduação em (eco)turismo e melhor distribuí-los geograficamente pelo país, sendo fundamental que os programas (existentes e a serem criados) incluam em seus projetos pedagógicos disciplinas que contemplem o ensino do ecoturismo. Estas duas ações certamente impulsionarão a pesquisa em ecoturismo, que atualmente se encontra pouco expressiva, e promoverão a sustentabilidade da atividade.

Biografia do Autor

Maria Cristina Fogliatti de Sinay, Pesquisadora Independente

PhD em Matemática pelo Graduate Center of The City University of New York, USA, 1978; pós doutorado em Estatística e Pesquisa Operacional Aplicadas na University of California. Campus San Diego, USA, 1989-1990. Prof. Adjunta no Programa de Pós Administração da Unigranrio entre 2011 e 2019. Prof. Titular do departamento de Engenharia de Transportes do Instituto Militar de Engenhario, IME, entre 1980 e 2010. Bolsista do CNPq entre 1983 e 2019.

Laura Sinay, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ,

Professora do Programa de Pós Graduação em Ecoturismo e Conservação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO. PhD em Gestão de Sistemas Naturais e Turísticos pela Universidade de Queensland (Austrália) e pós-doutorado em Geografia pela UFRJ e em Sustentabilidade pela Universidade da Sunshine Coast (Austrália).

Ariane Queiroga Ferreira, Universidade do Grande Rio, Rio de Janeiro, RJ,

Graduando do Curso de Administração

Iluska Braga, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO

Professora do Departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Rondônia- UNIR. Doutorado em Administração pela Universidade do Grande Rio e Mestrado em Administração pela Universiddade Federal de Rondônia.

Referências

ALVARENGA, L.; CASTRO, P. T. A.; FONSECA, I. C. M. Contribuições à proteção jurídica do patrimônio geológico no Brasil: Locais e Áreas Especiais de Interesse Turístico como espaços de geoconservação. Terr@Plural, Ponta Grossa, v. 12, n. 2 p. 188-200, 2018.

BENI, M. C. Análise Estrutural do turismo. 10ªed. Atual. São Paulo: SENAC, 2004.

BONDER, N. Tirando os sapatos: O caminho de Abraão, um caminho para o outro. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

BRASIL. Ministério do turismo. Anuário Estatístico de turismo 2017 - Ano Base 2016. Brasília: MTur, 2018. Disponível em: <http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-53-05/item/347-anu%C3%A1rio-estat%C3%ADstico-de-turismo-2017-ano-base-2016/347-anu%C3%A1rio-estat%C3%ADstico-de-turismo-2017-ano-base-2016.html>. Acesso em: 01 jun. 2020.

CARVALHO, D.; WATANABE, P. Marcos Pontes também questiona dados do Inpe e chama diretor para conversa. Folha de Sao Paulo, 2019. Disponível: <https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/07/marcos-pontes-tambem-questiona-dados-do-inpe-e-chama-diretor-para-conversa.shtml>. Acesso em: 27 mar 2020

COSTA, L. A. A imagem da cidade do Rio de Janeiro para os paulistanos: fatores que influenciam na motivação de visita desta demanda à cidade. Caderno Virtual de turismo. Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 1-16, 2012.

ELECONOMISTA.ES. El ecoturismo crece por encima del convencional y cada vez atrae a más extranjeros. Economía. 2017. Disponível em: <https://www.eleconomista.es/economia/noticias/8628434/09/17/El-ecoturismo-crece-por-encima-del-convencional-y-cada-vez-atrae-a-mas-extranjeros.html>. Acesso em: 09 mar. 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

KOTLER, P. Administração de Marketing. 10 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2000

KRAEMER, M. E. P. A Universidade do Século XXI rumo ao Desenvolvimento Sustentável. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa (RECADM). v. 3, n. 2, p. 1-21, 2004.

KRIPPENDORF, J. Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo: ALEPH, 2001.

LOUV, R.. Last child in the woods: Saving our children from nature-deficit disorder. London: Atlantic books, 2008.

MELO, N. R. de. A aplicação da Análise SWOT no planejamento turístico de uma localidade: O caso de Araxá, MG. Caderno Virtual de turismo. Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 164-176, 2011.

OMT - Organização Mundial de turismo. Guia de desenvolvimento do turismo Sustentável. Porto Alegre: Bookman, 2003.

PETROCCHI, M. C. Gestão de pólos turísticos. São Paulo: Futura, 2001

PIZAM, A.; MANSFIELD, Y. Tourism, crime and international security issues. England: Wiley, 1995.

REZENDE, C. Em Roraima, Bolsonaro defende exploração econômica de terras indígenas. O Estado de São Paulo. 2018. Disponivel em: <https://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,em-roraima-bolsonaro-defende-exploracao-economica-de-terras-indigenas,70002266170>. Acesso em: 03 jun. 2020.

RIPPLE, W. J.; WOLF, C.; NEWSOME, T. M.; GALETTI, M.; ALAMGIR, M.; CRIST, E.; MAHMOUD, M. I.; LAURANCE, W. F. World scientists’ warning to humanity: A second notice. BioScience, v. 67, n. 12, p. 1026-1028, 2017.

ROCHA, E. ; SINAY, L. ; PREVOT, R. O Turismo como Ferramenta de Transformação: Traçando Caminhos para a Paz. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, v. 11, p. 92, 2017.

SAMPAIO, V. 2018: natureza é principal atrativo de destinos-tendência no Brasil. Ministério do turismo. Brasília: MTur, 2018. Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/10664-2018-natureza-%C3%A9-principal-atrativo-de-destinos-tend%C3%AAncia-no-brasil.html>. Acesso em: 01 jun. 2020.

SANTOS, H. Q. S.; OLIVEIRA, S. D. de; PASSOS, F. V. de A. A percepção do visitante na cachoeira Véu das Noivas — Parque Estadual do Cunhambebe – RJ. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do turismo, v. 13, n. 2, p. 77-99, 2019.

SINAY, L. Ecoturismo e Culturas Tradicionais - Estudo de Caso: Martim de Sa. 2002. Dissertação (Mestrado UFRJ/CFCH/IP/EICOS) Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Brasil, p. 1-95, 2002.

SINAY, L. Modelling And Forecasting Cultural And Environmental Changes. Thesis. (PhD The University of Queensland). Quensland: Australia, 2008. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/0BzlTcIGTXAEjeFZnUnJoX1YxcXc/view?usp=sharing>. Acesso em: 20 nov 2020

SINAY, L.; ZAÚ, ANDRÉ ; VILLANI, R. ; SIMÕES, B. F. T ; RODRIGUES, C. G. O. ; MORAES, CAMILA ; FIGUEIREDO, CARLOS ; ANDRADE, D. F. ; SILVA, L. H. S. ; SANTOS, L. N. ; PONCIANO, L. C. M. O. ; MORAES, L. A. F. ; OLIVEIRA, M. A. ; SAMPAIO, M. C. ; KREPSKY, N. ; CARDOSO, R. S. ; SARTORI, R. A. Mestrado Profissional em Ecoturismo e Conservação. 2015.

SINAY, L.; SINAY, M. C. F. de; PASSOS, F. V. de A.; BRAGA, I. L.; REVHEIM. V. C. C. A. Panorama atual do ecoturismo na Academia Brasileira. Anais do Encontro Nacional de turismo de Base Local, 14., Manaus, novembro, 2016.

SINAY, L.; SINAY, M. C. F. de; CARTER, R. W. B.; PASSOS, F. V. de A. Povos Tradicionais, Áreas Protegidas e turismo: Um Estudo de Caso Brasileiro de 15 Anos de Mudança Cultural. Ambiente & Sociedade, São Paulo. v. 22, 2019.

SINAY, L.; CARTER, R. W. B.; SINAY, M. C. F. de. Povos tradicionais, áreas protegidas, turismo e políticas públicas: o papel emergente da academia. Caderno Virtual de turismo. Rio de Janeiro. v. 18, n. 3, 2018.

SINAY, L.; SINAY, M. C. F. de; PASSOS, F. V. de A.; BRAGA, I. L. Megaeventos, legado e sustentabilidade: o caso da Cidade do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de ecoturismo (RBEcotur), São Paulo, v. 10, n. 3, 2017.

SINAY, L.; SINAY, M. C. F. de.; CARTER, R.W (Bill); Martins, A.C. Who is Writing the Science behind the Management of Protected Areas? Annals of Ecology and Environmental Science, Vol.3(3), pp.18-24; 2019.

SINAY, L.; THAM, A.; SCHAFFER, V.; CARTER, R.W.(BILL); SCOTT, N. Does Ecotourism Influence Environmental Awareness? A Methodological Approach Based on Virtual Reality and Physiological Responses. Annals of Ecology and Environmental Science, Vol.4(1), pp.1-10; 2020.

SINAY, L.; SINAY, M. C. F de. How to Better Manage Tourism on Pandemic-Times? Moving Forward on a Discussion We Should Have Had Before the 2020 Crisis. Preprints. Disponível: <https://www.preprints.org/manuscript/202010.0487/v1>. Acesso 31 out 2020

UNWTO. Ecotourism and Protected Areas. Madrid: UNWTO, 2018a. Disponível em: https://www.unwto.org/sustainable-development/ecotourism-and-protected-areas. Acesso em: 12 nov. 2019.

UNWTO. UNWTO Tourism Highlights - 2018 Edition. Madrid: UNWTO, 2018b. DOI: <https://doi.org/10.18111/9789284419876. Acesso em: 12 nov. 2019.

UNWTO. International Tourist Arrivals Reach 1.4 billion Two Years Ahead of Forecasts. Madrid: UNWTO, 2019. Disponível em: <https://www2.unwto.org/press-release/2019-01-21/international-tourist-arrivals-reach-14-billion-two-years-ahead-forecasts>. Acesso em: 12 nov. 2019.

VALE, T. F. do; CARVALHO, K. G. de; MOREIRA, J. C. A reputação online em áreas protegidas: análise do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (Pernambuco, Brasil). Revista Acadêmica Observatório de Inovação do turismo, v. 13, n. 3, p. 113-134, 2019.

WTTC. Travel & Tourism Economic Impact 2014. Londres: WTTC, 2014. Disponível em: <http://www.ontit.it/opencms/export/sites/default/ont/it/documenti/files/ONT_2014-03-31_03008.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2019.

ZOUAIN, D. M.; PEREIRA JÚNIOR, A. N.; SOUZA, L. A. V. de; DUARTE, A. L. F. Os (des) avanços nos níveis de indicadores de competitividade de destinos turísticos indutores brasileiros: o caso de São Raimundo Nonato. Gestão & Regionalidade, v. 35, n. 104, p. 124-143, 2019.

Publicado
2021-01-07
Como Citar
Sinay, M. C. F. de, Sinay, L., Ferreira, A. Q., & Braga, I. (2021). A Pós Graduação Brasileira em Turismo e em Ecoturismo como caminho para o Desenvolvimento Sustentável. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 14(1). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.11143