Qualidade do sono em indivíduos com traumatismo raquimedular

Autores

  • Rafael Gustavo Alves Fisioterapeuta, Universidade Metodista de São Paulo
  • Sissy Veloso Fontes Fisioterapeuta, Professora de Educação Física, Mestre em Neurociências e Doutora em Ciências pela UNIFESP, Docente da UMESP e UNISANTA
  • Luciane Bizari Coin de Carvalho Psicóloga do Setor de Neuro-Sono dos Departamentos de Neurologia e Medicina Baseada em Evidências da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP
  • Gilmar Fernandes do Prado Neurologista, Chefe do Laboratório de Sono dos Departamentos de Neurologia e Medicina Baseada em Evidências da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP

DOI:

https://doi.org/10.4181/RNC.2005.13.178

Palavras-chave:

Lesões da Medula Espinhal, Sono, Distúrbios do Sono

Resumo

Introdução: Indivíduos com traumatismo raquimedular apresentam diversas alterações em suas vidas. No entanto, a característica do sono desses indivíduos é pouco estudada. Objetivo: Observar a prevalência de distúrbios do sono e a característica do sono em indivíduos com traumatismo raquimedular completo. Método: Os participantes do estudo (n= 28), 14 com traumatismo raquimedular (Grupo Estudo, GE) e 14 sem (Grupo Controle, GC), responderam a um questionário sobre distúrbios do sono e preencheram diário do sono durante 56 dias. As vaiáveis referentes ao questionário foram analisadas utilizando-se o qui-quadrado e as do diário do sono com o teste-t de Student. Resultados: Dois indivíduos do GE (14%) apresentaram sono insuficiente, um (8%) Atraso de Fase, um (8%) Síndrome das Pernas Inquietas, dois (14%) Movimentos Periódicos de Membros (PLMS). Esses resultados não foram diferentes dos apresentados pelo GC. O GE mostrou tempo total de sono com 62min a mais (p= 0,03), um repouso de 172min a mais (p= 0,01) e maior permanência na cama de 85min a mais (p= 0,02) do que o GC. Conclusão: Os indivíduos com traumatismo raquimedular apresentaram mais tempo total de sono, repouso e cochilos em relação ao GC.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ceresér CC, Weidlich J, Martinez D, Zorzi L, Manoela JC. Sono: qual é a sua funçäo? Sleep functions. Rev med PUCRS 1999; 9: 257-61.

Roth T. Characteristics and Determinants of Normal Sleep. J Clin Psychiatr 2004; 65: 8-11.

Dogan O, Ertekin S, Dogan S. Sleep quality in hospitalized patients. J Clin Nurs 2005; 14: 107-113.

Machado ABM; Neuroanatomia Funcional. Rio de Janeiro: Atheneu; 1993.

Ahn SH, Park HW, Lee BS, et al. Gabapentin effect on neurophatic pain compared among patients with spinal cord injury and different durations of symptoms. Spine 2003; 28: 341-46.

Freed MM. Lesões Traumáticas e Congênitas da Medula Espinhal. In: Kotte FJ et al. (eds). Tratado de Medicina Física e Reabilitação de Krusen. V2, 4º ed. São Paulo: Manolo, 1994; 709-38.

Carvalho SAD, Andrade MJ, Tavares MA, Freitas JLS. Spinal cord injury and psycological response. GenHosp Psychiatr 1998; 20: 353-59.

Bombardier CH, Richards JS, Krause JS, Tulsky D, Tate DG. Symptoms of major depression in people with spinal cord injury: Implications for screening. Arch Phys Med Rehabil 2004; 85: 1749-1756.

Pereira VC, Fontes VF, Perez AJ, Fukujima MM. Protocolo de Tratamento Fisioterápico da Dinâmica Respiratória em Pacientes com Lesão Medular completa em Diferentes Níveis Cervicais e Torácico Baixo. Rev Neurociências 1998; 6: 81-85.

Biering-Sorensen F, Biering-Sorensen M. Sleep distur-bances in the spinal cord injured: an epidemiological questionnaire investigation, including a normal population. Spinal Cord 2001; 39:505-513.

Burns SP, Little JW, Hussey JD, Lyaman P, Lakshminarayanan S. Sleep Apnea Syndrome in Chronic Spinal Cord Injury: Associated Factors and Treatment. Arch Phys Med Rehabil 2000; 81: 1334-1339.

Berlowitz DJ, Brown DJ, Campbell DA, Pierce RJ. A longitudinal evaluation of sleep and breathing in the first year after cervical spinal cord injury. Arch Phys Med Rehabil 2005; 86:1193-1199.

Stockhammer E, Tobon A, Michel F, et al. Characteristics of sleep apnea syndrome in tetraplegic patients. Spinal Cord Injury 2002; 40:286-294.

Mello MT, Boscolo RA, Esteves AM, Tufik S. O exercício físico e os aspectos psicobiológicos. Rev Bras Med Esporte 2005; 11:203-207.

Wang TG, Wang YH, Tang FT, Lin KH, Lien IN. Resistive Inspiratory Muscle Training in Sleep-Disordered Breathing of Traumatic Tetraplegia. Arch Phys Med Rehabil 2002; 83:491-496.

Broderick CP, Radnitz CL, Bauman WA. Diazepam usage in veterans with spinal cord injury J Spinal Cord Med 1997; 20: 406-409.

Downloads

Publicado

2005-12-31

Como Citar

Alves, R. G., Fontes, S. V., Carvalho, L. B. C. de, & Prado, G. F. do. (2005). Qualidade do sono em indivíduos com traumatismo raquimedular. Revista Neurociências, 13(4), 178–182. https://doi.org/10.4181/RNC.2005.13.178

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

<< < 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >>