O gesto do selfie: seria o selfie um Nachleben?

  • Leão Serva Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Norval Baitello Jr. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palabras clave: Aby Warburg, selfie, Nachleben der Antike, Vitalidade das formas antigas, autorretrato, gesto

Resumen

A epidemia do selfie no século 21 pode ser apenas a continuidade, potencializada por uma tecnologia nova, de movimentos humanos presentes desde a Antiguidade. Gestos arcaicos considerados tanto no âmbito do desejo de expressar a identidade do autor de imagens diversas (como são os casos das mãos impressas em paredes de cavernas por autores de pinturas rupestres), quanto no repertório propriamente da gestualidade humana expressiva de emoções. Este é o caso dos gestos de expressão do pathos vitorioso, por exemplo, como definiu o pensador alemão Aby Warburg (1866-1929) na transição do século 19 para o 20. Warburg dedicou-se a detectar a presença continuada de elementos da cultura antiga nos tempos posteriores, nos jogos infantis, nos mitos renovados, na composição pelos artistas do Renascimento de obras que usam imagens idênticas a outras, tantas gregas ou romanas, entre outras formas de manifestação que ele denominou Nachleben der Antike ou vitalidade das formas antigas. O conceito de Warburg parece encarnar-se no gestual da pessoa contemporânea que faz um selfie quando se vê a antiga estátua de Apolo, no Museu do Louvre, em que ele parece produzir um selfie depois de alcançar a vitória sobre a serpente Píton.. Warburg também inspira perguntas, como a que dá título a este texto: Será o selfie um Nachleben? Será que o movimento que fazemos para produzir uma autofotografia digital é uma manifestação da presença continuada de um gesto ancestral? 

Publicado
2018-08-03
Cómo citar
Serva, L., & Baitello Jr., N. (2018). O gesto do selfie: seria o selfie um Nachleben?. Prometeica - Revista De Filosofía Y Ciencias, (17), 86-92. https://doi.org/10.24316/prometeica.v0i17.228
Sección
Virtualidad y Espacios de Interacción Digital