Discípulos de Asclépio: as teses médicas e a medicina acadêmica no Oitocentos (1836-1897)

  • Jean NEVES Neves Abreu Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: teses médicas-medicina- institucionalização

Resumo

As faculdades de medicina no Império, ao lado de outras instituições e os periódicos, tiveram um papel relevante no processo de institucionalização da medicina. A formação dos médicos envolvia uma série de procedimentos, dentre eles a confecção de dissertação de final de curso. Ao longo desse artigo, busca-se problematizar a escrita das teses  médicas a partir de um corpus documental delimitado, provenientes do banco de teses do Arquivo Público Mineiro (APM). A partir da leitura desses textos, o objetivo é tentar compreender o significado que tiveram no processo de institucionalização da medicina e de que modo, no âmbito da escrita, os alunos mobilizaram as principais teorias e controvérsias que marcaram a medicina acadêmica no oitocentos.

Biografia do Autor

Jean NEVES Neves Abreu, Universidade Federal de Uberlândia
Professor do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia, atua na área de História da saúde.
Publicado
2019-09-18
Como Citar
Neves Abreu, J. N. (2019). Discípulos de Asclépio: as teses médicas e a medicina acadêmica no Oitocentos (1836-1897). Almanack, (22), 7-40. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/article/view/1378
Seção
Dossiê História das Doenças e das Práticas de Curar no Oitocentos