Percepção local acerca da aplicabilidade do Ecoturismo de Base Comunitária na RESEX Corumbau (BA)

Palavras-chave: Economia Solidária, Sustentabilidade, Ecoturismo de Base Comunitária

Resumo

A Reserva Extrativista (RESEX) Corumbau foi criada no ano de 2000, está localizada na região do extremo-sul do Estado da Bahia é considerada uma área de extrema importância para conservação ambiental, devido a sua proximidade com a zona de maior biodiversidade marinha do Atlântico Sul.  A inserção do turismo, que ocorre na região desde os anos de 1970, tem ocasionado a substituição das atividades tradicionais, como no caso da pesca artesanal, e da agricultura de subsistência. Uma alternativa que se vislumbra para a região é a implementação do Ecoturismo de Base Comunitária. No presente estudo foram realizadas 3 oficinas  em Cumuruxatiba, Corumbau, e Bujigão-Caraíva, cada uma com 3 momentos didáticos distintos, nos quais foram recolhidos dos participantes os principais aspectos culturais e ambientais, elaborado de forma participativa, que permitiu identificar o que a comunidade tem a oferecer como atrativos, suas relevâncias e diferenciais. Utilizando-se da metodologia de análise de conteúdo, foi possível observar e agrupar as 7 principais categorias de percepção dos comunitários: a) impactos do turismo sobre o patrimônio natural, com a extração indevida de recursos das unidades de conservação; b) questão fundiária e disputa por território; c) “invasão” de empreendedores e visitantes externos às comunidades; d) desunião dos comunitários e individualismo nas relações de trabalho com o turismo. e) manutenção das culturas locais, com forte enraizamento e desejo de resgate e manutenção de modos de vida e cultura ancestrais; f) fraqueza nos arranjos institucionais formais; e g) potencialidade de parcerias com outros segmentos. Por fim, o levantamento de caráter exploratório, revelou os atrativos mais relevantes da RESEX do ponto de vista das comunidades.

Biografia do Autor

Zysman Neiman, Universidade Federal de São Paulo, Diadema/SP

Doutor em Psicologia (Psicologia Experimental com pesquisa em Educação Ambiental) (2007), passagem pelo programa de doutorado em Ciência Ambiental (2000-2004), mestre em Psicologia (Psicologia Experimental, com ênfase em Ecologia Comportamental) (1991), Licenciado em Ciências (1986), Licenciado em Biologia (1986), e Bacharel em Ciências Biológicas (1986), todos pela Universidade de São Paulo. Atualmente é Pesquisador e Professor Adjunto da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), atuando como vice-coordenador e professor no curso de Bacharelado em Ciências Ambientais. Teve grande atuação como Educador no Ensino de Ciências e Biologia (1985-1996). Foi Professor Adjunto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) lotado no Centro de Ciências e Tecnologias para a Sustentabilidade (CCTS), onde coordenou o Laboratório de Ecologia, Percepção e Educação Ambiental - LEPEA. Foi Vice-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade na Gestão Ambiental - PROSGAM-UFSCar, onde atualmente é docente e pesquisador. Também atua no Programa de Pós-Graduação em Educação do CCTS - UFSCar. Exerceu a função de Presidente do Instituto Physis - Cultura & Ambiente, é líder da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (RAPS), e é Diretor da Sociedade Brasileira de Ecoturismo (SBEcotur), uma entidade científica. Foi um dos redatores do Tema Transversal "Meio Ambiente", dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) para o Ensino Fundamental do MEC (1998). É autor de diversos livros na área de Ecologia, Educação, Meio Ambiente e Sustentabilidade, e é Editor Chefe da Revista Brasileira de Ecoturismo (Qualis B1). Tem experiência na área de Ecologia Humana, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Ambiental, Unidades de Conservação, Sustentabilidade, Percepção Ambiental, Ética e Meio Ambiente, Terceiro Setor, Ambientalismo, e Ecoturismo.

Juliana Maria de Barros-Freire, Universidade Federal de São Paulo, Diadema, SP

Mestre em Ciências, pelo Programa de Pós-Graduação Análise Ambiental Integrada - Unifesp, Diadema/Baixada Santista.

Referências

BACAL, S.S.; MIRANDA, S.M.A. Impacto do turismo nos núcleos receptores: necessidade de normalização. São Paulo: Hucitec, 1997.

CARVALHO, J.A.; KNOX, W. O mar não está para peixe: conflitos socioambientais na Reserva Extrativista Marinha do Corumbau. Anais da 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, Natal/RN, agosto de 2014.

ESPÍNOLA, R.; ANDRADE, M. Turismo em comunidades tradicionais: dilemas e perspectivas no município de Conde-PB. In: GONÇALVES, A.; RODRIGUES, L. (Org.). Políticas de turismo, ambiente e desenvolvimento. João Pessoa, PB: Ed. UFPB, 2015. (Vol. 3, Série Pesquisa Prodema).

FARIA, D.M.C.P. Impacto do turismo em um destino a partir da perspectiva da economia convencional e ecológica. Observatório de Inovação do Turismo – Revista Acadêmica. Volume II – Número 3 . Setembro de 2007

FREITAS, T.P.; MATTOS, Y. Impactos culturais do turismo: contradições e paradoxos – estudo de caso com os Índios Pataxó de Porto Seguro e Santa Cruz de Cabrália BA. Revista Eletrônica de Turismo Cultural, v. 3, n. 1, p. 117-23, 2009.

GRÜNEWALD, R.A. A Coroa Vermelha no imaginário indígena e brasileiro. Anais da 22a Reunião Brasileira de Antropologia. Fórum de Pesquisa 2: “O imaginário brasileiro”. Brasília, 2000.

HOLANDA, L.A. Empresarização do turismo de base comunitária. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 249-262, ago. 2016.

IRVING, M.A. Reinventando a reflexão sobre turismo de base comunitária: inovar é possível? In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D.G.; BURSZTYN, I. Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, 2009. P. 108-121.

KASHIMOTO, E.M.; MARINHO, M.; RUSSEFF, I. Cultura, identidade e desenvolvimento local: conceitos e perspectivas para regiões em desenvolvimento. Interações: Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 3, n. 4, p. 35-42, mar. 2002.

LOZADA, L. Serviços ecossistêmicos e interações com uma comunidade afrodescendente no Pacífico colombiano: dos riscos à proteção da biodiversidade. 2017. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, 2017.

MALDONADO, C. O turismo rural comunitário na América Latina: gênesis, características e políticas. In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D.G.; BURSZTYN, I. Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, 2009. P. 25-44.

RIBEIRO, L.M.; TIMÓTEO, A. A Adoção dos Controles Internos em uma Organização do Terceiro Setor como Sustentabilidade Econômica: Um Estudo de Caso em uma Associação de Minas Gerais. Revista Contemporânea de Contabilidade. UFSC, Florianópolis, v.9, n.17, p.61-82, 2012.

SANSOLO, D.G.; BURSZTYN, I. Turismo de base comunitária: pontencialidade no espaço rural brasileiro. In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D.G.; BURSZTYN, I. Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, 2009. P. 142-161.

SCHORE, C. Comunidade. In: OUTWHAITE, W.; BOTTOMORE, T. Dicionário do Pensamento Social do século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1996, p. 115-117.

Publicado
2020-07-16
Como Citar
Neiman, Z., & Barros-Freire, J. M. de. (2020). Percepção local acerca da aplicabilidade do Ecoturismo de Base Comunitária na RESEX Corumbau (BA). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 13(3). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2020.v13.10727