O Turista Aprendiz, de Mário de Andrade, como fonte para a História Ambiental

  • Bianca Letícia de Almeida Unifesp
Palavras-chave: Mário de Andrade, História ambiental, diário de viagem, Modernismo

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar o livro O Turista Aprendiz, de Mário de Andrade, como possibilidade de fonte para a História Ambiental. A obra contém escritos sobre duas viagens realizadas pelo modernista, que tinha intenções de descobrir as diferentes realidades do Brasil. Embora com configurações distintas, as duas partes do livro – que foi editado e publicado postumamente por Telê Lopez – trazem as observações do autor que nos permitem pensar as diversas interações entre o homem e a natureza. Rios, matas, trajetos, climas, transportes, fronteiras, deslocamentos são algumas das possibilidades de reflexão que o livro nos oferece.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Mário de. O turista aprendiz. Estabelecimento de texto, introdução e notas de Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo: Duas Cidades; Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1976.

ARAÚJO, Regina Célia Correa de Araújo. No meio da multidão; um diálogo entre Mário de Andrade e a Geografia. Mestrado em Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

BARROS, José D'Assunção. "A Nova História Cultural: considerações sobre o seu universo conceitual e seus diálogos com outros campos históricos". Cadernos de História, v. 12, n. 16, pp. 38-63, 1º sem. 2011.

BARROS, José D'Assunção. A expansão da História. Petrópolis: Vozes, 2013.

BORGES, Valdeci Rezende. “História e literatura: algumas considerações”. Revista de Teoria da História, 1, pp. 94-109, 2010.

CAMPOS, Luna R. Sensibilidade etnográfica, narrativa e interpretação do Brasil: a viagem de Mário de Andrade ao Nordeste (1928-1929). Mestrado em Sociologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita. São Paulo: Editora da UNESP, 2002.

COELHO, Ana Carolina Canuto; MEDEIROS, Ana Elisabete de Almeida. “O Turista Aprendiz: Reflexões e Narrativas de uma Ideia de Paisagem”. In: Anais do XV Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, 2018, Rio de Janeiro. Disponível em: https://even3.blob.core.windows.net/anais/82017.pdf. Acesso em 11 setembro 2019.

CUNHA, Jakeline Fernandes. Mário de Andrade, paisagista em O turista aprendiz. 2016. Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

ELIA, Ricardo. Um turista aprendiz nos Parques Infantis: Mário de Andrade, viagem e educação. Mestrado em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

GUAZZELLI, Cesar Augusto Barcellos. “Rio da Prata, século XIX: fronteiras espaciais, textuais e ficcionais”. Diálogos: revista do Departamento de História da Universidade Estadual de Maringá, 18-1, pp. 173-206, jan./abr. 2014.

KRAKOWSKA, Kamila, “O Turista Aprendiz e o Outro: a(s) identidade(s) brasileira(s) em trânsito”, Portuguese Cultural Studies, 4, pp. 66-84, 2012.

MARTINEZ, Paulo Henrique. História Ambiental no Brasil: pesquisa e ensino. São Paulo: Cortez, 2006.

MAYA, Ivone da Silva Ramos. “Anti-viajante que sou: o conceito de viagem em Mario de Andrade”. Ipotesi (UFJF), 3, pp. 73-88, 1999.

NOGUEIRA, Antonio Gilberto Ramos. Por um inventário dos sentidos: Mário de Andrade e a concepção de patrimônio e inventário. São Paulo: Hucitec: Fapesp, 2005.

OLIVEIRA, Cristiano Mello de. “O Turista Aprendiz e a Máquina Fotográfica como Estratégia de Aproximação Social”. Millenium, 50, pp. 101-121, jan/jun 2016.

OLIVEIRA, Cristiano Mello de. Considerações sobre a construção intelectual de Mário de Andrade: o Turista aprendiz. Mestrado em Literatura, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

OLIVEIRA, Pedro Rocha de. Viagem etnográfica ao Nordeste do Brasil - a crítica cultural de Mário de Andrade. Mestrado em Sociologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.

PÁDUA, José Augusto. “As Bases Teóricas da História Ambiental”. Estudos Avançados, v. 24, pp. 81-101, 2010.

PÁDUA, José Augusto. “Civil Society and Environmentalism in Brazil: The Twentieth Century's Great Acceleration”. In: RAJAN, S. Ravi; SEDREZ, Lise (org). The Great Convergence: Environmental Histories of the BRICS. New Delhi: Oxford University Press, v. 1, pp. 113-134, 2018.

SANTOS, Marcelo Burgos P. dos. Viagens de Mário de Andrade: a construção cultural do Brasil. Doutorado em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), São Paulo, 2012.

SIRINO, Salete Paulina Machado. “Mário de Andrade: mais que um turista aprendiz, um político cultural”. Revista Educação e Linguagens, 1, pp. 202-211, 2012.

SUZUKI, Julio Cesar, “Espaço na crônica de Mário de Andrade: uma análise de O Turista Aprendiz”. Geograficidade, 1, pp. 91-102, 2011.

VEIGA, José Eli da. A desgovernança mundial da sustentabilidade. São Paulo: Editora 34, 2013.

Publicado
2020-01-30
Como Citar
DE ALMEIDA, B. L. O Turista Aprendiz, de Mário de Andrade, como fonte para a História Ambiental. Revista de fontes, v. 6, n. 11, p. 46-63, 30 jan. 2020.