Os Escravagistas nas “Festas da Modernidade”:

o Centro da Lavoura e do Comércio nas exposições internacionais (1880-1888)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-463329ea00221

Palavras-chave:

Centro da Lavoura e do Comércio, Clube da Lavoura, Exposições Universais, crise da segunda escravidão, Império do Brasil, associativismo senhorial.

Resumo

O artigo analisa a participação brasileira nas exposições internacionais oitocentistas, verdadeiras vitrines do progresso do capitalismo industrial, depois que o Império passou a ser representado nestes eventos pelo Centro da Lavoura e do Comércio, entre os anos de 1880 e 1888. Por meio da análise dos principais diretores do Centro da Lavoura demonstra-se que frações da classe senhorial, ligadas à cafeicultura do Vale do Paraíba, utilizaram as exposições e o próprio aparelho do Estado para ampliarem seus negócios e conquistarem novos mercados. Tratou-se da última tentativa dos grandes proprietários e comerciantes da bacia do centro-sul para aumentar seus lucros durante a crise da segunda escravidão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Referências:
ALONSO, Angela. Flores, votos e balas: o movimento abolicionista brasileiro (1868-1888). São Paulo: Companhia das Letras, 2015
ALONSO, Angela. Joaquim Nabuco. SP: Cia das Letras, 2007.
BEIGUELMAN, Paula. A Formação do Povo no Complexo Cafeeiro: Aspectos Políticos. SP: Pioneira, 1977.
BLACKBURN, Robin. “Por que segunda escravidão?” In: MARQUESE, R.; SALLES, R. Escravidão e capitalismo histórico no século XIX. Cuba, Brasil e Estados Unidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016. p.13-54.
BRASIL, Gerson. A escravidão no Brasil. RJ: Pallas, 1978.
CANO, Jefferson. “Liberdade, cidadania e política de emancipação escrava” in: Revista de História, 136 (1997), 107-120.
CONRAD, Robert. Os últimos anos da escravatura no Brasil. 2a ed, RJ: Civilização Brasileira, 1978.
COSTA, Emília Viotti da. A Abolição. 8a ed, SP: Unesp, 2008.
CARVALHO. José Murilo de. O Teatro de Sombras: a política imperial. 4 a ed, Civilização Brasileira, 2003.
CARVALHO, JOSÉ MURILO (ORG). Edição fac-similar dos anais do Congresso Agrícola, realizado no Rio de Janeiro , em 1878. RJ: FCRB, 1988.
DOLHNIKOFF. O pacto Imperial e as origens do federalismo. SP: Globo, 2005.
EISENBERG, Peter. A mentalidade dos fazendeiros no Congresso Agrícola de 1878. In: AMARAL LAPA, José Roberto do (Org.). Modos de produção e realidade brasileira. RJ: Vozes, 1980.
ELIAS, Norbert. Processo Civilizador. SP: JZE, 1993. vol I e II.
El YUSSEF, Alan; ESTEFANES, Bruno, PARRON, Tâmis. ‘Vale expandido: contrabando negreiro, consenso e regime representativo no Império do Brasil’ . In: MUAZE, Mariana & SALLES, Ricardo (org). O Vale do Paraíba e o Império do Brasil nos quadros da segunda escravidão. RJ: 7 Letras, 2015.
FERREIRA, Marieta de Moraes. A crise dos comissários de café do Rio de Janeiro. Niterói: dissertação de mestrado, ICHF/UFF, 1977.
FERREIRA, Lusirene C. França. Nas asas da imprensa: a repressão da abolição da escravatura na província do Ceará nos periódicos do Rio de Janeiro (1884-1885). Dissertação de mestrado em História. Departamento de Ciências Sociais. Universidade Federal de São João Del-Rei. São João Del-Rei, 2010.
FOOT HARDMAN, Francisco. Trem-fantasma: a ferrovia Madeira-Mamoré e a modernidade na selva. SP: Cia das Letras, 2005.
LAGE, Lana. Rebeldia Negra e Abolicionismo. RJ: Achime, 1981.
LIMA, Ivana; GRINBERG, Keila; REIS, Daniel A. Instituições Nefandas: o fim da escravidão e da servidão no Brasil, nos Estados Unidos e na Rússia. RJ: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2018.
LOURENÇO, Thiago C. P. O Império da Escravidão: o complexo Breves no vale do café (c.1850-c.1888). RJ: Arquivo Nacional, 2018.
MACHADO, Maria H. O Plano e o Pânico. Os Movimentos Sociais na Década da Abolição. RJ/SP: Edusp, 2010.
MACHADO, Maria H. Crime e Escravidão: Trabalho, Luta, Resistência nas Lavouras Paulistas. SP: Brasiliense, 1997.
MACHADO, Marina Monteiro; MARTINS, Monica de Souza Nunes. “A modernidade nas teias da floresta: o Brasil na exposição Universal da Filadélfia de 1876”. Geosul, Florianópolis, v. 32, n. 65, p. 68-86, nov. 2017.
MARQUESE, Rafael. “A paisagem da cafeicultura na crise da escravidão: as pinturas de Nicolau Facchinetti e Georg Grim”. In: Revista do IEB, 2007.
MARQUESE, Rafael; TOMICH, Dale. “O Vale do Paraíba escravista e a formação do mercado mundial do café no século XIX” In: MUAZE, Mariana & SALLES, Ricardo. O Vale do Paraíba e o Império do Brasil nos quadros da segunda escravidão. Rio de Janeiro, 7 Letras/ Faperj, 2015.
MARQUESE, Rafael. “The civil war in the United States and the crisis of slavery in Brasil” in: Doyle, Don Harrison (org). American Civil Wars: the United States, Latin America, Europe, and the crisis of the 1860’s. Chapel Hill, University of North Carolina Press, 2017.
MATTOS, Ilmar. O Tempo Saquarema. Rio de Janeiro: Acess, 1986.
MENDONÇA, Joseli. Entre a mão e os anéis. Campinas: Unicamp, 1999.
MIRANDA, Bruno da Fonseca. O Vale do Paraíba Cafeeiro contra a lei do Ventre Livre, 1865-1871, Dissertação de Mestrado, FFLECH, USP, São Paulo, 2018.
MOTTA, José Flávio; LOPES, Luciana Suarez. “Os cisnes cantam e a onda verde passa Os congressos agrícolas de 1878 e a demanda da lavoura por capitais” In: Economia e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 2, p. 587-614, 2019 .
MONNERAT, Tanize. Abolicionismo em ação: o jornal Vinte e Cinco de Março em Campos dos Goytacazes (1884-1888). RJ: Essentia, 2015.
MUAZE, Mariana. As memórias da Viscondessa. Família e poder no Brasil Império. RJ: Zahar, 2008.
MUAZE, Mariana. “A escravidão no Vale do Paraíba pelas lentes do fotógrafo Marc Ferrez” In: CARVALHO, José Murilo de; BASTO, Lúcia. Dimensões e Fronteiras do Estado Brasileiro no Oitocentos. Rio de Janeiro, EdUerj, 2014.
MUAZE, Mariana. “Violência apaziguada: escravidão e cultivo do café nas fotografias de Marc Ferrez (1882-1885)”. Rev. Bras. Hist. [online]. 2017, vol.37, n.74, pp.33-62.
MUAZE, Mariana & SALLES, Ricardo (org). O Vale do Paraíba e o Império do Brasil nos quadros da segunda escravidão. RJ: 7 Letras, 2015.
MUAZE, Mariana; SALLES, Ricardo (org). O Império do Brasil e a Segunda Escravidão em perspectiva histórica. São Leopoldo, Ed Casa leiria, 2020.
NABUCO, Joaquim. Campanha abolicionista no Recife. Brasília: Senado Federal, 2005.
PANG, Laura. The agricultural clubs of Imperial Brazil 1860-1889. Tennesse, Vanderbilt University, PHD thesis, 1981.
PENA, Eduardo Spiller. Pajens da Casa Imperial. Campinas: Unicamp, 2005.
PESAVENTO, Sandra J. Exposições universais, espetáculo da modernidade do século XIX. SP: Hucitec, 1997.
PESSOA, Thiago campos. O Império da escravidão: o complexo Breves no vale do café (Rio de Janeiro, 1850-1888). RJ: Arquivo Nacional, 2015.
SALLES, Ricardo. E o Vale era escravo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
SALLES, Ricardo. “Resistência escrava e abolição na província do Rio de Janeiro. O Partido Abolicionista. In: LIMA, Ivana; GRINBERG, Keila; REIS, Daniel A. Instituições Nefandas: o fim da escravidão e da servidão no Brasil, nos Estados Unidos e na Rússia. RJ: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2018.
SANTOS, Claudia. “O ativismo político da Confederação Abilicionista antes e depois do 13 de maio”. In: LIMA, Ivana; GRINBERG, Keila; REIS, Daniel A. Instituições Nefandas: o fim da escravidão e da servidão no Brasil, nos Estados Unidos e na Rússia. RJ: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2018.
STEIN, Stanley. Grandeza e decadência do café no vale do Paraíba. SP: Brasiliense, 1961.
SWEIGART, Joseph Earl. Financing and making Brazilian exportation agriculture: the coffee factors of Rio de Janeiro. University of Texas (Tesis), 1980.
TOMICH, Dale. Sob o prisma da escravidão: Trabalho, capitalismo e economia mundial. SP: Edusp, 2011.
TURAZZI, Maria Inês. Poses e Trejeitos – a fotografia e as exposições na era do espetáculo. RJ: FUNART & Rocco, 1995.
VALVERDE, Valverde. “A fazenda escravocrata de café” in: Revista Brasileira de Geografia, n. 29 (1), jan./mar., 1967, p. 37-81.

Documentos Impressos e Jornais consultados:
Breve notícia sobre a primeira exposição do Café do Brasil. Rio de Janeiro: Clube da Lavoura e do Comércio, 1882.
BONIFÁCIO, José. Representação à Assembleia Geral Constituinte e Legislativa do Império do Brasil Sobre a Escravatura. RJ: Typografia de J.E.S. Cabral, 1840.
Catálogo dos produtos nacionais e industriais remetidos para a exposição universal de Londres. Londres, Tip de C. Whiting Baeufort, 1862.
CORNELI, René. Anvers et L’ Exposition Universalle. 12a édition, Bruxelles, Typographie & Lithographie Ad. Mertens, 1886.

CUNHA, Antonio Luiz Fernandes da. Relatório geral da exposição nacional de 1861 e relatorios dos jurys especiaes, colligidos e publicados por deliberação da Commissão Directora. Rio de Janeiro: Typographia do Diário do Rio de Janeiro, 1862.

Decreto nº 9067 de 24 de novembro de 1883. Coleção de Leis do Império do Brasil - 1883, Vol. 2. Consultado em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-9067-24-novembro-1883-544515-publicacaooriginal-55973-pe.html. Acesso em 8/5/2020.
D’OLIVEIRA. Luiz Rodrigues. Exposição do Club da Lavoura em França em 1878. Relatório apresentado a diretoria. Paris, Typ Georges Charmerot, 1878.
Le Bresil a l’Exposition Internacionale de St. Petersburg. St Petersburg: Imprimerie Trenke et Fusnot, 1884.
ORTIGÃO, Ramalho. Notas de viagem. Paris e a Exposição Universal (1878-79). Typ Gazeta de Notícias, 1879.
PARANHOS, José Maria de. Relatório da Exposição Brasileira de São Petersburgo. (2/6/1884) Ano 12, n 22, 1o sem 2013, cadernos do CHDD.
PRADO, conselheiro A da Silva. Exposição Universal de Antuérpia (Anvers) – Relatório. RJ: Typ Imperial Nacional pelo conde de Villeneuve, delegado especial do governo imperial na exposição, 1886.

SILVA, José Bonifácio de Andrade. Representação à Assembleia Geral Constituinte e Legislativa do Império do Brasil Sobre a Escravatura. RJ: Typ de J.E.S. Cabral, 1840.
Diário do Rio de Janeiro.
Diário de Notícias.
Diário do Brasil
O Pharol.
Gazeta da Tarde.
Folha Nova.
Revista Ilustrada

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

Muaze, M. (2021). Os Escravagistas nas “Festas da Modernidade”:: o Centro da Lavoura e do Comércio nas exposições internacionais (1880-1888). Almanack, (29). https://doi.org/10.1590/2236-463329ea00221

Edição

Seção

Artigos