A Percepção dos Pacientes com Distrofia Muscular de Duchenne em Relação a sua Acessibilidade Domiciliar

  • Railto Campos dos Santos Fisioterapeuta, pós-graduando em Intervenção Fisioterapêutica nas Doenças Neuromusculares pela UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Ana Luiza Figueiredo Steiner Psicóloga, Mestre em Psicologia pela Universidade de São Paulo, São Paulo- -SP, Brasil.
  • Isabela Pessa Anequini Fisioterapeuta, Especialista em Intervenção Fisioterapêutica nas Doenças Neuromusculares pela UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Francis Meire Fávero Fisioterapeuta, Mestre em Ciências pela UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Sissy Veloso Fontes Fisioterapeuta, Professora de Educação Física, Doutora em Ciências pela UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Acary Souza Bulle Oliveira Neurologista, Doutor em Neurologia, Chefe do Setor de Doenças Neuromusculares da UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Distrofia Muscular de Duchenne, Habitação, Cadeiras de Rodas

Resumo

Objetivo. Analisar as diferentes percepções do acesso domiciliar de dois irmãos com Distrofia Muscular de Duchenne (DMD). Método. Qualitativo utilizando-se do estudo de caso. Foi realizado uma visita domiciliar à casa dos irmãos, para preenchimento de um questioná­rio semidirigido elaborado pelo autor da pesquisa, elaboração de um desenho temático e uma avaliação da residência com base nas normas vigentes da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Re­sultados. Os irmãos moram em um apartamento, no qual as respostas fornecidas pelos mesmos diferem em relação à percepção que cada um possui sobre seu ambiente. Essa afirmativa é mais bem evidenciada quando questionados sobre os prováveis pontos positivos e negativos da casa quanto à acessibilidade e as insatisfações com os espaços redu­zidos do vão das portas, impedindo sua transposição e a difícil loco­moção em alguns cômodos. Porém, ao desenho, foi possível verificar a extrema adaptação a realidade do meio em que vivem. Conclusão. Pode-se concluir que através da análise dos instrumentos aplicados os irmãos embora possuam percepções diferentes em relação à acessibili­dade do seu ambiente, estão bem inseridos na realidade arquitetônica que seu domicílio apresenta atualmente.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Reed UC. Doenças Neuromusculares. J Pediatr 2002;78:S89-S103. http://dx.doi.org/10.1590/S002175572002000700012

Caromano FA, Niitsuma LY, Vainzof M, Zatz M. Correlação entre o tempo de realização de diferentes atividades físicas por portadores de distrofia muscular de Duchenne. Rev Ter Ocup Univ São Paulo 2003;14(3):133-40.

Frezza RM, Silva SRN, Fagundes SL. Atualização do tratamento fisioterapêutico das distrofias musculares de Duchenne e de Becker. RBPS 2005;18:41-49. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2005.p41

Santos MAB, Costa FA, Travessa AF, Bombig MTN, Fonseca FH, Filho BL, et al. Distrofia muscular de Duchenne: análise eletrocardiográfica de 131 Pacientes. Arq Bras Cardiol 2010;94:620-4. http://dx.doi.org/10.1590/S0066782X2010005000024

Manzur AY, Muntoni F. Diagnosis and new treatments in muscular dystrophies. J Neurol Neurosurg Psychiatry 2009;80:706-714.

Gonçalves M, Dylewski V, Chaves ACX, Silva TM, Fávero FM, Fontes SV, et al. Qualidade de vida: análise comparativa entre crianças com distrofia muscular de Duchenne e seus cuidadores. Rev Neurocienc 2008; 16(4):275-79.

Tanaka MS, Luppi A, Morya E, Fávero FM, Fontes SV, Oliveira ASB. Principais instrumentos para a análise da marcha de pacientes com distrofia muscular de Duchenne. Rev Neurocienc 2007;15(2):153-59.

Zanoteli E, Narumia LC. Doenças neuromusculares: Fisioterapia: Aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Artes Médicas 2005, p.221-45.

Bach JR, Ishikawa Y, Kim H. Prevention of pulmonary morbidity for patients with Duchenne muscular dystrophy. Chest 1997;112:1024-28. http://dx.doi.org/10.1378/chest.112.4.1024

DeLisa JA, Gans BM, Walsh NE. Physical medicine and rehabilitation: principles and practice. 5a ed. Philadelphia: Williams L & Wilkins 2005. vol.1. p.754. Disponível em: http://books.google.com.br/books htm> [citado em 2010 Out 11].

Galvão MCS, Ozu MAU. Fisioterapia na paralisia cerebral. Aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Artes Médicas 2005, p.27-46.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. ABNT/CB-40; NBR 9050:2004. Rio de Janeiro, 2a Ed. 2004.

Forgus RH. Percepção: o processo básico do desenvolvimento cognitivo. São Paulo, Herder [Brasília]. Ed Univ de Brasília 1971, p.1-14.

Steiner ALF. Profissionais de saúde na relação com os pacientes portadores de esclerose lateral amiotrófica: aspectos psicológicos e de qualidade de vida. [Dissertação de mestrado]. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008, p.1-17.

Gardner-Medwin D, Walton JN. Disorders of voluntary muscle. Edinburg: Churchill Livigstone. 3.ed. 1974; p.517-60.

Martinez JAB, Brunherotti MA, Assis MR, Sobreira CR. Validação da escala motora EK para a língua portuguesa. Rev Assoc Med Bras 2006;52(5):347-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302006000500024

Trinca W. Apresentação e aplicação. In: Trinca W (Org.). Formas de investigação clínica em psicologia. São Paulo: Vetor, 1997, p.11-34.

Hallum A. Doenças Neuromusculares. In: Umphred, D.A. (Org.). Reabilitação Neurológica. 2a ed. São Paulo: Manole, 2004, p.384-436.

Kirby RL, Mifflen NJ, Thibault DL, Smith C, Best KL, Thompson KJ, et al. The manual wheelchair-handling skills of caregivers and the effect of training. Arch Phys Med Rehabil 2004;85:2011-19. http://dx.doi.org/10.1016/j.apmr.2004.02.014

Iwarsson S, Fange A. Changes in accessibility and usability in housing: An exploration of the housing adaptation process. Occup Ther Int 2005; 12(1):44-59. http://dx.doi.org/10.1002/oti.14

Ramos E, Zago R. Forma e percepção visual. [Revista]. UFAM - Universidade Federal do Amazonas, Departamento de Artes. 2007, p.1-10.

Publicado
2013-03-31
Como Citar
Santos, R. C. dos, Steiner, A. L. F., Anequini, I. P., Fávero, F. M., Fontes, S. V., & Oliveira, A. S. B. (2013). A Percepção dos Pacientes com Distrofia Muscular de Duchenne em Relação a sua Acessibilidade Domiciliar. Revista Neurociências, 21(1), 94-101. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8216
Seção
Relato de Caso

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##