Cruz Jobim e as doenças da Classe Pobre. O corpo escravo e a produção do conhecimento médico na primeira metade do século XIX.

  • Silvio Cezar de Souza Lima Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: História da Medicina, Escravidão, Saúde, Doenças

Resumo

Durante a primeira metade do século XIX no Rio de Janeiro, a produção do conhecimento médico estava intimamente associada à prática e a observação dos pacientes em seus leitos, unindo o ensino na Faculdade de Medicina aos cuidados de saúde aos pacientes e posteriormente, o registro e divulgação das reflexões em teses, manuais, livros e periódicos. Este artigo investiga a construção do conhecimento médico na primeira metade do século XIX a partir das experiências médicas de Cruz Jobim na Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. Ao analisar discussões publicadas nos periódicos da Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro e dos textos de Jobim, demonstramos a importância dos pacientes escravos internados naquele estabelecimento para a construção de teorias etiológicas que influenciaram a medicina brasileira por todo o século XIX. Assim, é possível perceber o quanto a produção de saberes e o cotidiano das práticas médicas está complemente imerso no universo da escravidão.

Biografia do Autor

Silvio Cezar de Souza Lima, Universidade Federal Fluminense

Doutor em História das Ciências e da Saúde (FIOCRUZ)

Professor Adjunto do Departamento de Ciências Humanas (PCH) - Campus Santo Antônio de Pádua

Universidade Federal Fluminense 

Atuação: História das Ciências, História da Medicina sec. XIX, História do Brasil Império, Escravidão

Publicado
2019-09-18
Como Citar
Lima, S. C. de S. (2019). Cruz Jobim e as doenças da Classe Pobre. O corpo escravo e a produção do conhecimento médico na primeira metade do século XIX. Almanack, (22), 250-278. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/article/view/1381
Seção
Dossiê História das Doenças e das Práticas de Curar no Oitocentos