Pensar o mundo aos pedaços

Quando a filosofia encontra a história ambiental

Palavras-chave: História Ambiental, Filosofia, Ecologia Profunda

Resumo

As transformações contemporâneas cada vez mais aceleradas que perpassam a sociedade trazem à história ambiental o compromisso de entender as rupturas e permanências entre a cultura e a natureza. Também consistem em uma fecunda oportunidade para se pensar novas possibilidades do devir histórico. Este artigo objetiva discutir brevemente como textos filosóficos (enquanto fontes de pesquisas) podem auxiliar tal atividade. A partir do conceito de ecologia profunda, no qual equilíbrio, estabilidade e diversidade fundem-se na complexidade, apresentamos um exercício metodológico que parte do mecanicismo cartesiano e desemboca no organicismo kantiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando métricas...

Biografia do Autor

Marcio Henrique Bertazi, Doutorando na Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo

Engenheiro Ambiental pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (2010); bacharel em Filosofia pela Universidade Federal de São Carlos (2017) e Mestre em História e Sociedade (2014) pelo Programa de Pós-Graduação em História e Sociedade da Faculdade de Ciências e Letras de Assis (FCL-UNESP). É, desde 2016, Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, onde pesquisa, dentre outras, a temática "ecologia política de movimentos sociais". Interessa-se pelas seguintes áreas de pesquisa: história ambiental; ecologia política; agricultura; metodologia de pesquisa-ação; direitos humanos e meio ambiente; acervos audiovisuais; sustentabilidade; meio ambiente e movimentos sociais; filosofia da ciência. Tem experiência na utilização de Sistemas de Informações Geográficas aplicados à construção de material didático e ensino de Cartografia.

Referências

ARISTÓTELES. Partes de los animales. Trad. Elvira J. Sánchez-Escariche; Almudena A. Miguel. Madri: Editorial Gredos, 2000.

ASSUMPÇÃO, Gabriel A.. “Crítica do juízo teleológico e organismo em Kant e Schelling”. Dois Pontos, 12, pp. 123-135, 2015. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/doispontos/article/view/38898. Acesso em 04 de Julho de 2019.

CAPRA, Fritjoj. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos seres vivos. Trad. Newton R. Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 2006.

CASSIRER, Ernest. “Psicologia e teoria do conhecimento”. In: A filosofia do iluminismo. Trad. Álvaro Cabral. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1992.

COTTINGHAM, John (org.). Descartes. Trad. André Oídes. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2009.

CRUTZEN, Paul J. e STOERMER, Engene F.. “The ‘Anthropocene’”. Global Change Newsletter, 41, pp. 17-18, 2000. Disponível em: http://www.igbp.net/download/18.316f18321323470177580001401/1376383088452/NL41.pdf. Acesso em 04 de Julho de 2019.

DEAN, Warren. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. Trad. Cid K. Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

FIGUEIREDO, Vinicius B.. Kant e a crítica da razão pura. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Círculo do Livro, 1980.

GEORGESCU-ROEGEN, Nicholas. O decrescimento: entropia, ecologia, economia. Trad. Maria José Perillo Isaac. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2012.

GIANNOTTI, José A.. “Kant e o espaço da história universal”. Discurso, 10, pp. 7-48, 1979. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37855. Acesso em 04 de Julho de 2019.

GIANNUZZI, Mariaenrica. “A philosophical point of view on the theory of Anthropocene”. Visions for Sustainability, 5, pp. 6-14, 2016. Disponível em: www.ojs.unito.it/index.php/visions/article/download/1618/1561. Acesso em 04 de Julho de 2019.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz T. da Silva; Guaracira L. Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HEGEL, Georg W. F.. A razão na história: uma introdução geral à filosofia da história. Trad. Beatriz Sidou. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2001.

HINCHMAN, Lewis P. e HINCHMAN, Sandra K.. “Deep ecology and the revival of natural right”. The Western Political Quarterly, 42, pp. 201-228, 1989. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/106591298904200303?journalCode=prqa. Acesso em 04 de Julho de 2019.

HOY, Terry. Toward a Naturalistic Political Theory: Aristotle, Hume, Dewey, evolutionary biology, and deep ecology. Westport, Connecticut: Praeger, 2000.

KANT, Immanuel. Crítica da Faculdade do Juízo. Trad. Valério Rohden e Antonio Marques. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

KANT, Immanuel. Ideia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita. Trad. Rodrigo Naves e Ricardo Ribeiro Terra. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004, p.3.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Trad. Wilma Patrícia Maas; Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

LEFF, Enrique. El fuego de la vida: Heidegger ante la cuestión ambiental. Ciudad de México: Siglo Veintiuno Editores, 2018.

LOVATTO, Patrícia Braga et al. “Ecologia profunda: o despertar para uma educação ambiental complexa”. Redes, 16, pp. 122-137, 2011. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/1347. Acesso em 04 de Julho de 2019.

MARCUSE, Herbert. “A ecologia é revolucionária”. Oitenta, 8, pp. 55-58, 1983.

MARQUES, António. Organismo e sistema em Kant: ensaio sobre o sistema kantiano. Lisboa: Editorial Presença, 1987.

MAYR, Ernst. Desenvolvimento do pensamento biológico: diversidade, evolução e herança. Trad. Ivo Martinazzo. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.

MCNEILL, John R.. Algo nuevo bajo el sol: historia medioambiental del mundo en el siglo XX. Trad. José L. G. Aristu. Madri: Alianza Ensayo, 2003.

MCNEILL, John R.. The Mountains of the Mediterranean World. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

MEGLHIORATTI, Fernanda Aparecida et al. “O conceito de organismo em uma abordagem hierárquica e sistêmica da biologia”. Revista da Biologia, 9, pp. 7-11, 2012. Disponível em: http://www.ib.usp.br/revista/node/123. Acesso em 04 de Julho de 2019.

MERLEAU-PONTY, Maurice. A natureza. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

NAESS, Arne D. E.. “The shallow and the deep, long-range ecology movement. A summary”. Inquiry, 16, pp. 95-100, 1973. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00201747308601682. Acesso em 04 de Julho de 2019.

PERIN, Adriano. “Kant e Darwin sobre a noção de teleologia em Biologia: da autonomia na consideração do organismo à autonomia na consideração das populações”. Fundamento, 1, p. 160, 2010. Disponível em: https://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/fundamento/article/view/1168. Acesso em 04 de Julho de 2019.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. Trad. Fanny Wrobel. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

ROMESÍN, Humberto Maturana e GARCÍA, Francisco J. Varela. De máquinas e seres vivos: autopoiese - a organização do vivo. Trad. Juan Acuña Llorens. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

SACHS, Ignacy. Rumo à ecossocioeconomia: teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2007.

SCHÜTZ, Rosalvo. “A concepção multifacetada de natureza em Kant”. Veritas, 54, pp. 238-256, 2009. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/veritas/article/view/5076. Acesso em 04 de Julho de 2019.

SEVCENKO, Nicolau. A corrida para o século XXI: no loop da montanha-russa. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

WALDMAN, Maurício. Ecologia e lutas sociais no Brasil. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1994.

WORSTER, Donald. “Transformações da terra: para uma perspectiva agroecológica na história”. Trad. Maria Clara Abalo Ferraz de Andrade. Ambiente & Sociedade, 5, pp. 23-44, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/asoc/v5n2/a03v5n2.pdf. Acesso em 04 de Julho de 2019.

WORSTER, Donald. Dust bowl: the Southern plains in the 1930s. Oxford: Oxford University Press, 2004.

Publicado
2020-01-30
Como Citar
BERTAZI, M. H. Pensar o mundo aos pedaços. Revista de fontes, v. 6, n. 11, p. 84-104, 30 jan. 2020.