Boas práticas editoriais

Acesso aberto: o Portal de Periódicos da Unifesp adota a definição de acesso aberto à literatura científica revisada por pares e que é disponibilizada na Internet na modalidade online, seguindo os princípios da Budapest Open Access Initiative (BOAI) de 2002, sem barreiras financeiras, legais ou técnicas, permitindo a qualquer pessoa: ler, abaixar, copiar, distribuir, imprimir, pesquisar ou referenciar o texto integral desses artigos, recolhê-los para indexação, introduzi-los como dados em software, ou usá-los para outro qualquer fim legal. A via de acesso das revistas Portal é via dourada que permite ao editor disponibilize gratuitamente os artigos e conteúdos na internet.

Para o compartilhamento legal dos conteúdos, adotamos a licença Creative Commons, que, embora franqueie ao público a reutilização dos conteúdos, preserva os direitos autorais. Em que pese esses direitos, o Portal entende que é de responsabilidade dos autores o contato com os editores para autorização de eventuais reproduções de imagens. Para a gestão editorial, utilizamos a plataforma Open Journal System, que permite a interoperabilidade, integração e divulgação dos conteúdos na internet.

Considerações éticas: o Portal de Periódicos da Unifesp se dedica em promover a integridade nas publicações, e, por isso, apoia os padrões internacionais para publicação de pesquisa responsável, apresentados pelo Committee on Publication Ethics (COPE), pelo Code of Ethics American Educational Research Association (AERA), pelo Council of Science Editors (CSE), pelo Código de Boas Práticas Científicas – FAPESP e pelo Guia de Boas Práticas da SciELO. O Portal de Periódicos da Unifesp entende que integridade significa conduzir a pesquisa de uma maneira que permita que outras pessoas tenham confiança nos métodos utilizados e nos resultados gerados. Qualquer outra conduta que não contemple esta definição enseja má-conduta em pesquisa: plágio, autoplagio, fraude, fabricação de dados e/ou imagem, entre outros exemplos.

O Portal adota e recomenda aos seus editores as seguintes definições:

 

  • Má-conduta: Segundo o Code of Ethics American Educational Research Association, má-conduta consiste em: fabricação, falsificação ou plágio na elaboração, execução ou revisão de pesquisas ou no relato de resultados de pesquisas. Portanto, tal definição exclui, erros honestos e divergências de opinião. Quaisquer casos de má-conduta no portal deverão ser tratados com as devidas sanções, estabelecidas pelo Conselho Editorial de cada periódico.

  • Fabricação: inventar dados ou resultados, registrando-os ou relatando-os como se fossem efetivos.

  • Falsificação: manipular materiais, equipamentos ou processos de pesquisa, ou alterar ou omitir dados ou resultados, de modo que seu registro não seja preciso nem fidedigno.

  • Plágio: consiste na apropriação de ideias, processos, resultados ou palavras de outra pessoa sem o crédito correspondente. Os autores são responsáveis pelo conteúdo e informações contidos em seus manuscritos. O Portal de Periódicos da Unifesp indica o software Turnitinque permite detectar similaridades nos materiais submetidos. 

 

Nos casos de Publicação Duplicata e Redundante, Correção e Retratações, o Portal de Periódicos da Unifesp indica as seguintes orientações:

 

  • Publicação Duplicata e Publicação Redundante: A publicação duplicata refere-se à prática de submeter o mesmo estudo em dois ou mais periódicos sem a autorização devida dos editores e/ou autores; e a publicação redundante que consiste na divisão inadequada dos resultados do estudo em mais de um artigo (também conhecido como publicação segmentada ou salami publication). O Portal de Periódicos da Unifesp indica a publicação exclusiva de material original, ou seja, material que nem tenha sido publicado anteriormente nem esteja em processo de submissão em outros periódicos, inclusive em idiomas diferentes.

  • Correções e Retratações: em casos de erros ou falhas, independente da natureza ou da origem, que não configurem má-conduta, sugerimos a correção por meio de errata. Para artigos já publicados nos quais má-conduta seja identificada, sugerimos a retratação, cuja motivação deverá ser devidamente referenciada.

O Portal de Periódico da UNIFESP adota a seguinte definição de Conflito de Interesse:  qualquer interesse ou relacionamento, financeiro ou outro, ou crenças pessoais, religiosas ou políticas que possam ser percebidas como influências a objetividade de um autor é considerado uma fonte potencial de conflito de interesses. Fontes potenciais de conflito de interesse incluem, mas não estão limitadas a: patente ou propriedade de ações, participação em um conselho de administração de uma empresa, participação em um conselho consultivo ou comitê de uma empresa e consultoria ou recebimento de honorários de palestrante de uma empresa. A existência de conflito de interesses não impede a publicação, porém o Portal de Periódicos da Unifesp indica que os periódicos solicitem que seus autores declarem quaisquer interesses pessoais ou comerciais que possam enviesar o manuscrito. Ao submeter o artigo, os autores assumem a declaração de não existência de conflitos de interesse.

 Endogenia: o Portal de Periódicos da Unifesp combate a endogenia e orienta a nacionalização, a internacionalização e a presença de diferentes instituições na composição dos comitês editoriais de seus periódicos.

Avaliação por pares: o Portal de Periódicos da Unifesp indica que os periódicos adotem e, deixem claro nas instruções aos autores, o processo de avaliação por pares adotado:

  • Processo de Revisão Cega (Blind-Review): Neste tipo de revisão por pares, o autor não sabe quem são os revisores.

  • Processo de Revisão Duplo-Cega (Double Blind Review): Neste tipo de revisão por pares, os revisores não conhecem a identidade dos autores e vice-versa.

  • Processo de Revisão por Pares Aberta (Open Peer-Review): Neste tipo de revisão por pares, a identidade do autor e dos revisores é conhecida por todos os participantes. Os periódicos também podem publicar as revisões junto com os artigos finais, para que os leitores vejam a identidade dos revisores e seus comentários depois de aceitos.

  • Processo de Revisão por Pares Transparente: a revisão por pares transparente, os relatórios dos revisores, as respostas dos autores e as cartas de decisão dos editores são publicados juntamente com os artigos aceitos. Esse processo é totalmente compatível com periódicos que usam revisão cega ou duplo-cega durante o processo de revisão. Os autores têm a opção de cancelar a revisão transparente por pares durante a submissão.

  • Processo de revisão por pares colaborativa: o processo de revisão por pares colaborativa, cobre uma ampla variedade de abordagens nas quais uma equipe de pessoas trabalha em conjunto para realizar a revisão. Um primeiro formato é ter dois ou mais revisores trabalhando juntos para revisar o artigo, discutir suas opiniões e enviar um relatório unificado. Outra abordagem é ter um ou mais revisores colaborando com o autor para adequar o artigo ao padrão editorial estabelecido.

Gestão de dados: o Portal de Periódicos da Unifesp, no âmbito da Rede de Repositórios de Dados de Pesquisa lançado pela FAPESP, se soma ao esforço integrado da reitoria, da pró-reitoria de pós-graduação e pesquisa, da Editora da Unifesp, da Coordenadoria da Rede de Bibliotecas e da Superintendência em Tecnologia da Informação para que a ciência produzida e publicada por qualquer instância da universidade se faça com base em um plano de gestão e preservação de dados. Neste sentido, o Portal de Periódicos nasce integrado ao Repositório de Dados Científicos da UNIFESP, suportado pela plataforma Dataverse, e à Rede Cariniana, uma rede brasileira de serviços de preservação digital.

Ciência Aberta: o Portal de Periódicos da Unifesp se soma ao esforço integrado da reitoria, da pró-reitoria de pós-graduação e pesquisa, da Editora da Unifesp, da Coordenadoria da Rede de Bibliotecas e da Superintendência em Tecnologia da Informação para desenvolvimento do debate e das práticas da ciência aberta, com o objetivo de desenvolve e compartilhar, por meio de redes sociais, conhecimento transparente e acessível (FOSTER Open Science Definition).