Efeitos da Liberação Miofascial Sobre a Flexibilidade de um Paciente com Distrofia Miotônica de Steinert

  • Elvyna Melo Rêgo Fisioterapeuta, Mestranda em Fisioterapia, Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), Piracicaba-SP, Brasil.
  • Marilene Marfin Martin Fisioterapeuta, Psicóloga, Mestre em Psicologia da Saúde, Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), São Paulo-SP, Brasil.
  • Almir ieira Dibai Filho Fisioterapeuta, Mestrando em Fisioterapia, Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), Piracicaba-SP, Brasil.
  • Francis Meire Fávero Fisioterapeuta, Mestre em Ciências, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo-SP, Brasil.
  • Acary Souza Bulle Oliveira Neurologista, Doutor, Professor do Departamento de Neurologia e Neurocirurgia, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo-SP, Brasil.
  • Sissy Veloso Fontes Fisioterapeuta, Doutora, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Fáscia, Neurologia, Modalidades de Fisioterapia

Resumo

Introdução. A distrofia miotônica de Steinert (DMS) é a forma mais frequente das distrofias musculares, de início na idade adulta, mere­cendo uma atenção fisioterapêutica especializada. Objetivo. Analisar os efeitos da liberação miofascial (LMF) sobre a flexibilidade de um paciente com DMS. Método. Relato de caso de um paciente com DMS, sexo masculino, 37 anos, submetido a 6 sessões fisioterapêu­ticas baseadas na técnica de LMF, que consiste em uma abordagem manual da qual decorre uma pressão interativa entre a mão do tera­peuta e as respostas do tecido fascial. Foram realizadas duas avaliações da flexibilidade, uma antes e outra após as sessões de tratamento. Além disso, o voluntário foi questionado sobre possíveis melhoras em suas atividades diárias após a intervenção com LMF. Resultados. Verifi­cou-se alterações na amplitude de movimento para mais e para menos graus nas articulações avaliadas, em decorrência de uma reorganização estrutural do corpo. Segundo opinião do paciente, houve uma me­lhora da sua condição durante a realização de suas atividades de vida diária. Conclusão. A LMF influenciou a função da fáscia e músculo, alterando a flexibilidade articular.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Oliveira ASB, Levy JA. Afecções Neurológicas Periféricas. In: Calia LC, Annes M. Reabilitação em Doenças Neuromusculares: Guia Terapêutico Prático. São Paulo: Atheneu Editora; 2003, p.31-64.

Harper PS. Myotonic disorders. In: Engel AG, Banker BQ. Myology. New York: McGraw-Hill; 1986, p.1267-96.

Otsuka MA, Boffa CFB, Vieira ABAM. Distrofias Musculares: Fisioterapia Aplicada. Rio de Janeiro: Editora Revinter; 2005, p.2-28.

Araújo TL, Resqueti VR, Bruno S, Azevedo IG, Dourado Júnior ME, Fregonezif G. Respiratory Muscle Strength and Quality of Life in Myotonic Dystrophy Patients. Rev Port Pneumol 2010;16:892-8.

Fontes SV, Alves MAF, Ottoboni C, Fukujima MM. Classificação dos Procedimentos Fisioterápicos. In: Fontes SV, Fukujima MM, Cardeal JO. Fisioterapia Funcional: Fundamentos Para a Prática. São Paulo: Editora Atheneu; 2007, p.149-259.

Levy JA. Classificação das Miopatias. In: Levy JA. Doenças Musculares: Estudo Clínico e Diagnóstico. São Paulo: Editora Atheneu; 2001, p.19-33.

Caregnato RCA, Mutti R. Pesquisa Qualitativa: Análise de Discurso Versus Análise de Conteúdo. Texto Contexto Enferm 2006;15:679-84. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000400017

Lins LL, Padovani CMCA, Lucena R, Argolo LS, Fernandes LC, Guimarães CVNF, et al. Achados Audiológicos em Indivíduos com Distrofia Miotônica de Steinert. Rev Soc Bras Fonoaudiol 2008;13:344-51.

Martin MM. Efeito da Liberação Miofascial em Esclerose Sistêmica Difusa: Relato de Caso. Rev Rolfing Brasil 2009;9:3-9.

Leite JAM, Matutino RRB, Aragão JHD. Efeito da Liberação Miofascial dos Isquiotibiais na Amplitude do Movimento do Quadril. Ter Man 2008;6:154-8.

Chino K, Oda T, Kurihara T, Nagayoshi T, Yoshikawa K, Kanehisa H, et al. In Vivo Fascicle Behavior of Synergistic Muscles in Concentric and Eccentric Plantar Flexions in Humans. J Electromyogr Kinesiol 2008;18:79-88. http://dx.doi.org/10.1016/j.jelekin.2006.08.009

Campelo GO. A Manipulação do Tecido Conjuntivo no Tratamento da Dor Lombar Crônica de Origem Miofascial. Ter Man 2008;6:307-13.

Kisner C, Colby LA. Exercício Fisioterapêutico: Fundamentação Conceitual. In: Kisner C, Colby LA. Exercícios Terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. 4ª ed. São Paulo: Editora Manole; 2005, p. 3-33.

Findley T. Fascia Research II: Second International Fascia Research Congress. International Journal of Therapeutic Massage and BodyWork 2009;2:4-9.

Bianchini LP, Moreira MR. Influência da Manipulação Miofascial Sobre a Amplitude Articular. Ter Man 2003; 2:78-80.

Campelo GO. A Manipulação do Tecido Conjuntivo no Tratamento da Dor Lombar Crônica de Origem Miofascial. Ter Man 2008;6:307-13.

Publicado
2012-09-30
Como Citar
Rêgo, E. M., Martin, M. M., Filho, A. ieira D., Fávero, F. M., Oliveira, A. S. B., & Fontes, S. V. (2012). Efeitos da Liberação Miofascial Sobre a Flexibilidade de um Paciente com Distrofia Miotônica de Steinert. Revista Neurociências, 20(3), 404-409. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8264
Seção
Relato de Caso