Uma união pela segregação:

testemunhas da Comissão Sul-Africana para Assuntos Nativos, 1905

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-463329ea00520

Palavras-chave:

Comissão Sul-Africana para Assuntos Nativos; Testemunhas; Período de Segregação.

Resumo

Era 1903. As colônias sul-africanas ainda se recuperavam dos horrores e estragos gerados pelas inúmeras guerras e conflitos naquela região. A conciliação política viria em várias frentes, uma delas, a constituição de uma comissão parlamentar para a discussão da questão nativa nas colônias ao sul da África. Nomeada sob coordenação do alto comissário para assuntos nativos, Sir Arthur Lawley, membros de todas as colônias e protetorados britânicos no sul da África foram convocados, em nome da coroa, a organizar, selecionar e ouvir as mais variadas testemunhas em relação ao tema. Esse artigo tem por objetivo relacionar as posições sociais e, por consequência, a importância de determinadas colônias para a constituição da União Sul-Africana. Além disso, pretendo utilizar esses dados como forma de reflexão do período de segregação sul-africano anterior ao apartheid. Por meio das profissões e fenótipos listados também será possível estabelecer alguns parâmetros para o entendimento das relações de poder e política naqueles territórios entre os primeiros anos do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BEDIAKO, Kwame. Christianity in Africa: the renewal of a non-Western Religion. Edimburgo: Edinburgh University Press, 1995.
BRECKENRIDGE, Keith. “Promiscuous Method: The Historiographical Effects of the Search for the Rural Origins ofthe Urban Working Class in South Africa”. International Labor and Working-Class History, Cambridge, v.1, n. 65, 2004, pp. 26-49.
BEINART, William. Twentieth-Century South Africa. Oxford: Oxford University Press, 1994, p.72.
BROWN, Richard. “War on the Home Front: The Anglo-Boer War and the Growth of Rental in Britain. An Economic Perspective”. Film History, v.16, n.1, 2004, pp. 28-36.
CHANOCK, Martin. The making of South African Legal Culture, 1902-1936: Fear, favour and Prejudice. Reino Unido: Cambridge University Press, 2001.
CHIDESTER, David. Savage systems: colonialism and comparative religion in Southern Africa. Cidade do Cabo: University of Cape Town (UCT) Press, 1996.
COMAROFF, Jean; COMAROFF, John. Of revelation and Revolution: Christianity, colonialism and consciousness in South Africa, v.1. Chicago: Chicago University Press, 1991.
DOOLING, Wayne. “The Origins and Aftermath of the Cape Colony's 'Hottentot Code' of 1809.” Kronos, v.1, no. 31, 2005, pp. 50–61.
FORSSMAN, Tim; LOUW, Christian. “Leaving a mark: south African war-period (1899-1902): Refuge graffiti at Telperion Shelter in western mpumalanga, South Africa”. The South African Archaeological Bulletin, V. 71, N. 203, 2016, pp. 4-13.
GAJANIGO, Paulo. “Entre o evolucionismo e a antropologia social: a secularização do ritual em Usos e Costumes dos Bantos, de Henri Junod”. Revista Campos, Curitiba, v.10, n.2, 2009, pp.25-39.
GLUCKMAN, Max. “Análise de uma situação social na Zululândia Moderna”. In: FELDMAN-BIANCO, Bela (org.). Antropologia das sociedades contemporâneas: métodos. São Paulo: Global, 1987, parte I, p. 227-267.
GOMES, Raquel Gryszczenko Alves. Oliver Schreiner, literatura e a construção da nação sul-africana, 1880-1902. Dissertação (mestrado em História). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, Campinas, 2010.
HERNANDEZ, Leila Leite. A África na sala de aula: visita a história contemporânea. São Paulo: Editora Selo Negro, 2005.
JOCHELSON, Karen. The colour of disease: syphilis and racism in South Africa, 1880-1950. Londres: Oxford Press, 2001; ver também: BOLT, Christine. Victorian Attitudes to Race. 2. ed. London: Rouledge, 2010.
KUITENBROUWER, Vincent. War of words: dutch pro-boer propaganda and the South African War (1899-1902). Amsterdam: Amsterdam University Press, 2012.
MAMDANI, Mahmood. Define and rule: native as political identity. Massachusetts: Harvard University Press, 2012.
MARTINS, Marcelo Thadeu Quintanilha. A civilização do delegado: modernidade, polícia e sociedade em São Paulo nas primeiras décadas da República, 1889-1930. São Paulo: Alameda Editorial, 2014
MASINA, Edward Muntu. An analysis of African reluctance to meet the labour demands of the Transvaal colony as expressed in the Labour Commission of 1903 and the South African Native Affairs Commission, 1903-1905. Dissertação de Mestrado em História.University of South Africa, Pretoria, 2002.
MCCLINTOCK, Anne. Couro Imperial: raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.
MILLER, Stephen M. “In Support of the ‘Imperial Mission’? Volunteering for the South African War, 1899-190”. The Journal of Military History, v. 69, n. 3, 2005, pp. 691-711
NATRASS, Nicoli; SEEKINGS, Jeremy. “The economy and Poverty in the Twentieth Century in South Africa”. CSSR Working Paper, Cidade do Cabo, v.1, n.276, pp.3-5.
PARNELL, Susan; MABIN, Alan. “Rethinking Urban South Africa”. Journal of Southern Africa Studies, Oxford, v.21, n.1, 1995, pp. 39-61.
SCHIVELBUSH, Wolfgang. Tastes of Paradise: a social history of spices, stimulants and intoxicants. Nova York: Vintage Books, 1993.
SMALBERGER, John M. “The Role of the Diamond-Mining Industry in the Development of the Pass-Law System in South Africa”. The International Journal of African Historical Studies, Boston, v. 9, n.3, 1976, pp.419-434.
SMITH, Van Wyk M. “The Boers and the Anglo-Boer War (1899-1902) in the Twentieth-Century Moral Imaginary”. Victorian Literature and Culture, Cambridge, v.31, n.2, 2003, pp. 429-446.
HERNANDEZ, Leila Leite. A África na sala de aula: visita a história contemporânea. São Paulo: Editora Selo Negro, 2005, pp.246 e seguintes.
HOBSBAWM, Eric J. A era das Revoluções, 1789-1848. 32 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.
_____. A era do Capital, 1848-1875. 21 ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2014
_____. A era dos Impérios, 1875-1914. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.
MELO FERREIRA, Maria de Fátima Sá. “’O dom da teoria’: Eric Hobsbawm e os movimentos sociais”. Revista Ler História, Lisboa, v.1, n.62, 2012, pp.109-112.
REVEL, Jacques. “A história redescoberta”. In: BOUCHERON, Patrick; DELALANDE, Nicolas (Orgs.). Por uma história mundo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, pp.21-28.
SMALBERGER, John M. “The Role of the Diamond-Mining Industry in the Development of the Pass-Law System in South Africa”. The International Journal of African Historical Studies, Boston, v. 9, n.3, 1976, pp.419-434.
THOMPSON, Alex. The British state at the margins of empire. Tese de Doutoramento em Filosofia. Faculdade de Artes, Universidade de Bristol, Bristol, 2018.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

Amorim dos Santos, M. P. (2021). Uma união pela segregação:: testemunhas da Comissão Sul-Africana para Assuntos Nativos, 1905. Almanack, (29). https://doi.org/10.1590/2236-463329ea00520

Edição

Seção

Artigos