Viva o Rei de Portugal e a Cisplatina Oriental

imprensa e a linguagem política do liberalismo lusitano no Rio da Prata (1817-1824)

Autores

Palavras-chave:

Cisplatina, Imprensa, Liberalismo, Linguagem Política, Portugal, Rio da Prata

Resumo

O objetivo deste trabalho é estudar a criação da província Cisplatina e sua inserção nas experiências liberais ibero-americanas. Defendo que as transformações em Portugal possibilitaram o arranjo de novos pactos políticos no Rio da Prata e, desse modo, a realização de um antigo desejo da Coroa: a oficialização da dominação de Portugal na região. Para tanto, a imprensa em processo de crescimento exerceu papel fundamental. Em 1821, as Cortes Extraordinárias de Lisboa promulgaram a Lei de Liberdade de Imprensa para o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, ampliando para além-mar o direito adquirido pelos reinóis no ano anterior. Esse processo o significou o surgimento de publicações em números inéditos em Montevidéu, parte desses domínios. Criando uma dinâmica de discussão na esfera pública com diversas possibilidades de futuro aventadas. Nos jornais, inseridos na dinâmica lusitana e favoráveis a criação da província Cisplatina, que data do mesmo ano, foram reverberados e emulados conceitos fundamentais do liberalismo português, a exemplo de regeneração, ordem, anarquia, revolução. Destaco também que foi o movimento artiguista, em sua etapa mais radical e suas dificuldades de impor seu projeto a todo território oriental, que aproximou as elites montevideanas das autoridades lusas e seu discurso de pacificação e regeneração aos moldes dos movimentos europeus. Evitava-se mudanças radicais e alterações nas hierarquias sociais. Desse modo, ao associar a criação da Cisplatina um espaço de experiência baseado nas guerras civis se projetou um horizonte de expectativas em torno da pacificação e da unidade dos domínios lusitanos.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACREE, William. La lectura cotidiana. Cultura impresa e identidad colectiva en el Río de la Plata. Buenos Aires: Prometeo, 2013.
ALADRÉN, Gabriel. Sem respeitar fé nem tratados: escravidão e guerra na formação histórica da fronteira sul do Brasil (Rio Grande de São Pedro, c. 1777-1835). Tese (Doutorado em História). UFF, Niterói, 2012, pp. 253-301;
ALEXANDRE, Valentim. Os sentidos do Império: Questão Nacional e Questão Colonial na Crise do Antigo Regime Português. Lisboa: Ed. Afrontamento, 1993.
ALONSO, Rosa et al. La oligarquía Oriental en la Cisplatina. Montevidéu: Pueblos Unidos, 1972.
ARAÚJO, Valdei Lopes de. PIMENTA, João Paulo. História – Brasil. In: FERNÁNDEZ SEBASTÍAN, Javier. (org.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano. La era de las revoluciones, 1750-1850, vol. I. Madrid: Fundación Carolina/SECC-CEPC, 2009. pp. 593-604.
AZEVEDO, Francisca L. Nogueira de. Carlota Joaquina na Corte do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
BARRÁN, José Pedro. La independencia y el miedo a la revolución social en 1825. Revista de la Biblioteca Nacional. Montevidéu, núm. 24, dezembro de 1986. p. 65-77.
BARRÁN, José Pedro; NAHUM, Benjamín. Bases economicas de la revolucion artiguista. 8ª Ed. Montevidéu: Ediciones de la Banda Oriental, 2000.
BERBEL, Márcia Regina. A Constituição espanhola no mundo luso-americano (1820-1823). In: Revista de Indias, 2008, vol. LXVIII, núm. 242.
BERNARDES, Denis Antônio de Mendonça. O patriotismo constitucional: Pernambuco, 1820-1822, São Paulo/Recife: Hucitec/ Fapesp/Ed.UFPE, 2006.
BICALHO, Fernanda. CARDIN, Pedro. RODRIGUES, José Damião. Cortes, juntas e procuradores. In: FRAGOSO, João. MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Um Reino e suas repúblicas no Atlântico: comunicações políticas entre Portugal, Brasil e Angola nos séculos XVII e XVIII. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2017. p. 101-136.
BICALHO, Fernanda. CARDIN, Pedro. RODRIGUES, José Damião. Cortes, juntas e procuradores. In: FRAGOSO, João. MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Um Reino e suas repúblicas no Atlântico: comunicações políticas entre Portugal, Brasil e Angola nos séculos XVII e XVIII. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2017. p. 101-136.
CAETANO, Gerardo; RIBEIRO, Ana. La “carrera de la libertad” (1808-1856). Liberales y liberalismos originarios al oriente del Río Uruguay. In: FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier. La aurora de la libertad. Los primeros liberalismos en el mundo iberoamericano. Madrid: Marcial Pons, 2012. p. 426.
CHIARAMONTE, José Carlos. Cidades, províncias, estados. Origens da nação argentina (1800-1846). São Paulo: Hucitec, 2009.
CHIARAMONTE, José Carlos. Nación y Estado en Iberoamérica: el lenguaje político en tiempos de las independencias. Buenos Aires: Sudamericana, 2004. p. 81-85.
COMISSOLI, Adriano. A serviço de Sua Majestade: administração, elite e poderes no extremo meridional brasileiro (1808c.-1831c.). Tese (Doutorado em História Social). Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011
DE MARÍA, Isidoro. Montevideo Antiguo. Tradiciones y recuerdos, t. II. Montevidéu: Biblioteca Artigas, 1976.
ETCHEPAREBORDA, Roberto. Qué fue el carlotismo. Buenos Aires: Ultra Editorial, 1971
FANNI, Rafael. Temporalização dos discursos políticos no processo de Independência do Brasil (1820-1822.) Dissertação (Mestrado em história social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. pp. 06-58.
FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier. 'Cabalgando el corcel del diablo': conceptos políticos y aceleración histórica en las revoluciones hispánicas”, en: J. Fernández Sebastián & G. Capellán (eds.), Conceptos Políticos, Tiempo e Historia: nuevos enfoques en historia conceptual. Santander, Editorial de la Universidad de Cantabria, Madrid, McGraw-Hill Interamericana de España, 2013. p. 29-52.
FERNÁNDEZ SEBASTÍAN, Javier. Conceptos y metáforas en la política moderna. Algunas propuestas para una nueva historia político-intelectual. In: CANAL, Jordi. MORENO LUZÓN, Javier (eds). Historia cultural de la política contemporánea. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2009.
FERREIRA, Fábio. O general Lecor e as articulações políticas para a criação da Província Cisplatina: 1820-1822.Dissertação (Mestrado em História Social. Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2007.
FERREIRA, Fátima Sá e Melo. Ordem- Portugal. In: FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier (dir.); LEAL, Carole Curiel. (ed.) Orden. In: Diccionario político y social… Op. Cit., p. 193.
FRIEDMAN, Jeanne Lynn. Free trade and independence: The Banda Oriental in the world-system 1806-1830. Ph.D Dissertation ( In History). Department of History, The Ohio State University, Columbus, 1993.
GALLO, Klaus. Great Britain and Argentina: from invasion to recognition, 1806-26. Oxford: Palagrave/St. Antony College, 2001
GOLDMAN, Noemí. El Pueblo quiere saber de qué se trata!. Buenos Aires: Sudamericana, 2012.
GONZÁLEZ, Wilson Demuro. Prensa periódica y circulación de ideas en la Provincia Oriental, entre el final de la dominación española y la independencia (1814-1825). Tesis (Maestría en Historia rioplatense). Universidad de la República. Montevideo, 2013. p.118;
GUERRA, François-Xavier. LEMPÉRIÈRE, Annick et al. Los espacios públicos en Iberoamérica. Ambigüedades y problemas. Siglos XVIII-XIX. Cidade do México: Fondo de Cultura económica, 1998.
HALPERÍN DONGHI, Tulio. Revolução e guerra. Formação de uma elite dirigente na Argentina criolla. São Paulo: Hucitec, 2015.
IPANEMA, Marcelo de. Legislação de Imprensa. Leis de Portugal e leis de D. João. Vol. 1. Rio de Janeiro: Aurora, 1949. pp. 134-146.
JANCSÓ, István. PIMENTA, João Paulo. Peças de um mosaico (ou apontamentos para o estudo da emergência da identidade nacional brasileira). In: MOTA, Carlos Guilherme (org.). Viagem incompleta. A experiência brasileira (1500-2000). São Paulo: Ed. SENAC, 2000. p. 127-176.
KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise: uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999;
KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo. Estudos sobre História. Contraponto: Rio de Janeiro, 2014
KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006;
LANDAVAZO, Marco Antonio. SÁNCHEZ, Agustín Andrés. La influencia de Cádiz en la América española: política, gobierno y constitucionalismo. In: Revista de Historiografia (RevHisto), nº 20, Madrid, 2014.
MACHADO, André Roberto de A. A quebra da mola real das sociedades: a crise política do Antigo Regime português na Província do Grão-Pará (1821-1825). São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2010
MAGNOLI, Demétrio. O Corpo da pátria: imaginação geográfica e política externa no Brasil (1808-1912). São Paulo: Ed. UNESP/Moderna, 1997.
MIRANDA, Márcia Eckert. A estalagem e o Império. Crise do Antigo Regime, fiscalidade e fronteira na província de São Pedro (1808-1831). São Paulo: Hucitec, 2009.
MOREL, Marco. Papéis incendiários, gritos e gestos: a cena pública e a construção nacional nos anos 1820 - 1830. Topoi, Rio de Janeiro, v. 4, 2002. pp. 39-58.
NEVES, Lúcia M. Bastos P. Corcundas e Constitucionais. A cultura política da independência (1820-1822). Rio de Janeiro: Revan/FAPERJ, 2003.
OLIVEIRA, C. H. L. S. A astúcia liberal: relações de mercado e projetos políticos no Rio de Janeiro (1820-1824). Bragança Paulista: Edusf/Ícone, 1999.
ORTIZ ESCAMILLA, Juan. Guerra y gobierno. Los pueblos y la independencia de México. Sevilha: Universidad de Sevilla, 1997.
OSÓRIO, Helen. A Revolução artiguista e o Rio Grande do Sul: alguns entrelaçamentos. Cadernos CHDD. Fundação Alexandre de Gusmão, Centro de História e documentação Diplomática, Brasília, número especial, 2007.p. 3-32;
PICCOLO, Helga. O processo de independência numa região fronteiriça: o Rio Grande de São Pedro entre duas formações históricas. In: JANCSÓ, István. (Org.). Independência: história e historiografia. 1 ed. São Paulo: Hucitec, 2005.p. 571-613.
PIMENTA, João Paulo. Estado e Nação no Fim dos Impérios Ibéricos no Prata: 1808-1828.2ª ed. São Paulo: Hucitec, 2006.
PIVEL DEVOTO, Juan E. El Congreso Cisplatino (1821). Repertorio documental, seleccionado y precedido de un análisis. Montevidéu: El siglo ilustrado, 1937.
PORTILLO VALDÉS, José María, Crisis atlántica. Autonomía e independencia en la crisis de la Monarquía Hispana. Madrid: Marcial Pons, 2006.
PORTILLO VALDÉZ, José M. El constitucionalismo en América Latina. Cidade do México: El Colegio de México, 2006.
PRADO, Fabrício. Edge of Empire. Atlantic Networks and Revolution in Bourbon Río de la Plata. Oakland: University of California Press, 2015.
PROENÇA, Maria Cândida. A primeira regeneração. O Conceito e a Experiência Nacional (1820-1823). Lisboa: horizonte, 1990. p. 36.
REYES ABADIE, Washington. Artigas y el federalismo en el Río de la Plata. Ediciones de la Banda Oriental, 2011. Tomo I, p. 63-96. Tomo II, pp. 63-142;
RIBEIRO, Ana. Los tiempos de Artigas. Editorial planeta: Montevidéu, 2009. Tomo I, p. 129-305. Tomo II, p. 9-130;
SILVA DE SOUZA, Maria Aparecida. Bahia: de capitania a província, 1808-1823. Tese (Doutorado em História Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2008.
SLEMIAN, Andréa. Sob o império das leis: Constituição e unidade nacional na formação do Brasil (1822-1834). Tese (Doutorado História Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
SLEMIAN, Vida política em tempo de crise: Rio de Janeiro (1808-1824). São Paulo: Hucitec, 2006.
SOUZA, Iara Lis Carvalho. Pátria coroada: o Brasil como corpo político autônomo 1780-1831. São Paulo, UNESP, 1999.
STREET, John. Artigas and the emancipation of Uruguay. Nova York, Cambridge University press, 2008. 1ª ed. 1959.p. 118-278.
VERDELHO, Telmo dos Santos. As palavras e as ideias na Revolução Liberal de 1820. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1981
WASSERMAN, Fábio. Liberal/Liberalismo. In: GOLDMAN, Noemí (editora). Lenguaje y revolución. Conceptos políticos clave en el Río de la Plata, 1780-1850. Buenos Aires: Prometeo libros, 2008.
WINTER, Murillo Dias. Imprensa periódica e a construção da identidade oriental (província Cisplatina, 1821-1828). Porto Alegre: Fi Editora, 2018
WINTER, Murillo Dias. Uma tempestade de papéis impressos e infames: imprensa e linguagem política na independência do Brasil (Província Cisplatina, 1821-1824). Tese (Doutorado em História social). Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2019.
ZERMEÑO, Guillermo Padilla. Historia, experiencia y modernidad en Iberoamérica, 1750-1850. In: FERNÁNDEZ SEBASTÍAN, Javier. (org.). Diccionario...Op. Cit., pp. 541-579.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Dias Winter, M. (2021). Viva o Rei de Portugal e a Cisplatina Oriental: imprensa e a linguagem política do liberalismo lusitano no Rio da Prata (1817-1824). Almanack, (28). Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/article/view/11834

Edição

Seção

Dossiê Pactos políticos en Iberoamérica/ Ago2021