Natureza e indígenas no poema A Confederação dos Tamoios: a História ficcional do Brasil romântico de Magalhães e Alencar

Palavras-chave: Confederação dos Tamoios, Gonçalves de Magalhães, José de Alencar, natureza, indígenas.

Resumo

História e literatura exprimem sentidos ao mundo social por meio de narrativas que subsidiam a investigação histórica, com pistas fragmentárias de suas redes de interlocução social e intertextual. Em consonância com esses pressupostos teórico-metodológicos este artigo tem como objetivo analisar a natureza e o indianismo preconizados pelo romantismo brasileiro, por meio do estudo da polêmica entre Domingos José Gonçalves de Magalhães e José de Alencar. A Confederação dos Tamoios (1856), poema épico escrito por Magalhães e narrado em forma de versos, descrevia o conflito empreendido pelos índios Tamoios no período de 1554 a 1567, contra os portugueses e sua prática de escravização indígena. O poema não teve uma aceitação totalmente elogiosa, com destaque para as críticas de José de Alencar que, sob o pseudônimo de Ig, alegou que o formato de epopeia não captava o heroísmo idealizado às personagens indígenas e às especificidades do Brasil, mediante o pouco destaque atribuído às características da natureza. O ponto de convergência na abordagem de ambos era a ênfase na figura do indígena, gestada a partir de uma aproximação com os relatos de cronistas, mas por intermédio de maneiras distintas de usufruto: Magalhães adotava a fidelidade ao “testemunho”, sem a idealização; enquanto Alencar seguiu o caminho inverso e poetizou os nativos. Tais embates literários confirmaram a formulação de uma literatura romântica, pautada no estudo de cronistas para a composição de textos ficcionais, demarcando a evidência da fluidez entre História e Literatura no universo letrado oitocentista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando métricas...

Biografia do Autor

Cristina Ferreira, Universidade Regional de Blumenau - FURB
Doutora em História Social (UNICAMP) e Professora de História do Brasil Império e República do Departamento de História e Geografia da Universidade Regional de Blumenau - FURB. Coordenadora do Centro de Memória Oral e Pesquisa - CEMOPE.
Thiago Lenz, Universidade Regional de Blumenau - FURB
Graduado em História pela Universidade Regional de Blumenau - FURB.
Publicado
2020-02-11
Como Citar
Ferreira, C., & Lenz, T. (2020). Natureza e indígenas no poema A Confederação dos Tamoios: a História ficcional do Brasil romântico de Magalhães e Alencar. Almanack, (23), 202-238. https://doi.org/10.1590/2236-4633
Seção
Artigos