Diagnóstico do perfil dos visitantes da Praia da Sepultura em Bombinhas (SC) com ênfase na implementação de uma trilha subaquática

  • Adrian Jan Screnski Instituto Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC
  • Laura Pioli Kremer Instituto Federal de Santa Catarina, Itajaí, SC
  • Marcelo Rennó Braga Instituto Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC
Palavras-chave: Trilha subaquática; Mergulho; Ecoturismo; Bombinhas; Mudanças Climáticas.

Resumo

Bombinhas tem sua base de sustentação no turismo e é considerada a capital catarinense do mergulho ecológico. A prática do mergulho, assim como outras atividades turísticas sem planejamento e controle, pode trazer diversos impactos negativos ao meio ambiente. Com uma pequena porção de faixa de areia, a Praia da Sepultura possui a maior parte do seu ambiente constituído de costões rochosos, locais onde se concentram a maioria dos mergulhos da região. Conhecer as características e o modo como as pessoas recebem os benefícios e se relacionam com as áreas naturais, ajuda os gestores públicos, administradores e pesquisadores a compreender o comportamento dos usuários, buscando as causas e soluções para os impactos, bem como ajustar as demandas dos visitantes. Nesse contexto, o presente trabalho teve como objetivo analisar e diagnosticar o perfil do visitante da Praia da Sepultura visando a possível implantação de uma trilha subaquática no local. Para isso foram aplicados 90 questionários para os usuários que recém realizaram o mergulho de superfície. Constatou-se que o usuário que realiza o mergulho de superfície na Praia da Sepultura é predominantemente jovem, com alta escolaridade, iniciante no mergulho, interessado em aprender sobre o ambiente marinho e favorável à implantação da trilha subaquática.

Biografia do Autor

Adrian Jan Screnski, Instituto Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC

Engenheiro Sanitarista e Ambiental da Fundação de Amparo ao Meio Ambiente de Bombinhas (SC).

Referências

ALMEIDA, V. F. Importância dos costões rochosos nos ecossistemas costeiros. Cadernos de ecologia aquática, v. 3, n. 02, p. 19-32, 2008.

ANDREATTA, V.; PEREIRA, J. A. A.; MACEDO, R. L. G.; LOPES, F. W. A.; VITORINO, M. R. Impactos ambientais e perfil dos visitantes no Complexo da Cachoeira da Fumaça em Carrancas / MG. Caderno Virtual de Turismo, v.8, n.1, p. 57-68, 2008.

AUGUSTOWSKI, M.; FRANCINE, R. O Mergulho Recreacional como ferramenta para o turismo sustentável em Unidades de Conservação Marinhas. Anais do III Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, Fortaleza, Ceará, 22 a 26 de setembro de 2002. p.443-453.

BARROS, M. I. A.; DINES, M. Mínimo impacto em áreas naturais: uma mudança de atitude. In: SERRANO, C. (Org.). A educação pelas pedras: ecoturismo e educação ambiental. São Paulo: Chronos, 2000. p.47-84.

BERCHEZ, F.; GHILARDI-LOPES, N.; ROBIM, M.; PEDRINI, A.; HADEL, V.; FLUCKIGER, G.; SIMÕES, M.; MAZZARO, R.; KLAUSENER, C.; SANCHES, C.; BESPALEC, P. Projeto Trilha Subaquática: sugestão de diretrizes para a criação de modelos de educação ambiental em unidades de conservação ligadas a ecossistemas marinhos. OLAM Ciência & Tecnologia. 7, 2007. p. 181-209.

BRASIL. Lei nº 7.661, de 16 de maio de 1988. Institui o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 8633, 18 mai. 1988.

BRASIL. Ministério do Turismo. Ecoturismo: orientações básicas. / Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de Segmentação. – Brasília: Ministério do Turismo, 2008. 16 p.

BRASIL. Ministério do Turismo. Caracterização e Dimensionamento do Turismo Internacional no Brasil – 2014-2018. Estudo de Demanda Turística Internacional. Execução: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas – FIPE. São Paulo, 2018.

BRODY, S. D.; ZAHRAN, S.; VEDLITZ, A.; GROVER, H. Examining the relationship between physical vulnerability and public perceptions of global climate change in the United States. Environmental and Behavior, v.40, n.1, 2008. p.72-95.

BOMBINHAS. Diagnóstico Urbano de Bombinhas. Secretaria de Planejamento e Regulação Urbana. Prefeitura Municipal de Bombinhas, 2017. Página Oficial da Prefeitura. Disponível em: <http://www.bombinhas.sc.gov.br> Acesso em: 11 ago. 2019.

BOMBINHAS. Prefeitura Municipal de Bombinhas. Página Oficial da Prefeitura. Disponível em: <http://www.bombinhas.sc.gov.br> Acesso em: 05 set. 2019.

CLAUDET, J.; LENFANT, P.; SCHRIMM, M. Snorkelers impact on fish communities and algae in a temperate marine protected area. Biodiversity and Conservation 19, 1649–1658, 2010.

COUTINHO, R.; ZALMON, I. R. O Bentos de costões rochosos. In R. C. Pereira & A. Soares-Gomes (Ed.). Biologia Marinha (pp. 281-298). Rio de Janeiro: Interciência, 2009.

DEWHA - Department of the Environment, Water, Heritage and the Arts. Coastal Tourism: a Manual of Sustainable Management. Canberra, 2007. Disponível em: <http://www.environment.gov.au/coasts/publications/coastal-tourism/glossary.html#Coast> Acesso em: 11 mai. 2019.

FIUZA, T. F. ; FLORES, L. C. S. ; ARDIGO, C. M. ; LIMBERGER, P. F. . Análisis de las ventajas competitivas a través de la percepción de los turistas un estudio en Bombinhas - Santa Catarina, Brasil. Estudios y Perspectivas em Turismo, v. 28, p. 428-446, 2019.

FREY, G. Variação na riqueza de espécies entre e dentro de zonas em ambiente de costão rochoso. Ecologia da Mata Atlântica. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

GIL, M. A.; RENFRO, B.; FIGUEROA-ZAVALA, B.; PENIÉ, I. Rapid tourism growth and declining coral reefs in Akumal, Mexico, 2015. Marine Biology 162: p. 2225–2233.

GHILARDI-LOPES, N. P.; HADEL, V. F.; BERCHEZ, F. Guia para Educação Ambiental em Costões Rochosos. Porto Alegre: Artmed, 2012. p. 200.

HARDIMAN, N.; BURGIN, S. Recreational impacts on the fauna of Australian coastal marine ecosystems. Journal of Environmental Management 91: p. 2096 – 2108, 2010.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Banco de dados - Cidades. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/bombinhas/>. Acesso em: 09 jan 2019.

LADEIRA, A.S., RIBEIRO, G.A., DIAS, H.C.T., SCHAEFER, C.E.G.R., FERNANDES FILHO, E.; OLIVEIRA FILHO, A.T. O perfil dos visitantes do Parque Estadual do Ibitipoca (PEIb), Lima Duarte, MG. Revista Árvore 31, 2007. p. 1091-1098.

LEISEROWITZ, A. Climate change risk perception and policy preferences: The role of affect, imagery, and values. Climatic Change, v.77, 2006. p. 45–72.

LIMA, M.L.P.; SCHMIDT, A.; DIDOMENICO, M. Implantação de trilhas subaquáticas guiadas em Picinguaba, Ubatuba, SP. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE OCEANOGRAFIA, 3., Anais, Rio Grande (RS), AOCEANO,17-21 de maio de 2010.

LYNN, N. A.; BROWN, R.D. Effects of recreational use impacts on hiking experiences in natural areas. Landscape and Urban Planning. p. 64, 2003.

MCNEILL, M. Vertical zonation: Studying ecological patterns in the rocky intertidal zone. Science Activities, 2010. 47, p. 8-14.

MELLO, A.Y.I; DI GIULIO, G.M.; FERREIRA, L.C.; BATISTELLA, M.; CARMO, R.L. Abordagem quantitativa em estudos sobre percepção de riscos às mudanças climáticas e ambientais: proposta no litoral norte de São Paulo. VI Annpas. Anais. Belém-PA, 2012.

MORENO, T.R., ROCHA, R.M. Ecologia de costões rochosos. Estudos de Biologia: Ambiente e Diversidade. 2012. 34(83): p. 191-201.

PRATES, A.P.L.; GONÇALVES, M.A.; ROSA, M.R. Panorama da conservação dos ecossistemas costeiros e marinhos no Brasil. Brasília: MMA, 2012, p. 152.

RANIERI, L.A.; EL-ROBRINI, M. Condição Oceanográfica, Uso e Ocupação da Costa de Salinópolis (Setor Corvina – Atalaia), Nordeste do Pará, Brasil. Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management, 16(2):p. 133-146, 2016.

RAPOSO, A.A.; BARROS, L.F.P.; MAGALHÃES JÚNIOR, A.P. O parâmetro de turbidez das águas como indicador de impactos humanos na dinâmica fluvial da bacia do Rio Maracujá – Quadrilátero. Anais do XIII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Viçosa, 2009.

RHORMENS, M.; PEDRINI, A.G.; GHILARDI-LOPES, N.P. Implementation Feasibility of a Marine Ecotourism Product on the Reef Environments of the Marine Protected Areas of Tinharé and Boipeba Islands, (Cairu, Bahia, Brazil). Ocean & Coastal Management 139, p. 1-11, 2017.

RIOS-JARA, E.; GALVÁN-VILLA, C.; RODRIGUEZ-ZARAGOZA, F.; LÓPEZ-URIARTE, E.; MUÑOZ-FERNÁNDEZ, V. The Tourism Carrying Capacity of Underwater Trails in Isabel Island National Park, Mexico. Environmental management, 2013. 52. 335-347.

ROGGENBUCK, J.W.; LUCAS, R.C. Wilderness use and user characteristics: A state-of-knowledge review. (General Technical Report INT, 220). Washington: USDA - Forest Service, 1987 p. 201-245.

SANTOS, W.A.; GOMES, E.T. Importância econômica dos costões rochosos. Saúde & Ambiente em Revista, v. 1, n. 2, 2009.

SEIXAS, S.R.C.; HOEFFEL, J.L.M.; RENK, M.; SILVA, B.N.; LIMA, F.B. Percepção de pescadores e maricultores sobre mudanças ambientais globais, no litoral Norte Paulista, São Paulo, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, Lisboa, v.14, n.1, p.51-64, 2014.

SILVA, D.D.P.; SCHWINGEL P.R. Influência do turismo como fator estressor na evolução do uso e ocupação do solo em municípios da costa de Santa Catarina. Revista de Gestão Costeira Integrada 19(1):17-25, 2019.

SPERLING, E.V.; MÖLLER, L.M. Saneamento e meio ambiente, Manual de saneamento e proteção ambiental para os municípios (BARROS, R. T. V., CHERNICHARO, C. A. L., HELLER, L., SPERLING, M. V.), Escola de Engenharia da UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, p. 221, 1995.

VASHCHENKO, Y.; BIONDI, D. Percepção da erosão pelos visitantes nas trilhas o Parque Estadual do Pico Marumbi, PR. Revista Brasileira de Ciências Agrárias. Recife, v.8, n.1, p.108-118, 2013.

VENTURA, M.A.; GRILO, R.; COSTA A.C. Underwater trail design in Marine Protected Areas of the Azores. Pp. 75-76 in: Carreira, G., F. Cardigos & F.M. Porteiro (Eds). The sea of the Azores: scientific forum for decision support. Arquipelago. Life and Marine Sciences. Supplement 8, 2014.

WEARING, S.; NEIL, J. Ecotourism: impacts, potentials and possibibles. Boston: Butter Worth-Heinemann, 2000. 144p.

WEBER, E.U. What shape perceptions of climate change? Wires Climate Change, v. 1, 2010. p. 332-342.

WEGNER, E.; TONIOLI, F.C.; CABRAL, D. Q. Underwater trails: a new possibility of marine tourism. Journal of Coastal Research, SI 39 (Proceedings of the 8th International Coastal Symposium), 990 - 993. Itajaí, SC, Brazil, ISSN 0749-0208, 2006.

Publicado
2020-07-16
Como Citar
Screnski, A. J., Kremer, L. P., & Braga, M. R. (2020). Diagnóstico do perfil dos visitantes da Praia da Sepultura em Bombinhas (SC) com ênfase na implementação de uma trilha subaquática. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 13(3). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2020.v13.10234