José Lutzenberger e a divulgação da Teoria de Gaia no plano internacional (década de 1980)

  • Elenita Malta Pereira Unicentro
  • Sara Rocha Fritz UFSC
Palavras-chave: José Lutzenberger, Teoria de Gaia, História ambiental e Biografia

Resumo

José Lutzenberger protagonizou, ao longo de 31 anos (1971-2002), uma forte atuação ambientalista no Brasil e em âmbito internacional, divulgando a ética do convívio ecossustentável. Um dos conceitos que alicerçaram seu pensamento foi “Gaia”, a partir da formulação teórica de James Lovelock. Neste trabalho, analisamos como se deu a participação de Lutzenberger na constituição de fundações que tinham como conceito-base a teoria de Gaia: a Gaia Foundation e a Foundation For Gaia, na Europa, na década de 1980. A análise está embasada nas fontes do Acervo Privado de José Lutzenberger (APJL): correspondências, folhetos, transcrições de palestras e textos do personagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

ACSELRAD, Henri. “Paradoxos da ambientalização do Estado brasileiro: liberalização da economia e flexibilização das leis”. In: RIBEIRO, Ana Clara Torres, LIMONAD, Ester e GUSMÃO, Paulo Pereira de (org.). Desafios ao planejamento: produção da metrópole e questões ambientais. Rio de Janeiro: Letra Capital/ANPUR, 2012.

ALLEGRETTI, Mary Helena. A construção social de políticas ambientais: Chico Mendes e o movimento de seringueiros. Tese de Doutorado em Desenvolvimento Sustentável – Gestão e Política Ambiental, Universidade de Brasília, 2002.

AVELAR, Alexandre. “A biografia como possibilidade de escrita da história”. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, ANPUH, São Paulo, julho 2011. Disponível em: https://anpuh.org.br/uploads/anais-simposios/pdf/2019-01/1548855462_aea84bdd7b276d31370cd7edf2c10851.pdf Acesso em 15 janeiro 2020.

GOMES, Angela de Castro. “Escrita de si, escrita da História: a título de prólogo”. In: Idem (org.) Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

GOMES, Angela de Castro. “Nas malhas do feitiço: o historiador e o encanto dos arquivos privados”. Estudos Históricos, 11, pp. 121-127, 1998.

INGLIS, Mary e KRAMER, Sandra (org.). The New Economics Agenda. Fidhorn: Forres (Escócia), 1985.

LOVELOCK, James. Gaia: um novo olhar sobre a vida na Terra. Lisboa: Edições 70, 1987.

LUTZENBERGER, José. “Brazilian wilderness: A problem or a model for the world?” In: Vance Martin e Mary Inglis. Wilderness: The Way Ahead. Scotland and USA: The Findhorn Press, 1984.

LUTZENBERGER, José. “Gaian economics”. In: Mary Inglis e Sandra Kramer (org). The New Economics Agenda. Fidhorn: Forres (Escócia), 1985. pp. 154-66.

LUTZENBERGER, José. Gaia: o planeta vivo. Porto Alegre: LP& M, 1990.

MONTIBELLER, Gilberto, SOUZA, Gláucia e BÔLLA, Kelly. “Economia ecológica e sustentabilidade socioambiental”. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, 23, pp. 25-35, 2012.

PENNA, Rejane Silva e GRAEBIN, Cleusa Maria. “Acervos Privados: indivíduo, sociedade e história”. Saeculum, 23, pp. 123-133, 2010.

PEREIRA, Elenita Malta. “A construção da ética do convívio ecossustentável pelo ambientalista José Lutzenberger (1971-2002)”. Tempo & Argumento. 11-26, pp. 7-43, jan./abr. 2019.

PEREIRA, Elenita Malta. “A década da destruição da Amazônia: José Lutzenberger e a contrarreforma agrária em Rondônia” (anos 1980). História Unisinos, 21-1, pp. 26-37, janeiro/abril 2017

PEREIRA, Elenita Malta. “A economia como um capítulo da ecologia: a economia ecológica no pensamento do ambientalista José Lutzenberger”. Diálogos Latinoamericanos. Lacua, Dinamarca. 25, pp. 5-18, dez. 2016.

PEREIRA, Elenita Malta. A ética da convivência ecossustentável: uma biografia de José Lutzenberger. Doutorado em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

PONTES, Vanildo Pereira. “A construção da memória através de um arquivo pessoal: o caso do arquivo do poeta Alberto de Moura”. Páginas a&b, 3, pp. 101-118, 2015.

PROCHASSON, Christophe. “Atenção: verdade! Arquivos privados e renovação das práticas historiográficas”. Estudos Históricos, 11, pp. 105-120, 1998.

SCHMIDT, Benito Bisso. “O gênero biográfico no campo do conhecimento histórico: trajetória, tendências e impasses atuais e uma proposta de investigação”. Anos 90. 4-6, pp. 165-192, dez. 1996.

SILVA, Haike Roselane Kleber da Silva. Entre o amor ao Brasil e ao modo de ser alemão: a história de uma liderança étnica (1868-1950). São Leopoldo: Oikos, 2006.

VENANCIO, Giselle Martins. “Presentes de papel: cultura escrita e sociabilidade na correspondência de Oliveira Vianna”. Estudos Históricos, 28, pp. 23-47. 2001.

WHITE, Lynn. The historical roots of our ecological crisis. Science, vol. 155, nº 3767, pp. 1203-1207, 10/03/1967.

WORSTER, Donald. “Living in Nature: Biography and Environmental History”. In: Timo Myllyntaus (ed.). Thinking through the Environment. Green Approaches to Global History. Cambridge: The White Horse Press, pp. 28-39, 2011.

Publicado
2020-01-30