Chamada para dossiê: Walter Benjamin e República de Weimar

2021-10-16

Walter Benjamin e a República de Weimar

volume 9 | número 17 | 1. semestre 2022

Um dossiê que situa Walter Benjamin na República de Weimar circunscreve a obra do filósofo em uma dimensão espaço-temporal, formando uma constelação entre personagens e obras intelectuais e artísticas da época. Delimitar a obra a partir de tal recorte, todavia, não requer um viés historicista ou geográfico, aos moldes da ordem convencional museológica. Trata-se antes de observar feições e ingredientes espirituais e materiais que compuseram uma atmosfera específica; de detectar a natureza de laços afetivos e de tensões e dissensos intelectuais; de farejar como aquelas vibrações repercutem no tempo-de-agora, não recorrendo a relações imediatas de identidade ou espelhamentos evidentes, mas penetrando na intensidade efusiva ou na depressão astênica que rondava os ares da primeira república democrática moderna. Nesta perspectiva, é importante notar que Benjamin, ele mesmo, situa-se em uma zona simbolicamente instável da República de Weimar. Ora, se a tradição de Weimar é o pano de fundo para erguer aquela república moderna, com os nomes de Goethe e Schiller a sustentá-la em sua versão monumental, Benjamin a situa em lugares mais frágeis e duvidosos. Vista hoje como uma espécie de miragem, a República de Weimar tornou-se quase uma fantasmagoria.

 

Neste número da revista Limiar, propomos pensar a obra de Walter Benjamin embebida da forma e do conteúdo weimarianos tais como eles aparecem, por exemplo, no fragmento “Weimar” de Imagens do Pensamento, onde, por um lado, delineia-se uma densa figuração do arquivo Goethe-Schiller, que emerge entre outras representações ali expostas e, de outro lado, vislumbra-se a debilidade do projeto político-cultural arquitetado em torno da república alemã. Outro aspecto que será acolhido nesse dossiê diz respeito aos impulsos revolucionários que sacudiam insistentemente os experimentos democráticos da política conselhista, como a tentativa de Revolução da Liga espartaquista que levará ao assassinato de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht pelos Freikorps, em janeiro de 1919. Tendo em vista o escopo deste dossiê, também serão bem-vindas contribuições que contemplem os seguintes tópicos:

 

- Expressionismo: cinema, pintura, literatura

- Nova Objetividade

- Teatro (épico, proletário)

- Cabaré (personagens)

- Política: Dolchstosslegende, Spartakusbund

- Literatura: Goethe, Döblin

- Vanguardas: Dadaísmo e Surrealismo

- Origem do drama barroco alemão

 

Prazo para submissão: 1 de fevereiro de 2022

 

Organização:

Alessandra Affortunati Martins ( aaffortunatimartins@gmail.com )

Francisco Camêlo ( ftcamelo@outlook.com )

Francisco Pinheiro Machado ( fapmachado@unifesp.br)

Leonardo Alves de Lima ( leonarddo.delima@gmail.com )