Curas ilegais e repressão no oitocentos espírito santense: os casos de Trem e Olegário

  • Sebastião Pimentel Franco UFES
  • André Nogueira Programa de Pós-doutorado Nota 10 – FAPERJ/FIOCRUZ.
Palavras-chave: práticas de cura, medicina imperial, Espírito Santo, século XIX.

Resumo

O presente artigo objetiva tratar das práticas terapêuticas ilegais de dois curadores que atuaram no Espírito Santo do século XIX: o Trem e Olegário dos Santos. Os processos-crime que reprimiram suas práticas serão analisados a partir de alguns vetores fundamentais: como se davam os mecanismos de coerção e de afirmação da medicina douta no Império e no começo da Republica; que tipo de práticas terapêuticas (analisadas em perspectiva morfológica) e matrizes culturais podemos identificar nas ações dos curadores e que tipo de relações de  sociabilidade estariam por trás de suas ações de cura. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sebastião Pimentel Franco, UFES
Doutor em História pela USP; Professor Titular e coordenador do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Autor, entre outros livros, de O Terribilíssimo Mal do Oriente: o cólera da província do Espírito Santo (1855-1856) (EDUFES, 2015) e da organização, com a colaboração de outros pesquisadores, da coletânea Uma História Brasileira das Doenças, vols. 4, 5, 6 e 7
André Nogueira, Programa de Pós-doutorado Nota 10 – FAPERJ/FIOCRUZ.
Doutor em História das Ciências e da Saúde pela COC/FIOCRUZ; dós-doutorado do Programa de Pós-doutorado Nota 10 – FAPERJ/FIOCRUZ. ; autor de Entre Cirurgiões, Tambores e Ervas: calunduzeiros e curadores ilegais em ação nas Minas Geraias (século XVIII) (Garamond, 2016), além de artigos e capítulos em livros
Publicado
2019-09-18
Como Citar
Franco, S. P., & Nogueira, A. (2019). Curas ilegais e repressão no oitocentos espírito santense: os casos de Trem e Olegário. Almanack, (22), 279-312. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/article/view/1382
Seção
Dossiê História das Doenças e das Práticas de Curar no Oitocentos