Desmonte ou reconstrução da Universidade?

Entre o Capital e a Democratização

  • Géssica Guimarães UERJ
  • Francisco Gouvea de Sousa Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Universidade; Neoliberalismo; Teoria da história.

Resumo

As universidades no Brasil, e não apenas por aqui, tem passado por diferentes crises, mas também por reconstruções. De um lado existe uma incidência cada vez maior do capital financeiro e monopolista na educação de uma forma geral, seguindo a lógica neoliberal pela qual o Estado é atravessado por interesses e instituições privadas. Por outro lado, há uma crise decorrente da democratização do acesso às universidades – principalmente por conta das políticas de afirmação (como cotas para negros e para estudantes de escolas públicas) – que tem produzido diferentes debates sobre as condições de funcionamento das universidades, os currículos em vigor, a postura dos professores, as bibliografias em debate, entre outros. O desmonte da universidade fala da incidência de políticas neoliberais sobre nós e da permanência de um tempo histórico moderno que se escandaliza, e por vezes nos paralisa quando nos vemos fora da rota do progresso. A ideia de uma reconstrução das universidades públicas no bojo deste cenário lida com as possibilidades de intensificação da democratização da universidade, atualmente ainda muito reduzida. Em outros termos, o tempo desta reconstrução seria outro, como uma experiência aberta à reformulação e perpassada por apenas uma constância: sem a ação não há horizonte.

Referências

AGUIAR, Vilma. Um balanço das políticas do governo Lula para a educação superior: continuidade e ruptura. Revista de Sociologia e Política. Vol. 24, n. 57, p. 113-126, mar. 2016.

ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. História e narrativa. MATTOS, Ilmar Rohloff de. Ler e escrever para contar: documentação, historiografia e formação do historiador. Rio de Janeiro: Access, 1998.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 1998.

CHAKRABARTY, Dipesh. Postcoloniality and the Artifice of History: Who Speaks for "Indian" Pasts? Representations. California. No. 37, Winter, p. 1-26, 1992.

CHAUI, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação. No. 24. Rio de Janeiro, Sept./Dec. 2003.

CISLAGHI, Juliana Fiuza. A trajetória histórica do ensino superior no Brasil: expansão e privatização da ditadura aos governos do PT. Ser social. Brasília, v. 21, n. 44, p. 134 – 151, 2019.

CORBUCCI, P.R. Financiamento e democratização do acesso à educação superior no Brasil: da deserção do Estado ao projeto de reforma. Educação & Sociedade, 25(88), p.677-701, 2004.

CRUZ, Andreia Gomes da. PAULA, Maria de Fátima Costa de. Capital e Poder a serviço da Globalização: os oligopólios da educação superior privada no Brasil. Avaliação. Campinas, vol 23, n.3, p.848-868, 2018.

CUNHA, Luiz Antônio. Autonomia universitária: teoria e prática. In: VESSURI, Hebe. Universidad e investigación científica. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Buenos Aires. Noviembre 2006.

_______. O legado da ditadura para a educação brasileira. Revista Educ. Soc., Campinas, v. 35, n. 127, p. 357-377, abr.-jun. 2014.

DERRIDA, Jacques. A Universidade sem condição. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

DOMANSKA, Ewa. Para além do antropocentrismo nos estudos históricos. Revista Expedições: Teoria da História & Historiografia. Vol. 4, n.1, Janeiro-Julho, p. 9-25, 2013.

GUIMARÃES, Géssica. A tragédia ática e o teatro de Schiller. Revista Ars Historica. Nº14, p. 80-101, Jan/Jun, 2017.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Escrever a História, Domesticar o Passado. LOPES, Antonio Hespanha. História e Linguagens. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006, pp. 45-58.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF, Martins Fontes, 2013.

INEP. Sinopse Estatística da Educação Superior 2018.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise. Rio de Janeio: EdUERJ/Contraponto, 1999.

LIMA, Marcelo, MACIEL, Samanta Lopes. A reforma do Ensino Médio do governo Temer: corrosão do direito à educação no contexto de crise do capital no Brasil. Rev. Bras. Educ. vol.23, p. 1 – 25, 2018.

LUHMANN, Niklas. Introdução à teoria dos sistemas. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

MANCEBO, Deise; SILVA JUNIOR, João dos Reis; SCHUGURENSKY, Daniel. A educação superior no Brasil diante da mundialização do capital. Educ. rev. Belo Horizonte. vol.32, n.4, pp.205-225, 2016.

MATOS, Marlise. Teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Estudos Feministas. Florianópolis, 16(2): 440, maio-agosto, 2008.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios. Revista do ppgav/eba/ufrj, n. 32, dezembro 2016, p. 123 – 151.

MENDONÇA. Ana Waleska. A Universidade no Brasil. Revista Brasileira de Educação. Nº 14Mai/Jun/Jul/Ago, p. 131- 150, 2000.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 32, n° 94, junho de 2017.

MUDROVCIC, María Inés. Regímenes de historicidad y regímenes historiográficos: del pasado histórico al pasado presente. Historiografías. No. 5, Enero-Junio, pp.11-31, 2013.

NICOLAZZI, Fernando. Muito além das virtudes epistêmicas: o historiador público em um mundo não linear. Revista Maracanã. Rio de Janeiro, v. 1, p. 18-34, 2018.

OLIVEIRA, João Ferreira de. MORAES, Karine Nunes de. Produção do conhecimento na universidade pública no Brasil: tensões, tendências e desafios. Educação em Revista. Belo Horizonte, v.32. n.04, p. 73-95, Outubro-Dezembro, 2016.

PAULA, M.F. Reforma da educação superior do Governo Lula: as políticas de democratização do acesso em foco. Revista Argentina de Educacion Superior, 1(1), pp.152-172, 2009.

PINTO BRITO, Lydia María. CARTAXO DE CASTRO, Ahiram Brunni. Universidades Corporativas: quando o saber construído pela humanidade é substituído pelo conhecimento empresarial. Innovar. Bogotá, vol.29, n.72, pp.147-162, 2019.

PROST, Antoine. Os tempos da história. Doze lições de história. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014, pp. 95-114.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. LANDER, Edgardo (Organizador). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais.

Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, setembro de 2005.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte (MG): Letramento: Justificando, 2017.

RIBEIRO, Renato Janine. A Universidade e a vida atual. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2003.

ROBERTSON, Susan L. A estranha não morte da privatização neoliberal na Estratégia 2020 para a educação do Banco Mundial. Rev. Bras. Educ., vol.17, n.50, pp.283-302, 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade no século XXI. Para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. São Paulo: Cortez, 2004.

_______. Para além do pensamento abissal: das linhas gerais globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos. CEBRAP, no.79, São Paulo, Nov. p. 71- 94, 2007.

SILVA, Marielle Franco. UPP – a redução da favela a três letras: uma análise da política de seguraná pública do Estado do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2014.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

VERGER, Antoni. WTO/GATS and the Global Politics of Higher Education. Nova Iorque, Londres: Routledge, 2009.

ZANARDINI, Isaura Monica Souza. RODRIGUES, Fernando Oliveira. A educação superior nos governos Lula e Dilma: compreensão dos pesquisadores. Argumentos Pró-Educação, Pouso Alegre, v. 1, nº 3, p. 353 – 369, set. - dez., 2016.

Publicado
2020-03-11
Como Citar
Guimarães, G., & Sousa, F. (2020). Desmonte ou reconstrução da Universidade?. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(7), 103-131. https://doi.org/10.34024/hydra.2019.v4.9901