Análise da imagem e esquema corporal em indivíduos com diagnóstico de síndrome pós-poliomielite

  • Cíntia de Cássia Ferreira Fisioterapeuta, Especialização pela Unifesp, São Paulo-SP, Brasil.
  • Francis Meire Favero Fisioterapeuta, doutoranda pela Unifesp, São Paulo-SP, Brasil.
  • Sissy Veloso Fontes Professora doutora em neurociência e fisioterapeuta da disciplina de neurologia clinica da Unifesp, São Paulo-SP, Brasil.
  • Abrahão Augusto Juviniano Quadros Mestre em neurociências pela Unifesp e doutorando da disciplina de neurologia da Unifesp, São Paulo-SP, Brasil.
  • Sônia Soares Rodrigues Pereira Mestre em comunicação pela universidade Mackenzie, especialista em Psicopedagogia clinica e Psicomotricidade, São Paulo-SP, Brasil.
  • Acary Souza Bulle Oliveira Professor doutor em neurologia e neurociências responsável pelo setor de neuromuscular da Unifesp, São Paulo-SP, Brasil.
  • Tânia Fazzini Scheuer Fisiterapeuta, Especialização pela Unifesp, São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Doenças Neuromusculares, Distorção da percepção, Imagem Corporal

Resumo

A Síndrome Pós-Poliomielite (SPP) é uma desordem neurológica que se manifesta em indivíduos que tiveram poliomielite anterior aguda, após quinze anos ou mais, caracterizada pela presença de um novo quadro sintomatológico. Dentre os sinais incapacitantes da SPP, destacam-se a diminuição da capacidade funcional com redução no desempenho das AVD´s. Este estudo teve como objetivo analisar o Esquema Corporal (EC) em indivíduos com diagnóstico de SPP por meio de um método específico: Procedimento de Marcação do Esque­ma Corporal ou Image Marking Procedure (IMP). Método. trata-se de um estudo descritivo e transversal com abordagem quantitativa. A amostra foi composta por dez (10) indivíduos com diagnóstico de SPP cadastrados e assistidos no ambulatório de SPP do Setor de Doenças Neuromusculares – UNIFESP/EPM. Resultados. Observou-se que 30% dos indivíduos apresentaram acometimentos em MMII, 30% em MID, 10% em MIE, 10% em HCE, 10% em HCD e 10% em MMII e MSE, percepção menos centralizada do corpo, assimetria cor­poral, dimensões corporais mais largas em segmentos corporais menos acometidos pela SPP, percepção das alturas das estruturas anatômicas não estavam próxima à altura real. Conclusão. Os indivíduos desse estudo apresentaram uma percepção alterada em relação as suas di­mensões corporais característica de distúrbio da IEC. Essas alterações estão diretamente relacionadas à sua motricidade.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Oliveira BSA, Quadros JAA, Conde RTM. Documento Técnico da Síndrome Pós – Polio. Associação Brasileira de Síndrome Pós-Polio: ABRASPP. São Paulo, 2004, 31p.

Oliveira ASB, Maynard FM. Síndrome Pós-Poliomielite: Aspectos Neurológicos. Rev Neurocienc 2002;10:31- 4.

Thorén-Jonsson AL, Grimby G. Distress in everyday life in people with poliomyelitis sequee. J Rehabil Med 2001; 33:119-27. http://dx.doi.org/10.1080/165019701750165952

Trojan DA, Cashman NR. Post-poliomyelitis syndrome. Muscle & Nerve2005;31:6-19. http://dx.doi.org/10.1002/mus.20259

Vranjac A. Poliomielite e Síndrome Pós-Poliomielite - Documento Técnico. Divisão de Doenças de Transmissão Hídricas e Alimentares. Centro de Vigilância Epidemiológica. Coordenadoria de Controle de Doenças. Secretaria de Estado da Saúde. São Paulo: Documento elaborado pela DDTHA/CVE com base no parecer SPP, 2006, 23p.

Mello A, Marques AP. A imagem corporal representada pelos fibromiálgicos: um estudo preliminar. Rev Fisioter Univ. São Paulo. 1995;2:87-93.

Aquino LM. Análise do Esquema e Imagem Corporal em indivíduos com Síndrome Pós-Poliomielite. (Monografia) – São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, 2005, 48p.

Yuen HK, Hanson C. Body image and exercise in people with and without acquired mobility disability. Disability and Rehabilitation 2002;2(4):6.289-96.

Peres RS. O Desenho da Figura Humana de Machover aplicado em andarilhos de estrada. Psicologia: Teoria e Prática 2002;4:81-92.

Lautenbacher S, Roshcer S, Strian F, Pirke M, Krieg JC. Theoretical and empirical considerations on the relation between body image, body schema and somatosensation. J Psychossom Res 1993;37:447-54. http://dx.doi.org/10.1016/0022-3999(93)90001-V

Fleck MPA. O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas. Ciência da Saúde Coletiva 2000;5:33-8.

Machover K. O traçado da Figura Humana: um método para o estudo da personalidade. In: Anderson HH, Anderson GL(Orgs.), Técnicas projetivas do diagnóstico psicológico. São Paulo: Mestre Jou. 1967, p.345-70.

Van kolck OL. Técnicas de exame psicológico e suas aplicações no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1981, 432p.

Askevold F. Measuring body image. Psycother Psychosom 1975;26:71-7. http://dx.doi.org/10.1159/000286913

Fichter MM, Meister I, kcoh HJ. The measurement of body mage disturbances in anorexia nervosa: experimental comparison of different methods. Brit J Psychiat 1986;148:453-61. http://dx.doi.org/10.1192/bjp.148.4.453

Meermann R, Vandereycken W, Napierski C. Methodological problems of body image research in anorexia nervosa patients. Acta Psychiat Belg 1986;86:42-51.

Maravita A, Iriki A. Tools for the body. Trends in congnitive Sciences 2004;8:79-86.

Thurm BE, Gama EF. Efeitos da dor crônica em atletas de alto rendimento em relação ao esquema corporal, agilidade psicomotora e estados de humor. (Tese) – São Paulo: Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, 2007, 127p.

Quadros AAJ, Oliveira ASB, Silva HSA. Síndrome Pós-Poliomielite: Uma Nova Doença Velha. (Tese). São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, 2005, 80p.

Dalakas MC. The Post-Polio Syndrome as an Evolved Cilinical Entity. Ann NY Acad Sci 1995;753:68-80. http://dx.doi.org/10.1111/j.1749-6632.1995.tb27532.x

Molinari E. Body-size estimation in anorexia nervosa. Percept Motor Skills. 1995;81:23-31. http://dx.doi.org/10.2466/pms.1995.81.1.23

Kandel E, Schwartz J, Jessel T. Princípios da Neurociência. 4.ed. São Paulo: Manole 2003, p.354-454.

Schilder P. A imagem do Corpo: as energias construtivas do psique. São Paulo: ed. Martins Fontes Ltda, 1999, 405p.

Stokes M. Neurologia para fisioterapeutas. São Paulo: Premier, 2000, 402p.

Ribeiro AB, Henriques GR, Corrêa AL, Sanglard RS, Pereira, J.S. A sintomatologia da síndrome de Pusher e o seu impacto no processo de reabilitação: revisão da literatura. Fisioter Bras 2002;3:183-91.

Cesário CMM, Penasso P, Oliveira APR. Impacto da disfunção motora na qualidade de vida em pacientes com Acidente Vascular Encefálico. Rev Neurocienc 2006;14:06-9.

Lacey J, Birtclmell SA. Body image and it disturbance. Psychosom Res 1986;30:623-31. http://dx.doi.org/10.1016/0022-3999(86)90096-6

Silva CB, Martins JS. Negligência Unilateral: implicações no processo de reabilitação. Rev Fisioter USP. São Paulo, 2000;7:16-24.

Monteiro PP. Envelhecer -Histórias. Encontros.Transformações. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, 272p.

Publicado
2012-03-31
Como Citar
Ferreira, C. de C., Favero, F. M., Fontes, S. V., Quadros, A. A. J., Pereira, S. S. R., Oliveira, A. S. B., & Scheuer, T. F. (2012). Análise da imagem e esquema corporal em indivíduos com diagnóstico de síndrome pós-poliomielite. Revista Neurociências, 20(1), 50-57. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8298
Seção
Artigos Originais