La historicidad en la lectura colonial del cielo Tupinambá en el siglo XVII desde la perspectiva historiográfica de Ubiratan D’Ambrosio

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.34024/prometeica.2023.28.15871

Palabras clave:

enseñanza de las ciencias, historia de las ciencias, programa de etnomatemáticas, astronomía Tupinambá

Resumen

En este trabajo, sostenemos que la propuesta historiográfica de Ubiratan D’Ambrosio (1932-2021), presente en su Programa de Etnomatemática, es capaz de apoyarnos en los procesos de valoración de la historicidad y la diversidad cultural brasileñas. A partir de una investigación teórica, con un enfoque cualitativo y bibliográfico, utilizamos algunos aspectos de la perspectiva de D'Ambrosio para estudiar un episodio histórico del siglo XVII, a partir de la traducción de un libro publicado en 1614 por un misionero francés, que participó en el proyecto de colonización de Brasil en lo que se conoció como Francia Equinoccial. En este sentido, al final presentamos una discusión de tres extractos de esta traducción que demuestran el conocimiento astronómico de un grupo tupinambá que vivió en Maranhão en esa época. Con esto, buscamos ofrecer subsidios para que profesores de Ciencias y Física implementen propuestas en la Educación Básica desde la perspectiva de Historias de las Ciencias especializadas, buscando evitar estereotipos y enfoques ingenuos, para cumplir, por ejemplo, con la Ley 11.645/2008, que requiere la inclusión de estudios sobre la historia y la cultura afrobrasileña e indígena en todo el currículo escolar de Brasil.

Métricas

Cargando métricas ...

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Alves-Brito, A. (2023). Cosmopolíticas da tradução: a potência epistêmica das literaturas negras e indígenas. Organon, 38(75).

Alvim, M. H., & Zanotello, M. (2014). História das ciências e educação científica em uma perspectiva discursiva: contribuições para a formação cidadã e reflexiva. Revista Brasileira de História da Ciência, 7(2), 349-359.

Bagdonas, A., Zanetic, J., & Gurgel, I. (2014). Controvérsias sobre a natureza da ciência como enfoque curricular para o ensino da física: o ensino de história da cosmologia por meio de um jogo didático. Revista Brasileira de História da Ciência, 7(2), 242-260.

Barros, V. P., & Ovigli, D. F. B. (2014). As diferentes culturas na educação em astronomia e seus significados em sala de aula. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia - RELEA, (18), 103-118.

Batista, R. F. M., & Silva, C. C. (2018). A abordagem histórico-investigativa no ensino de ciências. Estudos Avançados, 32(94), 97-110.

Cardoso, M. L. D. (2018). Fotossíntese no século XVIII: Uma abordagem histórico-investigativa de conceitos científicos e aspectos da natureza das ciências. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do ABC, Santo André, SP, Brasil.

Cardoso, W. T. (2020). Constelações, enchentes, verões e invernos no Alto Rio Negro. Cosmovisiones/Cosmovisões, 1, 122-137.

Cortina, A. (2007). Ethica cordis. Isegoría, (37), 113-126.

D’Abbeville, C. (1874) História da Missão dos Padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão e suas Cirncunvisinhanças. (Marques, C.A., Trad.).

D’Abbeville, C. (1614). Histoire de la mission des pères capucins en l'isle de Marignan et terres circonvoisines où est traicté des singularitez admirables & des moeurs merveilleuses des indiens habitans de ce pais.

D’Ambrosio, U. (2021). Bases Historiográficas e Metodológicas para uma História e Filosofia das Ciências na América Latina. Revista História da Matemática para Professores, 7(1), 14-25.

D´Ambrosio, U. (2020). Etnomatemática – elo entre as tradições e a modernidade (6a ed). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

D´Ambrosio, U. (2004). Tendências historiográficas na história da ciência. In A. M. Alfonso-Goldfarb & M. H. R. (Org.) Escrevendo a história da ciência: tendências, propostas e discussões historiográficas. (pp. 165-200). São Paulo: EDUC.

De Mello Forato, T. C.;,De Lima, I. P. C., & Ferreira, G. K. (2023). History of physics and socioscientific issues: Approaching gender and social justice. In M.F. Tasar & P. Heron (Ed). The International Handbook of Physics Education Research: Physics Education Research Special Topics. (pp. 8-30). New York: AIP Publishing.

Ferreira, G. K. (2018). Reflexões sobre a natureza da ciência: configurações e intenções na formação de professores de física. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Forato, T. C. M. (2009). A natureza da ciência como saber escolar: um estudo de caso a partir da história da luz. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Gomes, J. L. A. M. C. (2013) Conceito de calor: Contexto Histórico e Proposta para Sala de Aula. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, PB, Brasil.

Goulart, S. M. (2005). História da ciência: elo da dimensão transdisciplinar no processo de formação de professores de ciências. In J. C. Lib Neo & A. Santos (Orgs.). Educação na era do conhecimento em rede e transdisciplinaridade. (pp. 203-213). Campinas: Alínea, 2005.

Gurgel, I. (2020). Reflexões político-curriculares sobre a importância da história das ciências no contexto da crise da modernidade. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 37(2), 333-350.

Hidalgo, J. F. M. (2009). Discutindo a natureza da ciência na formação de professores: desafios e perspectivas. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, (extra), 3182-5.

Höttecke, D., & Silva, C. C. (2011). Why implementing history and philosophy of science in school science education is a challenge: an analysis of obstacles. Science & Education, 20 (3/4), 293-316.

Jafelice, L. C. (2015). Astronomia cultural nos ensinos fundamental e médio. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia, (19), 57-92.

Jensen, G. M. (2016). Charles Darwin (1809-1882) e os peixes elétricos: história e natureza da Ciência no ensino de ciências na Educação de Jovens e Adultos. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Judensnaider, I., & Santos, F. S. (2019). A inclusão de elementos filosóficos e históricos no ensino de ciências: entre NOS (Nature Of Science) e FOS (Features Of Science). In: S.F.M. Figueirôa. (Org.). História e Filosofia das Ciências da Natureza e da Matemática: Ensino, Pesquisa e Formação de Professores. (1ed, pp. 40-67). São Paulo: Hipótese.

Leal, K. P., & Forato, T. C. M. (2021). As garotas do rádio e sua busca por justiça e dignidade: possibilidades de abordagens históricas para o ensino de ciências. Revista Brasileira de História da Ciência, 14(2), 252-275.

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF. Recuperado em 18 setembro, 2023, de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Lei n° 11.645, de 10 de Março de 2008. (2008). Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. Brasília, DF. Recuperado em 18 setembro, 2023, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm

Lima, I. P. C. (2019). Lise Meitner e a Fissão Nuclear: Caminhos para uma narrativa feminista. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Lima, F. P., & Nader, V. R. (2019). Astronomia cultural: um olhar decolonial sobre e sob os céus do Brasil. Revista Scientiarum Historia, 2, 2-8.

Lima, F. P., Barbosa, P. F., D’olne Campos, M., Jafelice, L. C., & Borges, L. C. (2013). Astronomia indígena: relações céu-terra entre os indígenas no Brasil: distintos céus, diferentes olhares. In O. T. Matsuura (Org.). História da Astronomia no Brasil. (cap. 3, pp. 85-128). Recife: Companhia Editora de Pernambuco.

Lima, F. P., & Moreira, I. C. (2005). Tradições astronômicas tupinambás na visão de Claude d’Abbeville, Revista da SBHC, 3, 4-19.

Lima, F. P. (2004). Observações e descrições astronômicas de indígenas brasileiros - A visão dos missionários, colonizadores, viajantes e naturalistas. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Martins, A. F. P. (2007). História e Filosofia da Ciência no Ensino: Há muitas pedras nesse caminho... Caderno Brasileiro de Ensino de Física. 24(1), 112-131.

Martins, R. A. (2006). Introdução. A história das ciências e seus usos na educação. In C.C. Silva (ed.). Estudos de história e filosofia das ciências: subsídios para aplicação no ensino (pp. xxi-xxxiv). São Paulo: Livraria da Física.

Martins, R. A. (2010). Seria possível uma história da ciência totalmente neutra, sem qualquer aspecto whig? Boletim da História e Filosofia da Biologia, 4(3), 4-7.

Matthews, M. R. (1995). História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 12(3), 164-214.

Moura, B. A. (2014). O que é natureza da ciência e qual sua relação com a história e filosofia da ciência? Revista Brasileira de História da Ciência, 7, 32-46.

Oliveira, R. D. V. L. (2017). A formação de professores de ciências em uma perspectiva de educação em direitos humanos. Tese de Doutorado, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Oliveira; R. D. V. L., & Queiroz, G. R. P. C. (2017). Conteúdos Cordiais: Química Humanizada para uma Escola sem Mordaça. São Paulo: Livraria da Física.

Oliveira, R. D. V. L., & Queiroz, G. R. P. C. (2016). Professores de Ciência como Agentes Socioculturais e Políticos: A Articulação Valores Sociais e a Elaboração de Conteúdos Cordiais. Revista Debates Em Ensino De Química, (2),14–31.

Porto, P. A. (2019). História e Filosofia da Ciência no Ensino de Química: em busca dos objetivos educacionais da atualidade. In W. L. P. Santos, O. A. Maldaner, & P. F. L. Machado (org.). Ensino de Química em Foco. 2 ed. Ijuí: Editora Unijuí.

Pereira, L. S., Santana, C. Q., & Brandão, L. F. S. P. (2019). O apagamento da contribuição feminina e negra na ciência: reflexões sobre a trajetória de Alice Ball. Cadernos de Gênero e Tecnologias, Curitiba, 12(40), 92-110.

Prestes, M. E. B., & Caldeira, A. M. A. (2009). Introdução: A importância da história da ciência na educação científica. Filosofia e História da Biologia, 4, 1-16.

Robilotta, M. (1988). O Cinza, O Branco e o Preto - da Relevância da História da Ciência no Ensino da Física. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 5(especial), 7-22.

Rosa, K., Alves-Brito, A., & Pinheiro, B. C. S. (2020). Pós­verdade para quem? Fatos produzidos por uma ciência racista. Caderno Brasileiro de Ensino de Física. 37(3), 1440­1468.

Santos, A. G. F., Oliveira, R. D. V. L., & Queiroz, G. R. P. C. (2021). Conteúdos Cordiais: Física Humanizada para uma Escola sem Mordaça. São Paulo: Livraria da Física.

Santos, D. J. S., & Forato, T. C. M. (2023). Astronomia nas culturas: discutindo influências de lentes culturais nas interpretações sobre os céus dos Tupinambás nos seiscentos. In I. Gurgel (Org.) Por que confiar nas ciências? Epistemologias para o nosso tempo (pp. 313-366). São Paulo: Editora Livraria da Física.

Schmiedecke, W. G., & Porto, P. A. (2014). Uma abordagem da história da energia nuclear para a formação de professores de física. Revista Brasileira de História da Ciência, 7(2), 232-241.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez.

Silva, C. C. (org.). (2006). Estudos de história e filosofia das ciências: subsídios para aplicação no ensino. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Silveira, F. L., & Peduzzi, L. O. Q. (2006). Três episódios de descoberta científica: da caricatura empirista a uma outra história. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 23(1), 26-52.

Soares, L. M., Valadares, J. M., & Cardoso, W. C. Astronomia nas culturas: uma formação baseada na educação de Paulo Freire. In M.S. Villagómez, G. Salinas, S. Granda, G. Czarny, C. Navia (Coord). Repensando pedagogías y prácticas interculturales en las Américas. (pp. 203-232). Quito-Ecuador: Editorial Universitaria Abya-Yala.

UNESCO. (2001). Universal Declaration on Cultural Diversity. Adopted by the 31st Session of the General Conference of UNESCO. Paris.

Publicado

2023-11-11

Cómo citar

Souza Santos, D. J. ., & de Mello Forato, T. C. . (2023). La historicidad en la lectura colonial del cielo Tupinambá en el siglo XVII desde la perspectiva historiográfica de Ubiratan D’Ambrosio. Prometeica - Revista De Filosofía Y Ciencias, 28, 124–135. https://doi.org/10.34024/prometeica.2023.28.15871
##plugins.generic.dates.received## 2023-11-05
##plugins.generic.dates.accepted## 2023-11-06
##plugins.generic.dates.published## 2023-11-11

Artículos similares

> >> 

También puede {advancedSearchLink} para este artículo.