Avaliação da Educação Ambiental em trilhas interpretativas inclusivas no Estado do Rio de Janeiro

Autores

  • Sthefani Rosa Nascimento Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Vivian Castilho da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2017.v10.6602

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Deficientes Visuais, Ecoturismo.

Resumo

O ecoturismo é o segmento do turismo que mais cresce no mundo, segundo dados da Organização Mundial do Turismo (OMT). Alguns fatores para esse crescimento devem ser levados em consideração, como a necessidade do descanso físico, a vontade de conhecer novos lugares e a saída dos grandes centros urbanos. No ecoturismo em ambientes naturais se destacam as trilhas. As trilhas e os jardins sensoriais fazem parte das poucas atividades para deficientes visuais quando se tratam de atividades em áreas naturais. O esquecimento dos deficientes é facilmente notável por conta da carência de atividades que possam incluir os portadores de necessidades especiais nesse país, sobretudo nos Parques naturais, onde poderiam ser oferecidas uma infraestrutura adequadas para que possa abrigar essas atividades que visa a inclusão dos deficientes seja tanto visual, auditivo, tanto cadeirante. Objetivo desse trabalho foi avaliar, comparativamente, por intermédio de entrevistas aos gestores e pesquisa in situ, os programas de educação ambiental e as atividades de visitação às trilhas interpretativas, em especial pelos visitantes com deficiência visual, em três unidades de conservação no Estado do Rio de Janeiro. Para as entrevistas, foram confeccionadas questões relativos a cada Unidade de Conservação e as trilhas que foram estudadas. Além disso houve a realização de uma vivência com os deficientes visuais do Instituto Benjamin Constant (IBC) em uma das Unidades e também foram extraídas impressões através de material fotográfico por trabalho de campo. Foi constatado que nas Unidades que apresentam trilhas adaptadas, ainda há problemas de falta de manejo adequado e com maior frequência, falta de pessoal técnico-administrativo qualificado a nível qualitativo e quantitativo para poder atuar nessas trilhas em especial. Também foi notório o fato do o gestor do Parque Estadual da Pedra Branca não pretender adaptar trilha do Rio Grande para atender o público deficiente, mesmo ela sendo a única pensada como uma trilha interpretativa. Evaluation of Environmental Education tracks interpretative inclusive in Rio de Janeiro state (Brazil) ABSTRACT Ecotourism is tourism's fastest growing segment in the world, according to the World Tourism Organization (UNWTO). Some factors to this growth should be taken into consideration, such as the need for physical rest, the desire to see new places and output of large urban centers. Ecotourism in natural environments stand out tracks. The trails and sensory gardens are part of the few activities for the visually impaired when treating activities in natural areas. The disabled of forgetfulness is easily noticeable because of the lack of activities that may include people with disabilities in this country, particularly in natural parks, which could be offered adequate infrastructure that can house these activities aimed at the inclusion of disabled people is both visual, auditory, both wheelchair. Objective of this study was to compare, through interviews with managers and research in situ, environmental education programs and visitation activities to interpretive trails, especially for visually impaired visitors in three protected areas in the State of Rio de Janeiro. For interviews, questions for each protected area and the trails that have been studied were prepared. Plus there was the realization of an experience with the visually impaired of the Benjamin Constant Institute (IBC) in one of the units and were also drawn prints by photographic material for fieldwork. It was found that the units that have adapted trails, there are still problems of lack of proper management and more often, lack of technical and administrative personnel qualified to qualitative and quantitative level to be able to act on these trails in particular. It was also notorious the fact that the Pedra Branca State Park do not want to adjust track the Rio Grande to serve the poor public, even though she was the only thought of as an interpretive trail. KEYWORDS: Environmental Education; Visually Impaired; Ecotourism.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sthefani Rosa Nascimento, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Graduado e Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Vivian Castilho da Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Doutora e Professora Adjunto do Departamento de Geografia Física, Instituto de Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

28.02.2017

Como Citar

Nascimento, S. R., & Costa, V. C. da. (2017). Avaliação da Educação Ambiental em trilhas interpretativas inclusivas no Estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 10(1). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2017.v10.6602
##plugins.generic.dates.received## 2016-09-29
##plugins.generic.dates.accepted## 2017-03-03
##plugins.generic.dates.published## 2017-02-28

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2