Contato (1997): a imaginação e o conhecimento científico.

  • Ivy Judensnaider Doutoranda no PECIM-Unicamp e docente na UNIP - Universidade Paulista
  • Fernando Santiago dos Santos (Professor Associado do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, campus São Roque e Professor Colaborador do PECIM-Unicamp)
Palabras clave: filme de ficção científica, ciência moderna, conhecimento científico.

Resumen

O “fazer científico” moderno pauta-se, invariavelmente, em um esquema procedimental que se articula à observação e à experimentação, negando formas de conhecimento que não atendam a seus princípios epistemológicos e de racionalidade metodológica. Criação e imaginação são campos raramente discutidos entre a comunidade científica, sendo, até, considerados inadequados. A crise da pós-modernidade coloca em xeque, até certo ponto, esta hegemonia da racionalidade e do conhecimento matematizável, coluna de sustentação da abstração dos fenômenos da natureza. Propomo-nos a discutir, com base no filme Contato (1997), de Zemeckis, que a imaginação e a experiência pessoal da protagonista, a cientista Ellie, podem ser elementos importantes – e por que não fundamentais? – da construção do conhecimento científico. A narrativa e a trama desta obra fílmica fazem-nos refletir sobre três argumentos plausíveis: prova da mentira, prova da verdade e prova da impossibilidade. Afinal, faz-se ciência somente com base em fatos observáveis, ou também é possível fazer ciência com base na imaginação? Este artigo tenta discutir esta possibilidade.

Publicado
2018-08-03
Cómo citar
Judensnaider, I., & Santos, F. S. dos. (2018). Contato (1997): a imaginação e o conhecimento científico. Prometeica - Revista De Filosofía Y Ciencias, (17), 77-85. https://doi.org/10.24316/prometeica.v0i17.231