O Café de Neuville:

sociabilidade, política e infração no comércio do Rio de Janeiro (1833 - 1841)

Autores

Palavras-chave:

comércio; política; disciplina.

Resumo

Em 1833, a capital do Império brasileiro era palco de rivalidades políticas e insatisfações sociais. Nesse ínterim, o governo regencial enfrentava a oposição, liderada pela facção caramuru, em protestos de rua pela cidade. No período da reação política, o movimento regressista passou a defender uma pauta de reformas que ensejaram uma série de transformações nos espaços de circulação e, consequentemente, na vida do citadino. Nesse sentido, sob a bandeira da restauração da ordem e da tranquilidade pública, os novos códigos legais versavam sobre a disciplina e a normatização das condutas. O projeto civilizador para a capital do país pressupunha transformar a “cidade de tumultos” em uma cidade ordeira e moderna. Localizado no tradicional Largo do Paço (atual Praça XV de Novembro), o Café Neuville testemunhou os acontecimentos que marcaram a cidade do Rio de Janeiro entre as décadas de 1830 e 1840. O estabelecimento promovia eventos e ficou conhecido como o lugar do primeiro baile de Carnaval da cidade, mas também transitou na fronteira entre o lícito e o ilícito, abrigando a prática de jogos proibidos. A história desse famoso café se imbrica com a do seu proprietário, Jeant Geant Neuville, um comerciante estrangeiro de naturalidade indefinida (francês ou belga?) e práticas suspeitas. Neuville circulou entre os registros policiais e a publicidade dos jornais fluminenses. O objetivo deste artigo é trazer à baila parte da história desse importante ponto comercial, pouco citado pela historiografia do período, mas que foi digno de nota no Jornal do Commercio de 1830 a 1996.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

FONTES
Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro (AGCRJ)
Série Legislação Municipal, Edital de Posturas (1830–1849), Códice 18.1.68.
Arquivo Nacional do Rio de Janeiro (AN)
Série Polícia da Corte, Códice 324, v. 1 e v. 2, Fundo 0E.
Série Polícia da Corte, Códice 400, Fundo 0E.
Série Polícia da Corte, Códice 411, v. 16, Fundo 0E.
Série Justiça, Códice 173, Fundo IJ6.
Biblioteca da Câmara dos Deputados (BCD)
Código de Posturas da Corte de 1830. Aprovado pela Lei nº 44, de 28 de janeiro de 1832. Coleção de Leis do Império. Disponível em: www.leg.br. Acesso em: 15 fev. 2018.
Código legal
TINÔCO, Antônio Luiz Ferreira. Código Criminal do Império do Brazil annotado – 1830. Ed. fac-sim. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2003.
Memorialista
NEUVILLE, Josephina de. Memórias da Minha Vida: recordações da minhas viagens. Lisboa: Typographia do Panorama, 1864. 2 v. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/simple-search?query=josefina+de+neuville. Acesso em: 20.12.2019.
Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (BN) – Hemeroteca Digital
*A Aurora Fluminense: Jornal Político e Literário. Rio de Janeiro. Redator: Evaristo Ferreira da Veiga. Linha: moderado. Disponível em: bndigital.bn.gov.br. Acesso em: 1º dez. 2018.
*Diário do Rio de Janeiro. Propriedade: N. L. Vianna. Linha: Informativo. Disponível em: bndigital.bn.gov.br. Acesso em: 5 jan. 2020.
*Jornal do Commercio. Rio de Janeiro. Propriedade: Pierre Plancher e Emil Seignot. Linha: informativo. Disponível em: www.memoria.bn.br. Acesso em: 1º dez. 2018.
*O Chronista. Rio de Janeiro. Redatores: Justiniano José da Rocha, Josino do Nascimento Silva e Firmino Rodrigues da Silva. Linha: regressista. Disponível em: bndigital.bn.gov.br. Acesso em: 18 out. 2019.
*O Despertador. Rio de Janeiro. Disponível em: bndigital.bn.gov.br. Acesso em: 19 out. 2019.
*O Sete d’Abril. Rio de Janeiro. Redatores: José Joaquim de Figueiredo e Vasconcellos, Antônio José de Figueiredo e Vasconcellos e Domingos de Oliveira Barreto. Linha: moderado/regressista. Disponível em: bndigital.bn.gov.br. Acesso em: 19 out. 2019.

BIBLIOGRAFIA
ABREU, Martha Campos. O Império do Divino: festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro (1830–1900). Rio de Janeiro: Nova Fronteira; São Paulo: FAPESP, 1999.
BASILE, Marcello. Ezequiel Corrêa dos Santos: um jacobino na Corte imperial. Rio de Janeiro: FGV, 2001.
BASILE, Marcello. O Império em Construção: projetos de Brasil e ação política na corte regencial. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.
BASILE, Marcello. Projetos de Brasil e Construção Nacional na Imprensa Fluminense (1831–1835). In: NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das; MOREL, Marco; FERREIRA; Tânia Maria Bessone da Cruz (Orgs.). História e Imprensa: representações culturais e práticas de poder. Rio de Janeiro: DP&A/FAPERJ, 2006.
BASILE, Marcello. Inventário analítico da imprensa periódica do Rio de Janeiro na Regência: perfil dos jornais e dados estatísticos. In: CARVALHO, José Murilo de; NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das. Dimensões e Fronteiras do Estado Brasileiro no Oitocentos. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.
BARREIROS, Eduardo Canabrava. Atlas da evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IHGB, 1965.
BERGER, Paulo. Introdução. In: SANTOS, Noronha. As Freguesias do Rio Antigo Vistas por Noronha Santos. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1965.
BERGER, Paulo. Dicionário Histórico das Ruas do Rio de Janeiro: I e II Regiões Administrativas (Centro). Rio de Janeiro: Gráfica Olímpica Editora, 1974.
BIGUELINI, Elen. Tenho Escrevinhado Muito: mulheres que escreveram em Portugal (1800–1850). 2017. Tese (Doutorado em História) – Universidade de Coimbra, Coimbra, 2017a. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/79402. Acesso em:
BIGUELINI, Elen. As memórias de Josefina de Neuville (1826 – após 1864): lembranças de uma transgressora. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DESFAZENDO GÊNERO, 3., 10 a 13 out. 2017, Campina Grande, PB. Anais eletrônicos [...]. Campina Grande, PB: UEPB, 2017b. Disponível em: www.academia.edu/35738040. Acesso em:
BRUIT, Héctor Hernán; EL-KAREH, Almir Chaiban. Cozinhar e comer, em casa e na rua: culinária e gastronomia na Corte e no Império do Brasil. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 33, p. 76-96, jan./jun. 2004.
CARVALHO, José Murilo de. A Construção Nacional: 1830–1889, v. 2. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz (dir.). História do Brasil Nação: 1808-2010. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.
COARACY, Vivaldo. Memórias da Cidade do Rio de Janeiro. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1988.
DEL PRIORE, Mary. Histórias da Gente Brasileira: Império. São Paulo: Leya, 2016. v. 2.
EDMUNDO, Luís. O Rio de Janeiro do Meu Tempo. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2003.
ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, 1993. v. 2.
FOUCAULT, Michael. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.
GOES, Fred. A imagem do carnaval brasileiro: do entrudo aos nossos dias. In: PEREIRA, Paulo Roberto (org.). Brasiliana da Biblioteca Nacional: guia das fontes sobre o Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional/Nova Fronteira, 2002. p. 573-588.
GOMES, Danilo. Antigos Cafés do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Livraria Kosmos Editora, 1989.
HABERMAS, Jürgen. Mudança Estrutural da Esfera Pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.
IAMASHITA, Léa Maria Carrier. A Câmara Municipal como instituição de controle social: o confronto em torno das esferas pública e privada. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, n. 3, p. 41-56, 2009a.
IAMASHITA, Léa Maria Carrier. “Ordem” no Mundo da “Desordem”: modernização e cotidiano popular (Rio de Janeiro, 1822/1840). Brasília: Hinterlândia Editorial, 2009b.
KARASCH, Mary. A Vida dos Escravos no Rio de Janeiro (1808–1850). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
KARLS, Thaina Schwan. Comida, bebida e diversão: uma análise comparada do perfil de restaurantes e confeitarias no Rio de Janeiro do século XIX (1854–1890). 2017. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-graduação em História Comparada da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.
KOSSOY, Boris. O mistério dos daguerreótipos do Largo do Paço. Revista USP, São Paulo, n. 120, p. 127-152, jan./mar. 2019.
MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema. São Paulo: HUCITEC; Brasília: INL, 1987.
MORAIS FILHO, Mello. Festas e Tradições Populares do Brasil. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2002.
MOREL, Marco. As Transformações nos Espaços Públicos: imprensa, atores políticos e sociabilidades na cidade imperial (1820–1840). São Paulo: HUCITEC, 2005.
PINTO, Luciano Rocha. Indisciplina, vigilância e produção da ilegalidade na cidade-Corte do Império do Brasil (1820 e 1830). Passagens. Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 233-251, maio/ago. 2016.
RIBEIRO, Gladys Sabina. A Liberdade em Construção: identidade nacional e conflitos antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ, 2002.
SANSON, Maria Lúcia David de; AIZEN, Mário; VASQUEZ, Pedro. O Rio de Janeiro do fotógrafo Leuzinger 1860 — 1870. Rio de Janeiro: Sextante, 1998.
SANTANA, Kátia. “Reuniões perigosas”: ajuntamento ilícito e política na Corte regencial (1831–1837). 2019. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (PPHR/UFRRJ), Seropédica, 2019.
SCHULTZ, Kirsten. Versalhes Tropical: império, monarquia e a Corte real portuguesa no Rio de Janeiro, 1808–1821. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
SEIDLER, Carl. Dez anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1980.
SOUSA, Octávio Tarquínio de. História dos Fundadores do Império do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1957. v. 5.
SOUZA, Juliana Teixeira. Cessem as Apostas: normatização e controle social no Rio de Janeiro do período imperial através de um estudo sobre os jogos de azar (1841–1856). 2002. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Santana, K. (2021). O Café de Neuville:: sociabilidade, política e infração no comércio do Rio de Janeiro (1833 - 1841). Almanack, (28). Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/article/view/10361

Edição

Seção

Artigos