“Desde Piso e Marcgrave que ninguém com curiosidade tolerável descreveu a natureza brasileira”

os relatos de Cook, Banks e Parkinson e a construção de imagens do Brasil colonial

Autores

  • Ângela Domingues Universidade Nova de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-463320110104

Palavras-chave:

Colônia, América portuguesa, relatos de viajantes

Resumo

Partindo de uma reflexão sobre a fronteira colonial, este artigo pretende lançar a discussão em torno da noção do mar como fronteira. Na sua atracção pela fronteira continental, os historiadores secundarizam a fronteira marítima. Partindo de um estudo de caso – a primeira viagem de circum-navegação de James Cook e os relatos a ela associados – pretende-se contribuir para um melhor entendimento da fronteira colonial brasileira, bem como da forma como Impérios Europeus do século XVIII se pensavam a si e nas suas relações com os outros Impérios; e ainda, de como a Europa das Luzes se considerava quando se relacionava com as colónias de matriz europeia estabelecidas nos trópicos, ou, neste caso concreto, com o Brasil colonial.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-01-18

Como Citar

Domingues, Ângela . (2022). “Desde Piso e Marcgrave que ninguém com curiosidade tolerável descreveu a natureza brasileira”: os relatos de Cook, Banks e Parkinson e a construção de imagens do Brasil colonial. Almanack, (1). https://doi.org/10.1590/2236-463320110104

Edição

Seção

Artigos