Rota dos Nativos sob a perspectiva do turismo sustentável: estudo em comunidades de Nísia Floresta (RN)

Autores

  • Sueli Aparecida Moreira Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN http://orcid.org/0000-0002-0558-5808
  • Ingrid Rosalina da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Camila Kayssa Targino Dutra Universidade Estadual do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Silvânia Cunha Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Gilberto Correia dos Santos Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP https://orcid.org/0000-0003-4671-4263
  • Bruno Ferreira Nunes Sobrinho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Guilherme Bridi Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.10948

Palavras-chave:

Turismo Lacustre, Excursionismo, Turismo de Um Dia, Educação Turística

Resumo

Rota dos Nativos é um roteiro turístico localizado no Município de Nísia Floresta, litoral sul do Rio Grande do Norte, que abrange sete lagoas. Portanto, o objetivo do estudo envolveu caracterizar a rota das lagoas em Nísia Floresta para analisar o impacto das práticas excursionistas sobre os recursos hídricos. A pesquisa é de abordagem qualitativa através de observação participante no contexto das lagoas. Adicionalmente, empregou-se roteiro temático em entrevistas com representantes locais.  Constatou-se que o turismo sustentável pode ser adotado, considerando que as lagoas precisam ser conservadas, priorizando as comunidades. O turismo sustentável combinado às ações de Educação Ambiental poderá trazer benefícios para o desenvolvimento regional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sueli Aparecida Moreira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Docente de Antropologia da Alimentação e Segurança Alimentar do Centro de Biociências - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN; Programa de Pos graduação em Estudos Urbanos e Regionais - PPEUR - 

Ingrid Rosalina da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN - Natal, RN.

Silvânia Cunha, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Graduanda em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN, Natal/RN.

Gilberto Correia dos Santos, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP

Geógrafo do Observatório Temático Sócioambiental da Cidade de Diadema - UNIFESP, Diadema/SP.

Bruno Ferreira Nunes Sobrinho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Graduando turismo da UFRN

Referências

ALMEIDA, J. C. Avaliação do Índice de Qualidade da Água na Lagoa dos Patos. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Ambiental e Sanitária). Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, RS, 2013.

ARRUDA, A.P. Os farofeiros em excursão nas Lagoas de Arituba, Boágua e Carcará (Nísia Floresta/RN). Análise de uma outra face do Turismo Potiguar. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, 2010.

AMADO, F. A. Te. Direito ambiental esquematizado: Rio de Janeiro/São Paulo: Forense/ Método, 2016.

BACCI, D. de La C.; PATACA, E. M. Educação para a água. Estudos Avançados. v. 22, n. 63, 2008, p.211-226.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília: Legislação Federal, 1981.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: <https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_05.10.1988/CON1988.asp>. Acesso em: 05 nov. 2017.

BRASIL. Ministério do Turismo. Introdução à Regionalização do Turismo – Roteiros do Brasil: Programa de Regionalização do Turismo. Brasília, Ministério do Turismo, 2007.

BRASIL. Ministério do Turismo. Prodetur. Brasília: Ministério do Turismo, 2015.

BRASIL. Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental – SNAS. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento – SNIS: Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos – 2015. Brasília: SNSA/MCIDADES, 2017.

CASTRO, J.E. A água ainda não é uma mercadoria: Aportes para o debate sobre a mercantilização da água. Rev. UFMG, Belo Horizonte, v. 20, n.2, p. 190-221, 2013.

DEEN, T. A água não pode faltar na RIO + 20. São Paulo: Carta Capital, 2012.

DENCKER, A. F. M. Pesquisa em Turismo: Planejamento, Métodos e Técnicas. São Paulo: Futura, 2007.

DIAS, R. Introdução ao turismo. São Paulo: Atlas, 2005.

DIAS, R.Turismo sustentável e meio ambiente. São Paulo: Atlas, 2008.

DUMAZEDIER, J. Lazer e cultura popular. São Paulo: Perspectiva, 1973.

FABER, M. Aimportância dos rios para as primeiras civilizações. Rio Grande do Sul: História Ilustrada, v. 2. 2011.

FANDÉ, M. B.; PEREIRA, V. F. G. C. Impactos ambientais do turismo: um estudo sobre a percepção de moradores e turistas no Município de Paraty-RJ. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. v. 18, n. 3, Set-Dez 2014, p.1170-1178.

FERREIRA, R. C.; LOPES, W. G. R.; ARAÚJO, J. L. L. A água como suporte para atividades de lazer e turismo: possibilidades e limitações da barragem Piracuruca no estado do Piauí (Brasil). RA´E GA. n. 25, 2012, p. 134-163.

FRATUCCI, A.C.; SCHWANTES, G.X.L.; MAIA, Y.C. Estrutura da gestão pública do turismo nos municípios do estado do Rio de Janeiro. Revista de Cultura e Turismo, Ilheús, v. 1, n. 8, p. 140-159, fev. 2014.

GOMES, C. L. Estudos do lazer e geopolítica do conhecimento. Revista Licere. Belo Horizonte, v.14, n.3, p.1-25, set./2011.

GRECHI, D. O desenvolvimento turístico sob a ótica da economia institucional: uma análise do caso de Bonito (MS). 2011. Tese (Programa de Pós-graduação em Economia - Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Porto Alegre, 2011.

KUHNEN, A. Meio ambiente e vulnerabilidade: a percepção ambiental de risco e o comportamento humano. Londrina: Geografia, v. 18, n. 2, p. 37-52, 2009.

LANZER, R.M.; CASTRO RAMOS, B.V.; MARCHETT, C.A. Impactos ambientais do turismo em lagoas costeiras do Rio Grande do Sul. Caderno Virtual de Turismo, v. 13, n. 1, 2013.

LEFF, E. Saber Ambiental: Sustentabilidade, Racionalidade, Complexidade, Poder. São Paulo: Vozes, 2009.

MATIAS, E. M.; CARVALHO, A. V.; SOUSA, P. G. Gestão pública em São Miguel do Gostoso (RN): em estudo de caso. In: Seminário da ANPTUR, 13, 2016, São Paulo. Anais… São Paulo, 2016, p. 1-16.

MAY, T. Pesquisa social: Questões, métodos e processos. Porto Alegre: Artmed, 2001.

MEKSENAS, P. Pesquisa social e ação pedagógica: conceitos, métodos e práticas. São Paulo: Loyola, 2002.

MMA, Ministério do Meio Ambiente. Proteção da qualidade e do abastecimento dos recursos hídricos: aplicação de critérios integrados no desenvolvimento, manejo e uso dos recursos hídricos. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Agenda 21, Capítulo 18. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 1992.

MMA, Ministério do Meio Ambiente. Coleta seletiva. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2016.

MOLINA, S. O pós-turismo. São Paulo: Aleph, 2003.

OLIVEIRA, P. H. C. N.; MELO, A. C. L.; DANTAS, A. V. S. Gestão e desenvolvimento turístico em Natal: uma análise histórica da consolidação da secretaria e das políticas públicas. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS (ENEPCP), 3, 2017, Brasília. Anais... Brasília, 2017. v. 2. p. 331-346.

ONUBR- Nações Unidas do Brasil. ODS6 - Água Potável e Saneamento: Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos e todas. Brasília: Nações Unidas Brasil, 2015.

PASA GÓMEZ, C.; FALCÃO, M.C.; CHEREM, L., SILVA, T.N. A participação da comunidade no turismo de base comunitária: um estudo de múltiplos casos. Caderno Virtual de Turismo, v. 16, n. 2, p. 263-279, 2016.

RIBEIRO, L. G. G.; ROLIM, N. D. Planeta água de quem e para quem: uma análise da água doce como direito fundamental e sua valoração mercadológica. Revista Direito Ambiental e sociedade. v. 7, n. 1, 2017, p. 7-33.

RUDZEWICZ, L.; LANZER, R.M. SCHÄFER, E.A. Potencialidades do ecoturismo no litoral médio e sul do Rio Grande do Sul. Anais do VIII Congresso Nacional de Ecoturismo e do IV Encontro Interdisciplinar de Ecoturismo em Unidades de Conservação. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.4, n.4, 2011, p. 531.

SANSOLO, D. G.; BURSZTYN, I. Turismo de base comunitária: Potencialidade no espaço rural brasileiro. In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D. G.; BURSZTYN, I. (Org.). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, 2009. p. 142-161.

SILVA, D. C. Electrorremediação de solos contaminados com metais pesados. Dissertação (Mestrado em Química). Coimbra: Universidade de Coimbra, 2015.

SPERLING, M. V. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos: princípios do tratamento biológico de águas residuárias. Belo Horizonte: Editora da Universidade Federal de Minas Gerais, 2005.

TAVARES, A.M. City tour. São Paulo: Aleph, 2002.

UNIC. Direito à água potável e saneamento básico e juridicamente vinculativo, afirma Conselho de Direitos Humanos. Rio de Janeiro: Centro de Informações das Nações Unidas, 2010.

Downloads

Publicado

2021-05-07

Como Citar

Moreira, S. A., Silva, I. R. da, Dutra, C. K. T. ., Cunha, S. ., Santos, G. C. dos, Sobrinho, B. F. N., & Bridi , G. (2021). Rota dos Nativos sob a perspectiva do turismo sustentável: estudo em comunidades de Nísia Floresta (RN). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 14(2). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.10948

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)