A abordagem do turismo na criação de Unidades de Conservação no Polo Costa das Dunas (RN)

Autores

  • Fernanda Raphaela Alves Dantas Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Kerlei Eniele Sonaglio Universidade de Brasília https://orcid.org/0000-0001-8849-9632

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.10891

Palavras-chave:

Turismo, Planejamento Turístico, Unidades de Conservação, Polo Costa das Dunas (RN)

Resumo

Compreender o contexto do turismo nas unidades de conservação a partir seus efeitos e do planejamento é necessário para mitigar respostas indesejáveis, sobretudo quando a criação destas áreas é motivada pelo discurso da conservação ambiental aliada ao turismo como solução aos desafios para a sustentabilidade local. Neste entendimento, em abordagem qualitativa, buscou-se analisar qual o propósito e contexto do turismo nas unidades de conservação estaduais em processo de criação no Polo Turístico Costa das Dunas, Rio Grande do Norte (RN), especificamente em dois Parques Estaduais, Parques Estaduais Mangues do Potengi - PEMAP (Natal) e Jiqui – PEJ (Parnamirim). A primeira etapa da pesquisa foi do tipo descritiva, onde realizou-se a análise documental dos processos e atas que tratam da criação dos Parques, bem como, de atas de reuniões do citado Polo. Na segunda etapa empreendeu-se entrevista semiestruturada com o Núcleo de Unidades de Conservação do IDEMA sobre aspectos relacionados ao planejamento do turismo pretendido para as áreas. Constatou-se que os processos de criação dos parques estão estagnados, sendo o PEMAP na dependência de continuidade em estudos técnicos e socioeconômicos e, o PEJ, aguardando a cessão de área incluída nas delimitações da UC. Sobre os atores do turismo do setor público ou privado e das comunidades do entorno, notou-se que o envolvimento é tímido e reticente, o que pode resultar em conflitos socioeconômicos posteriores a criação das UC. Em relação aos debates ocorridos nas reuniões do Polo, percebeu-se a escassez e incipiência do tema em pauta, o que demonstra um distanciamento na perspectiva do planejamento do turismo quanto as novas áreas de potencial atratividade. Dessa forma, acredita-se que discussões e participação dos diferentes atores interessados na criação desses Parques necessitam de mais amplitude e aprofundamento, visando o alcance de um planejamento integrativo mais assertivo e seguro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Raphaela Alves Dantas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Bacharel em Turismo UFRN/CERES, Mestra em Turismo UFRN/PPGTUR, Professora do Curso de Turismo UFRN/CERES.

Kerlei Eniele Sonaglio, Universidade de Brasília

Bacharel em Turismo (ASSESC). Mestre e Doutora em Engenharia Ambiental (UFSC). Professora na área de Turismo na Universidade de Brasília (UnB).

Referências

BRASIL, Ministério do Turismo. Módulo Operacional 3: Institucionalização da instância de governança regional. Brasília: Ministério do Turismo, 2007.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. (2008). Criação de UC. Disponivel em <http://www.mma.gov.br/areas-protegidas/unidades-de-conservacao/criacao-ucs>. Acesso em:10 de Setembro de 2016.

BRASIL. Ministério do Meio ambiente. O SNUC. São Paulo,2011.

CNUC/MMA. Painel de Unidades de Conservação Brasileiras. Disponível em: <https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiMjUxMTU0NWMtODkyNC00NzNiLWJiNTQtNGI3NTI2NjliZDkzIiwidCI6IjM5NTdhMzY3LTZkMzgtNGMxZi1hNGJhLTMzZThmM2M1NTBlNyJ9>. Acesso em 27 de fevereiro de 2021.

DECRETO nº 4.340, de 22 de Agosto de 2002. (2002). Brasília, DF. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4340.htm>. Acesso em 29 de Novembro de 2018.

DRUMMOND, J. A.; FRANCO, J. L.; OLIVEIRA., D. D. Uma análise sobre a história e a situação das unidades de conservação no Brasil. Conservação da Biodiversidade, legislação e políticas públicas, 341-385, 2010.

EAGLES, P. F.; MCCOOL, S. F.; HAYNES, C. D. Sustainable Tourism in Protected Areas: Guidelines for Planning and Management. Suíça e Cambridge: IUCN Gland,2002.

FARAJI, A.; AGHAJANI, S. The Relationship between Tourism and Environment. Iranian Journal of Tourism & Hospitality, p. 37-48. 2010.

FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUTENTÁVEL DA TERRA POTIGUAR DO RIO GRANDE DO NORTE & INSTITUTO DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE DO RIO GRANDE DO NORTE . Parque Estadual dos Mangues plano de ação emergencial. Natal: FUNDEP/IDEMA,2009.

FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUTENTÁVEL DA TERRA POTIGUAR DO RIO GRANDE DO NORTE & INSTITUTO DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE DO RIO GRANDE DO NORTE. Parque Estadual do Jiqui plano de ação emergencial. Natal: FUNDEP/IDEMA,2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas,2008.

HERNÁNDEZ, J. R.; LÓPEZ, O. I. (2018). Conservación y desarrollo, el caso del ecoturismo: una política ambiental fallida en la Reserva de la Biosfera La Encrucijada, Chiapas. El Periplo Sustentable,p. 82 – 108,2018

IBGE. Instituto de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Disponível em <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_da_populacao/caracteristicas_da_populacao_tab_municipios_zip_xls.shtm>. Acesso em: 10 de Fevereiro. 2017.

ICMBIO. Criação de unidades de conservação. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/portal/criacaodeunidadesdeconservacao>. Acesso em 22 de abril, 2017.

ICMBIO. Instrução Normativa ICMBIO nº 5, de 15 de Maio de 2008, 2008.

ICMBIO. Monitoramento da visitação em Unidades de Conservação Federais: resultados de 2019 e breve panorama histórico. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2020.

IDEMA (2014). Unidades Estaduais de Conservação Ambiental do RN. Disponível em: <http://www.idema.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=334&ACT=&PAGE=0&PARM=&LBL=Unidades+de+Conserva%E7%E3o>. Acesso em 10 de Agosto de 2016.

JIMÉNEZ, M. B.; SALGUERO, B. M.; VÁZQUES, M. L.; BORREGO, S. Á.; SALAZAR, J. L.; PADILLA, E. V.; . RUBIO, A. O. Percepción de los prestadores de servicios dentro de Áreas Naturales Protegidas sobre la eficacia de las políticas ambientales ahí implementadas y su impacto sobre el bienestar de la comunidad. Caso: Cabo Pulmo, B. C. S. México. El Periplo Sustentable, 760 – 797,2017.

LEI nº 9.985, 18 jul. 2000. SNUC – SNUC. Brasília, DF. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm>. Acesso em 10 de Setembro de 2016,2000.

LEITE, M. S.; GEISELER, S.; PINTO, R. S. Como criar unidades de conservação: guia prático para Pernambuco. Recife: CEPAN, 2011.

LIMA, M. (Eco) turismo em Unidades de Conservação. In: RODRIGUES, A. Ecoturismo no Brasil: possibilidades e limites. São Paulo: Contexto, 2003.

OLIVEIRA, F. T.; BRANDÃO, R. A. Perspectivas do ecoturismo: uma análise sobre características e percepções locais na Floresta Nacional Saracá-Taquera, Pará - Brasil. El Periplo Sustentable, p. 77 – 105, 2016.

OLIVEIRA, W. A. Turismo, unidades de conservação e inclusão social: Uma análise da Área de Proteção Ambiental Recifes de Corais (APARC) e Área de Proteção Ambiental Jenipabu (APAJ), RN. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasi,2017.

PIRES, P. As Múltiplas Facetas e Implicações da Relação Turismo e Meio Ambiente. Anais do IV SeminTUR – Seminário de Pesquisa em Turismo do MERCOSUL, 1-17, 2006.

PIRES, P.S.; RUGINE, V.M.T. Reconhecimento do Uso Público nos Parques Estaduais no Brasil com ênfase na visitação turística. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 11, n. 14, p. 61-80, abr. 2018.

QUEIROZ, E.D.; VALLEJO, L.R. USO PÚBLICO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: entre o ideal e o real. Revista Eletrônica Uso Público em Unidades de Conservação, Niterói, v. 5, n. 9, p. 1-15, dez. 2017.

RODRIGUES, S.L.; Souza, M. A organização de redes de governança na regionalização do turismo: microrregião uva e vinho - Rio Grande do Sul - Brasil. Geosaberes, 278 – 288, 2016.

SETUR/RN. Plano de desenvolvimento integrado do turismo sustentável - PDTIS. Natal, 2011.

SOARES, A.S. O ecoturismo sob a égide da sociedade do consumo: um estudo das Unidades de Conservação de uso sustentável do RN. Dissertação de mestrado (Mestrado em turismo) – Natal, RN: UFRN,2011.

SONAGLIO, K. E. A transdisciplinaridade no processo de planejamento e gestão do ecoturismo em Unidades de Conservação. Tese de Doutorado (Doutorado em Engenharia Ambiental) – Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental, UFSC, Florianópolis, 2006.

SONAGLIO, K. E.; LAPOLLI, É. M. Uma Abordagem Transdisciplinar para o Desenvolvimento Sustentável do Ecoturismo. Turismo - Visão e Ação, p. 161-168, 2003.

SUAREZ, C. F. Turismo sustentável, qualidade de vida e políticas públicas, em unidades de conservação: um estudo de caso em Vargem - São Paulo (APA do Sistema Cantareira). Campinas: Universidade Estadual de Campinas,2010.

VALLEJO, L. R. Uso público em áreas protegidas: atores, impactos, diretrizes de planejamento e gestão. Universidade Federal Fluminense, 13-26,2013.

VEAL, A. Metodologia de pesquisa em lazer e turismo. São Paulo: Aleph, 2011.

Downloads

Publicado

2021-05-07

Como Citar

Dantas, F. R. A., & Sonaglio, K. E. (2021). A abordagem do turismo na criação de Unidades de Conservação no Polo Costa das Dunas (RN). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 14(2). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.10891

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-07-08
Aceito em 2020-12-11
Publicado em 2021-05-07