Práticas diplomáticas e disputas políticas na correspondência entre D. João III e seus embaixadores em Roma (1521-1557)

  • Raphael Barroso Universidade de São Paulo
Palavras-chave: D. João III; Diplomacia; História Moderna

Resumo

Com este trabalho, objetivamos apresentar alguns resultados de uma investigação em desenvolvimento sobre as singularidades diplomáticas entre Portugal e a Cúria romana durante o reinado de D. João III, entre 1521 a 1557. Nesse período, o governo português buscou aperfeiçoar seu aparelho administrativo criando novos órgãos e instituindo membros políticos. Nesse contexto, a partir da correspondência entre os embaixadores e o rei D. João III, disponível no Corpo Diplomático Português, nosso interesse é circunscrever as ações dos atores políticos durante as negociações com a Cúria romana. Os embaixadores D. Miguel da Silva e D. Martinho de Portugal buscaram garantir lugares futuros no consistório romano. Além deles, Braz Neto, Henrique de Meneses, Pedro de Souza de Távora, Pedro de Mascarenhas, Cristóvão de Souza, Baltasar de Faria e Afonso de Lencastre estiveram envolvidos em diversos conflitos com o rei pela posse de cargos. Acreditamos que essas disputas de interesses foram um dos fios condutores das relações entre Portugal e Roma, mas também das relações internas do reino, principalmente, entre rei e nobreza, haja vista que a escolha para determinados cargos era um grande anseio dos nobres da corte.

Referências

ALBUQUERQUE, Martin de. Estudos de Cultura Portuguesa. 3ª ed. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2002.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aúlico, anatomico, architectonico. Vol. 2. Coimbra/PT: Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728.

BRAGA, Isabel M. R. Mendes Drumond, Um Espaço, Duas Monarquias (Interrelações na Península Ibérica no Tempo de Carlos V). Lisboa: Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa; Hugin Editores, 2001.

BRANCA, Vittore. Nuova Collezione di Testi Umanistici Inediti o Rari. Florença/IT: Olschki, 1969.

BUESCU, Ana Isabel. Dom João III (1502-1557). Coletânea Reis de Portugal. Rio de Mouro/PT: Temas e Debates, 2008.

CHABOD, Federico. Escritos sobre El Renascimento. México: FCE, 1990.

CONCEIÇÃO, Adriana Angelita da; MEIRELLES, Juliana Gesueli (orgs.). Cultura escrita em debate: reflexões sobre o império português na América – séculos XVI a XIX. Jundiaí/SP: Paco, 2018.

ELIAS, Nobert; et al. Scientific Establishment and Hierarquies. Dordrecht: D. Rieder, 1982.

FORD, Jeremiah Denis Matthias. Letters of John III King of Portugal (1521-1557). Cambridge: Harvard University Press, 1931.

FRIGO, Daniela (org.). Politics and Diplomacy in Early Modern Italy. The Structure of Diplomatic Practice, 1450-1800. Londres: Cambridge University Press, 2000.

HERCULANO, Alexandre. História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal. Vol. 1. 8ª ed. Lisboa: Bertrand, 1875.

HESPANHA, António Manuel. Poder e Instituições na Europa no Antigo Regime: coletânea de textos. Lisboa: Fundação Caloustre Gulbenkian, 1984.

HESPANHA, António Manuel. Imbecillitas: As bem-aventuranças da inferioridade nas sociedades de Antigo Regime. São Paulo: Annablume, 2010.

LAZZARINI, Isabella. Communication and Conflict. Italian Diplomacy in the Early Renaissance, 1350-1520. Nova York: Oxford University Press, 2015.

LOPES, Paulo Catarino. Um agente português na Roma do Renascimento. Lisboa: Ciclo de Leitores/Temas e Debates, 2013.

MACÁRIO, Rui (org.). D. Miguel da Silva: a Obra ao Tempo. Viseu/PT: Museu de Grão Vasco; Projecto Património, 2015.

MARTINEZ, Pedro Soares. História Diplomática de Portugal. 3ª ed. Coimbra/PT: Almedina, 2010.

MATTINGLY, Garrett. Renaissance Diplomacy. Boston: The Riverside Press/Cambridge, 1955.

MATTINGLY, Garrett. “The First Resident Embassies: Medieval Italian Origins of Modern Diplomacy”. Speculum: A Journal of Medieval Studies. Vol. 12. Nº 4, 1937, pp. 423-439.

MATTOSO, José (org.). História de Portugal. No alvorecer da Modernidade. Vol. 3. Lisboa: Editorial Estampa, 1993.

MEGIANI, Ana Paula Torres. O Rei Ausente. Festa e cultura política nas visitas dos Filipes a Portugal. 1581 e 1619. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2004.

ORDENAÇÕES DO SENHOR DOM MANUEL I. Livro III. Lisboa: Real Imprensa da Universidade de Coimbra, 1797. Disponível em: http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/. Acesso em: 12 out. 2019.

PAIVA, José Pedro. Os Bispos em Portugal (1495-1777). Coimbra/PT: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2006

PALOMO, Federico. A Contra-Reforma em Portugal: 1540-1700. Lisboa: Livros Horizonte, 2006.

RODRIGUES, Rui Luis. Entre o dito e o maldito: Humanismo erasmiano, ortodoxia e heresia nos processos de confessionalização do Ocidente, 1530-1685. Tese de doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2012.

RODRIGUES, Rui Luis. “O processo de confessionalização e sua importância para a compreensão da história do Ocidente na primeira modernidade (1530-1650)”. Revista Tempo. Vol. 23. Nº 1, 2017, pp. 2-21.

RUSSO, Mariagrazia; ALESSANDRINI, Nuziatella. (orgs.). Di Buon Affetto e Commerzio. Relações Luso-italianas na Idade Moderna. Centro de História de Além-Mar, 2012.

SKINNER, Quentin. As fundações do pensamento político moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SIGNOROTTO, Gianvittorio; VISCEGLIA, Maria Antonietta (orgs.). Court and Politics and Papal Rome. 1492-1700. Londres: Cambridge University Press, 2002.

SILVA, Luís Augusto Rebello da; LEAL, José da Silva Mendes (orgs.). Corpo Diplomático Português, contendo os actos e as relações políticas e diplomáticas de Portugal com as diversas potências do mundo desde o século XVI até os nossos dias. Vols. 1-7. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa, 1862-1884.

SOUZA, Laura de Mello e; FURTADO, Júnia Ferreira; BICALHO, Maria Fernanda. O governo dos povos. São Paulo: Alameda, 2009.

VALENTIN, Carlos Manuel. Uma família de Cristãos-novos entre Douro e o Minho: Os Paz. Reprodução Familiar, Formas de Mobilidade Social, Mercancia e Poder (1495-1598). Dissertação de mestrado. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2007.

XAVIER, Ângela Barreto. “A maior empresa que nunca um príncipe cristão teve nas mãos: conquistar e conservar territórios no Indico nos tempos de Maquiavel”. Revista Tempo. Vol. 20, 2014, pp. 1-27.

Publicado
2020-03-11
Como Citar
Barroso, R. (2020). Práticas diplomáticas e disputas políticas na correspondência entre D. João III e seus embaixadores em Roma (1521-1557). Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(7), 247-273. https://doi.org/10.34024/hydra.2019.v4.9902