Epidemias e escravidão no Maranhão colonial: As tentativas da câmara municipal de São Luís de controlar a epidemia de varíola de 1743-1744

  • Alexandre Pelegrino Vanderbilt University
Palavras-chave: Epidemias, Escravidão, Povos indígenas

Resumo

O artigo contextualiza a quarentena colocada em prática pela câmara municipal de São Luís para conter uma epidemia de varíola que ocorria em Belém. A elite local tentou suprimir a epidemia pois entendia que os indígenas eram ao mesmo tempo os habitantes mais vulneráveis às doenças e a principal força de trabalho da região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: Formação do Brasil no Atlântico sul, séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

BICALHO, Maria Fernanda. “As câmaras municipais no Império português: O exemplo do Rio de Janeiro”. Revista Brasileira de História, 18, no. 36, pp. 251-280, 1998.

CHAMBOULEYRON, Rafael et al.. “‘Formidável contágio’: Epidemias, trabalho e recrutamento na Amazônia colonial (1660-1750).” História, Ciências, Saúde - Manguinhos, 18, no. 4, pp. 987–1004, 2011.

CORREA, Helidacy M. M. “Para aumento da conquista e bom governo dos moradores”: O papel da câmara de São Luís na conquista, defesa e organização do território do Maranhão (1615-1668)”. Tese de doutorado em História, Universidade Federal Fluminense, 2011.

CROSBY, Alfred W. The Columbian Exchange: Biological and Cultural Consequences of 1492. Westport: Greenwood Press, 1972.

DIAS, Camila L. e BOMBARDI, Fernanda A. “O que dizem as licenças? Flexibilização da legislação e recrutamento particular de trabalhadores indígenas no Estado do Maranhão (1680-1755)”. Revista de História São Paulo, 175, pp. 249–280, 2016.

FEIO, David S. S. “O nó da rede de ‘apaniguados’: Oficiais das câmaras e poder político no Estado do Maranhão (primeira metade do século XVIII).” Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, 2013.

JONES, David S. “Virgin Soils Revisited”. The William and Mary Quarterly, LX, no. 4, pp. 703–742, 2003.

MCNEILL, John Robert. Mosquito Empires: Ecology and War in the Greater Caribbean, 1620 - 1914. New York: Cambridge University Press, 2010.

METCALF, Alida. “The Entradas of Bahia of the Sixteenth Century”. The Americas, 61, no. 3, pp. 373–400, 2005.

RESÉNDEZ, Andrés. The Other Slavery: The Uncovered Story of Indian Enslavement in America. Boston: Houghton Mifflin Harcourt, 2016.

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos: Engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550 - 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

VIEIRA JUNIOR, Antonio Otaviano. “‘Retórica da epidemia’: Discursos, negociações e tensões políticas que orbitavam o uso da mão-de-obra indígena no Grão-Pará, 1748-1750”. Anais de História de Além-Mar, XVIII, pp. 63–98, 2017.

VIEIRA JUNIOR, Antonio Otaviano e Roberta Sauaia Martins. “Epidemia de sarampo e trabalho escravo no Grão-Pará (1748-1778)”. Revista Brasileira de Estudos de População, 32, no. 2, pp. 293–311, 2015.

XIMENDES, Carlos A. “Sob a mira da câmara: viver e trabalhar na cidade de São Luís (1644-1692).” Tese de doutorado em História, Universidade Federal Fluminense, 2010.

Publicado
2020-09-02
Como Citar
PELEGRINO, A. Epidemias e escravidão no Maranhão colonial: As tentativas da câmara municipal de São Luís de controlar a epidemia de varíola de 1743-1744. Revista de fontes, v. 7, n. 12, p. 149-156, 2 set. 2020.