Procedimentos Fisioterapêuticos para Disfunção Vésico-Esfincteriana de Pacientes com Traumatismo Raquimedular

Revisão Narrativa

Autores

  • Márcia Maria Gimenez Fisioterapeuta, Pós-Graduanda da UNIFESP
  • Sissy Veloso Fontes Fisioterapeuta, Educadora Física, Mestre em Neurociências e Doutora em Ciências pela UNIFESP
  • Marcia Maiumi Fukujima Neurologista, Mestre em Neurologia pela UNIFESP

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2005.v13.8843

Palavras-chave:

Bexiga Neurogênica, Traumatismo raquimedular, Fisioterapia, Incontinência urinária, Disfunção vésico-esfincteriana

Resumo

A disfunção vésico-esfincteriana é comum no traumatismo raquimedular (TRM) e, pode ser dividida em bexiga neurogênica não-inibida, bexiga neurogênica reflexa, bexiga neurogênica autônoma, bexiga neurogênica paralítico-motora e bexiga neurogênica paralítico-sensitiva. Apresentamos uma revisão bibliográfica narrativa com análise crítica, sobre procedimentos fisioterapêuticos nas disfunções vésicoesfincterianas decorrente do TRM. Foram encontrados ao todo 14 artigos, sendo estes estudos analíticos. Os procedimentos fisioterapêuticos discutidos subdividem-se de acordo com o tipo de bexiga. Atualmente, os procedimentos mais utilizados são as manobras e técnicas de esvaziamento vesical, terapia comportamental com ênfase no esvaziamento vesical cronometrado, exercícios de contração isométrica e isotônica das musculaturas adjacentes à bexiga, exercícios de Kegel (exercícios para o assoalho pélvico) e, Biofeedback (utiliza-se tanto o eletromiográfico como o de pressão) e a acupuntura, eletroacupuntura e eletroestimulação. Contudo, de todos trabalhos levantados observou-se que nenhum deles possui nível de evidência suficiente para comprovar os reais efeitos do tratamento fisioterapêutico para disfunções vésico-esfincteriana decorrente do TRM, sendo necessários novos estudos com desenhos metodológicos mais adequados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

D’ancona CAL. Distúrbios Neurológicos da Bexiga e Urodinâmica. In: Hering FLO, Srougi M. Urologia - Diagnóstico e Tratamento. São Paulo: Roca; 1998.

Yamauti AY. Cuidados de Enfermagem em Pacientes Portadores de Lesão Medular. In: Greve JMD, Casalis MEP, Barros Filho TEP. Diagnóstico e Tratamento da Lesão da Medula Espinhal. São Paulo: Roca; 2001.

Lapides J. Urologia. Rio de Janeiro: Interamericana; 1992.

Gandolpho L, Heilberg, IP, Cuppoloni MM. Atualização em Infecções Urinárias: Bexiga Neurogênica. São Paulo: Moreira Jr.; 1995.

Vapnek JM. Urinary Incontinence: Screening and Treatment of Urinary Dysfunction. Geriatrics 2001;56,10:25-32.

Magaldi C, Araújo RC, Pacetta AM. Fisioterapia Uroginecológica: Incontinência Urinária e Prolapso. O COFFITO 2002; 28-32.

Roe B, Williams K, Palmer M. Bladder training for urinary incontinence in adults. Cochrane Database Syst Rev 2004;(1):CD001308.

Weiss JM. Pelvic Floor Myofascial Trigger Points: Manual Therapy for Interstitial Cystitis and The Urgency-Frequency Syndrome. J Urol 2001;166:2226-2231.

Eustice S, Roe B, Paterson J. Prompted voiding for the management of urinary incontinence in adults. Cochrane Database Syst Rev 2000(2):CD002113.

Payne CK. Behavioral Therapy for Overactive Bladder. Urology 2000;55(Suppl 5A): 3-6.

Amarenco G, Sheik Ismael A, Even-Schneider O, et al. Urodynamic effect of acute transcutaneous posterior tibial nerve stimulation in overactive bladder. J Urol 2003;169:2210-2215.

Fakacs C, Audic B, Bournaud M, et al. Rehabilitación de Las Vejigas Neurógenas. Kinésithérapie 1992;26:1-29.

Hongo H, Naya Y, Ukimura O, et al. Acupunture on Clinical Symptoms and Urodynamic Measurements in Spinal Cord Injured Patients with Detrusor Hyperreflexia. Urol Int 2000;65:190-195.

Cheng PT, Wong MK, Chang PL. A Therapeutic Trial of Acupunture in Neurogenic Bladder of Spinal Cord Injured Patients – a preliminary report. Spinal Cord 1998;36:476-480.

Yamanishi T, Yasuda K, Sakakibara R et al. Randomized, DoubléBlind Study of Electrical Stimulation for Urinary Incontinence Due to Detrusor Overactivity. Urology 2000;55:353-357.

Bo K, Berghmans LCM. Nonpharmacologic Treatments for Overactive Bladder – Pelvic Floor Exercises. Urology 2000;55(suppl. 5A):7-11.

Sakakibara R, Uchiyama T, Kuwabara S, et al. Autonomic Dysreflexia Due to Neurogenic Bladder Dysfunction; a Unusual Presentation of Spinal cord Sarcoidosis. J Neurol 2001;71(6):819-823.

Gomes LG. O Trabalho Muscular Isométrico no Tratamento da Reeducação Vesical em Portadores de Bexiga Neurogênica Flácida Decorrente ao Choque Medular Pós-Traumático. Fisioterapia em Movimento 1998;11(1):49-90.

Downloads

Publicado

2005-03-31

Como Citar

Gimenez, M. M., Fontes, S. V., & Fukujima, M. M. (2005). Procedimentos Fisioterapêuticos para Disfunção Vésico-Esfincteriana de Pacientes com Traumatismo Raquimedular: Revisão Narrativa. Revista Neurociências, 13(1), 34–38. https://doi.org/10.34024/rnc.2005.v13.8843

Edição

Seção

Artigos de Revisão
Recebido em 2019-02-06
Publicado em 2005-03-31

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 > >>