Tecnologia Assistiva na Distrofia Muscular de Duchenne

Aplicabilidade e Benefícios

  • Flávia Cristina Carbonero Fisioterapeuta, Faculdade Anhanguera de Campinas, Campinas-SP, Brasil.
  • Gabriela Mariotoni Zago
  • Denise Campos Fisioterapeuta, Professora Doutora, Docente do Curso de Fisioterapia da Faculdade Anhanguera de Campinas, Membro do Grupo Interdisciplinar de Avaliação do Desenvolvimento Infantil (GIADI), Campinas-SP, Brasil.
Palavras-chave: Distrofia Muscular de Duchenne, Doenças Neuromusculares, Fisioterapia, Reabilitação, Tecnologia Assistiva

Resumo

A Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) é a doença neuromuscu­lar mais frequente em crianças, com incidência de 1 para cada 3.500 recém nascidos do sexo masculino. Trata-se de uma patologia progres­siva, causadora de limitação motora, perda da deambulação e óbito por volta da segunda década de vida. A Tecnologia Assistiva (TA) corresponde a uma ampla gama de serviços e equipamentos aplicados para minimizar os déficits funcionais de pessoas com deficiência. Ob­jetivo. O presente estudo teve como objetivo verificar os benefícios da TA em portadores da DMD. Método. Tratou-se de um trabalho de revisão de literatura. Foram utilizados livros e artigos publicados na base de dados lilacs, scielo e pubmed, nas línguas portuguesa e inglesa. Resultados. Foram selecionados 31 artigos científicos, 2 dissertações, 1 manual e 06 livros. Conclusão. Os estudos analisados mostraram a importância da prescrição e inclusão da TA no tratamento da DMD, pois tais recursos podem prevenir encurtamentos musculares, prorro­gar o tempo da marcha e, consequentemente, adiar o confinamento à cadeira de rodas e óbito precoce por complicações respiratórias.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Colnago EM, Drumond GC, Carvalho HZ, Matos IF, Thomaz JC, Zoghaib J, et al. Distrofia Muscular de Duchenne. Trabalho apresentado à Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória – EMESCAM. Vitória, 2006, p.4-32.

Hallum A. Doenças Neuromusculares. In: Umphred DA (Org.). Reabilitação Neurológica. 2. ed. São Paulo: Manole, 2004, p.384-436.

Santos NM, Rezende MM, Terni A, Hayashi MCB, Fávero FM, Quadros AAJ, et al. Perfil clínico e funcional dos pacientes com Distrofia Muscular de Duchenne assistidos na Associação Brasileira de Distrofia Muscular (ABDIM) - Functional and Clinical Profile of Duchenne muscular dystrophy patients attending the Brazilian Association of muscular dystrophy (ABDIM). Rev Neuroc 2006;14:15-22.

Caromano FA, Tanaka C, João SMA, Kamisaki AP, Yano KC, Ide MR. Correlação da massa e porcentagem de gordura com a idade na distrofia muscular de Duchenne. Fisioter mov 2010;23:221-7.

Pena FF, Rosolém FC, Alpino AMS. Contribuição da fisioterapia para o bem-estar e a participação de dois alunos com Distrofia Muscular de Duchenne no ensino regular - The contribution of physiotherapy for the well-being and participation of two students with Duchenne Muscular Dystrophy in regular school. Revista Brasileira de Educação Especial 2008;14:447-62.

Freeza RM, Silva SRN, Fagundes SL. Atualização do tratamento fisioterapêutico das distrofias musculares de Duchenne e de Becker. RBPS 2005;18:41-9. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2005.p41

Soares JL. Dicionário de Biologia: etimológico e circunstanciado. São Paulo: Scipione, 1993, p.124.

Fonseca JG, Machado MJF, Ferraz CLMS. Distrofia Muscular de Duchenne: Complicações respiratórias e seu tratamento. Ver Ciênc Méd 2007;16:109-20.

Reed UC. Doenças Neuromusculares; Jornal de Pediatria 2002;78(suppl. 1):89-103. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000700012

Gonçalves M, Dylewski V, Chaves ACX, Silva TM, Fávero FM, Fontes SV, et al. Qualidade de vida: análise comparativa entre crianças com distrofia muscular de Duchenne e seus cuidadores. Rev Neurocienc 2008;16:275-9.

Willing TN. Nutritional assessment in Duchenne Muscular Dystrophy. Dev Med Child Neurol 1993;35:1074-82. http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-8749.1993.tb07925.x

Pereira RPL, Ferreira MFA. Intervenção fisioterapêutica nas disfunções motoras relacionadas à marcha no portador de Distrofia Muscular de Duchenne. In: Livro de Memórias do V Congresso Científico Norte-nordeste – CONAFF, Maceió-Alagoas, 2008, p.56-63.

Moreira ASS, Araújo APQC. Não reconhecimento dos sintomas iniciais na atenção primária e a demora no diagnóstico da Distrofia Muscular de Duchenne. Rev Bras Neurol 2009;45:39-43.

Araújo APQC, Deco MC, Klôh BS, Costa MR, Góis FV, Guimarães AFCM. Diagnosis delay of Duchenne muscular dystrophy. Rev Bras Saúde Materno Infantil 2004;4:179-83.

Billard C, Gillet P, Signoret JL, Uicaut E, Bertrand P, Fardeau M, et al. Cognitive functions in duchenne muscular dystrophy: A reappraisal and comparison with spinal muscular atrophy. Neuromuscular Disorders 1992;2:371-8. http://dx.doi.org/10.1016/S0960-8966(06)80008-8

Edelstein JE, Bruckner J. Órteses: Abordagem clínica. Série Physio – Fisioterapia Pediátrica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006, p.1-212.

Silva DCB, Foronda FAK, Troster EJ. Ventilação não invasiva em pediatria. J Pediatr 2003;79(Supl 2):161-8.

Introdução à Tecnologia Assistiva (endereço na internet). Porto Alegre-RS: CEDI - Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil. (atualizado em:2010; acessado em: setembro de 2010). Disponível em: http://www.assistiva.com.br.

Longo AME, Moreno VMT. Evaluation of the quality of life of children with Duchenne’s progressive muscular dystrophy. Rev Neurol 2007;45:81-7.

Vandervelde L, Van den Bergh PY, Goemans N, Thonnard JL. Activity limitations in patients with neuromuscular disorders: a responsiveness study of the ACTIVLIM questionnaire. Neuromuscul Disord. 2009; 19:99-103. http://dx.doi.org/10.1016/j.nmd.2008.11.004

Stuberg W. Home accessibility and adaptive equipment in duchenne muscular dystrophy: a case report. Pediatr Phys Ther 2001;13:169-74. http://dx.doi.org/10.1097/00001577-200112000-00004 http://dx.doi.org/10.1097/00001577-200101000-00004

Oliveira PL, Melo KB, Lopez JV, Monteiro CF. Conversando sobre órteses: Uma intervenção ilustrativa e didática sobre orientações e cuidados. In: X Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VI Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba, 2006, p.660-4.

Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Secretaria de saúde do Rio Grande do Sul, Manual Operativo para a Dispensação e Concessão de Órteses, Próteses e Meios Auxiliares de Locomoção do Estado do Rio Grande do Sul. 2005, p.01–21.

Bakker JP, De Groot IJ, De Jong BA, Van Tol-De Jager MA, Lankhorst GJ. Prescription pattern for orthoses in The Netherlands: use and experience in the ambulatory phase of Duchenne muscular dystrophy. Disabil Rehabil 1997;19:318-25. http://dx.doi.org/10.3109/09638289709166545

Garralda ME, Muntoni F, Cunniff A, Caneja AD. Knee-ankle-foot orthosis in children with duchenne muscular dystrophy: user views and adjustment. Eur J Paediatr Neurol 2006;10:186-91. http://dx.doi.org/10.1016/j.ejpn.2006.07.002

Ziter FA, Allsop KG. The value of orthoses for patients with Duchenne muscular dystrophy. Phys Ther 1979; 59:1361-5.

Vignos PJ, Wagner MB, Karlinchak B, Katirji B. Evaluation of a program for long-term treatment of Duchenne muscular dystrophy: Experience at the University Hospitals of Cleveland. Medline. The Journal of Bone and Joint Surgery [serial on the internet]. 1996;78:1844-52.

Peduto MDC. Acometimento da força e da funcionalidade dos membros superiores em pacientes com Distrofia Muscular de Duchenne em corticoterapia (dissertação). São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 2008, 02-85p.

Koo B, Montes J, Gamarnik V, Yeager K, Marra J, Dunaway S, et al. Design and evaluation of a hybrid passive and active gravity neutral orthosis (GNO). Conf Proc IEEE Eng Med Biol Soc. 2009; 1:1573-6.

Teixeira E, Oliveira MC, Santos LSB, Sauron FN. Terapia Ocupacional na Reabilitação Física. São Paulo: Roca, 2003, p.1-571.

Wagner MB, Vignos PJ Jr, Carlozzi C, Hull AL. Assessment of hand function in Duchenne muscular dystrophy. Arch Phys Med Rehabil 1993;74:801-4. http://dx.doi.org/10.1016/0003-9993(93)90004-T

Heller KD, Forst R, Forst J, Hengstler K. Scoliosis in Duchenne muscular dystrophy: aspects of orthotic treatment. Prosthet Orthot Int 1997;21:202-9.

Bach, JR. Evolução natural. In: Bach JR. Guia de exame e tratamento das doenças neuromusculares. São Paulo: Santos, 2004, p.5-11.

Pellegrini N, Guillon B, Prigent H, Pellegrini M, Orlikovski D, Raphael JC, et al. Optimization of power wheelchair control for patients with severe Duchenne muscular dystrophy. Neuromuscul Disord 2004;14:297-300. http://dx.doi.org/10.1016/j.nmd.2004.02.005

Bastos VA, Dutra FCM. Atuação da fisioterapia na escola visando o deficiente físico. In: Moura EW, SILVA PAC (Org.). Aspectos Clínicos e Práticos da Reabilitação. São Paulo: Artes Médicas, 2005, p.657-67.

Lorenzini MV. O papel do Fisioterapeuta em Classe Especial de Crianças Portadoras de Deficiência Física. Fisioter Mov 1992;4:17-25.

Tagliari C, Três F, Oliveira SG. Análise da acessibilidade dos portadores de deficiência física nas escolas da rede pública de Passo Fundo e o papel do fisioterapeuta no ambiente escolar. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento 2009;9:76-91.

Ramos FAB, Ordonho MC, Pinto TCVR, Lima CA, Vasconcelos CR, Lins e Silva DA. Força muscular e peak flow em pacientes com distrofia do tipo Duchenne. Pulmao. 2008;17:81-6.

Miranda MCSM, Stanich P. Estado nutricional de portadores de Distrofia Muscular de Duchenne: Diagnóstico e intervenção. Rev Bras Obes Nut Emag 2007;1:1-10.

Strehle EM. Manejo de longo prazo em crianças com transtornos neuromusculares. J Pediatr 2009;85:379-84.

Publicado
2012-03-31
Como Citar
Carbonero, F. C., Zago, G. M., & Campos, D. (2012). Tecnologia Assistiva na Distrofia Muscular de Duchenne. Revista Neurociências, 20(1), 109-116. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8310
Seção
Artigos de Revisão