De um saber seguro de si a insegurança do saber

a História Pública como movimento de reflexão epistemológica

  • Yan Bezerra Fonseca Universidade Federal Rural Do Rio de Janeiro
Palavras-chave: crise da História, história pública, teoria da história e historiografia

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão sobre os historiadores e a historiografia nas sociedades informacionais contemporâneas. Confrontados por uma realidade na qual somos rodeados por um persistente redemoinho semiótico caótico, a historiografia disciplinar e seus principais interlocutores, os historiadores, são afetados por uma profunda crise epistêmica. A História “útil para a vida”, tal qual descrita pelo pensamento nietzschiano , um saber dotado da capacidade de fornecer aos homens o substrato de suas ações no mundo ao qual pertencem, parece evanescer cada vez mais em meio a um cenário de negações, negacionismo, apropriações toscas e desafios à pretensa autoridade daqueles que a ela dedicam sua vida e suas penas. Nesse movimento, os historiadores, autoproclamados “guardiões da musa Clio”, parecem se voltar com maior intensidade a questões ligadas aos usos públicos e, portanto, políticos, que sofrem os passados por eles escritos. É em observação a esse panorama que surge a série de inquietações motivadoras deste artigo.

Referências

ABREU, Marcelo; RANGEL, Marcelo. Memória, cultura histórica e ensino de história. História e Cultura, Franca, v. 4, n. 2, p. 7-24, 2015.

ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. Fazer defeitos nas memórias: para que servem a escrita e o ensino da história? In: GONÇALVES, Márcia de Almeida et al. (org.). Qual o valor da história hoje? Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2012. p. 21-39.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BONA, Aldo Nelson. Paul Ricoeur e uma epistemologia da história centrada no sujeito. Orientador: Paulo Knauss de Mendonça. 2010. 209 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

BONA, Aldo Nelson. História, verdade e ética: Paul Ricoeur e a epistemologia da história. Guarapuava, PR: Ed. Unicentro, 2012.

BUCHEZ, Philippe. Introduction à la science de l’histoire – Ou science du développement de l’humanité. [s. l.]: [s. n.], 2016. (Collection XIX).

CATROGA, Fernando. Memória, história e historiografia. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2015.

CHARTIER. Roger. À beira da falésia: a história entre certezas e inquietude. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2002.

FRISCH, Michael. De A shared autority à cozinha digital, e vice-versa. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; MAUAD, Ana Maria; SANTHIAGO, Rodrigo (org.). História pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2015. p. 57-70.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural na esfera pública. Investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. São Paulo: Ed. Unesp, 2014.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HARTOG, F. Regimes de historicidade: presentismo e experiência do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos. O breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura e outros textos filosóficos. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/Ed. PUC-Rio, 2006.

LE GOFF, Jacques. Prefácio. In: BLOCH, Marc. Apologia da história ou O ofício de historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. p. 15-38.

LIDDINGTON, Jill. O que é história pública? In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; ROVAI, Marta (org.). Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2012. p. 31-52.

MAIA, Carlos Alvarez. A crise da história e a onda pós-estruturalista. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, n. 18, p. 50-65, 2018.

MALERBA, Jurandir. Acadêmicos na berlinda ou: como cada um escreve a história? Uma reflexão sobre o embate entre historiadores acadêmicos e não acadêmicos no Brasil à luz dos debates sobre public history. História da Historiografia, Mariana, n. 15, p. 27-50, 2014.

MALERBA, Jurandir. Os historiadores e seus públicos: desafios ao conhecimento histórico na era digital. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 37, n. 74, p. 135-154, 2017.

MONAY, Ana Carolina. SobreViver: a reelaboração da identidade de mulheres que passaram pela experiência da tortura na Ditadura Militar brasileira. Orientador: Daniel Pinha Silva. 2017. [n. d.]. Monografia (Graduação em História) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

NICOLAZZI, Fernando F. Muito além das virtudes epistêmicas: o historiador público em um mundo não linear. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, n. 18, p. 18-34, 2018.

NIETZSCHE, Friedrich. Segunda consideração intempestiva: da utilidade e desvantagem da história para a vida. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, São Paulo, v. 10, p. 7-28, 1993.

ORTEGA Y GASSET, José. Em torno a Galileu: esquema das crises. Petrópolis, RJ: Vozes, 1989.

RANGEL, Marcelo de Mello; ARAUJO, Valdei Lopes de. Apresentação: teoria e história da historiografia – do giro linguístico ao giro ético-político. História da Historiografia, Mariana, v. 17, p. 318-332, 2015.

RANGEL, M. M.; SANTOS, Fabio Muruci dos. Algumas palavras sobre giro ético-político e história intelectual. Revista Ágora, Vitória, n. 21, p. 7-14, 2015.

REIS, José Carlos. História e teoria: historicismo, modernidade, temporalidade e verdade. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2003.

RÜSEN, Jorn. Como dar sentido ao passado: questões relevantes de meta-história. História da Historiografia, Mariana, n. 2, p. 163-209, 2009.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo/Belo Horizonte: Companhia das Letras/UFMG, 2007.

SCHITTINO, Raquel. O conceito de público e o compartilhamento da história. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; MAUAD, Ana Maria; SANTHIAGO, Rodrigo (org.). História pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2015. p. 37-47.

TRAVERSO, Enzo. O passado, modos de usar: história, memória e política. Lisboa: Unipop, 2012.

WHITE, Hayden. A meta história. São Paulo: Edusp, 1992.

Publicado
2020-03-11
Como Citar
Bezerra Fonseca, Y. (2020). De um saber seguro de si a insegurança do saber. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(7), 132- 169. https://doi.org/10.34024/hydra.2019.v4.9915