40 anos de Anistia entre o esquecimento e o negacionismo

revisitando a cobertura da imprensa

  • PET História Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Anistia, imprensa, memória

Resumo

Em virtude da efeméride dos 40 anos da Lei da Anistia numa conjuntura de crescimento do negacionismo referente ao período traumático e conflituoso da Ditadura iniciada com o Golpe de 1964, o grupo PET-História da Unifesp se propôs a produzir um guia de fontes hemerográficas sobre o tema. A Lei da Anistia, conforme sancionada, contribuiu para o silenciamento em torno das torturas e dos demais crimes cometidos pelo Estado. Silenciamento significativo para a construção do imaginário social sobre o período, sobretudo pelas narrativas elaboradas nos jornais da época, que são as fontes desse trabalho. Fragmentos das intensas disputas envolvidas no processo de tramitação e sanção da lei podem ser percebidos nas páginas dos periódicos. Sendo assim, o guia pretende reunir fontes que permitam a compreensão das disputas, narrativas e interesses que moldaram o processo histórico, visando instrumentalizar educadores e educandos, bem como ensejar discussões em sala de aula que possibilitem a análise crítica e, consequentemente, o enfrentamento dessas memórias.

Referências

BITTENCOURT, Circe. "Documentos não escritos em sala de aula". In: Ensino de história: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004, p. 353-407.

CAPELATO, Maria Helena. "A imprensa como fonte e objeto de estudo para o historiador". In: VILLAÇA, Mariana & PRADO, Maria Ligia Coelho (Org.). História das Américas: fontes e abordagens historiográficas. São Paulo: Humanitas: CAPES, 2015, p. 114-136.

HEYMANN, Luciana. O"devoir de mémoire" na França contemporânea: entre a memória, história, legislação e direitos. Rio de Janeiro: CPDOC, 2006.

FICO, Carlos. A negociação parlamentar da anistia de 1979 e o chamado “perdão aos torturadores”. Revista Anistia Política e Justiça de Transição, Brasília: Ministério da Justiça, n.4, jul./dez. 2010, p. 318-333.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura militar, esquerdas e sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

_____. Ditadura, anistia e reconciliação. Estudos Históricos (Rio de Janeiro) [online]. 2010, vol.23, n.45, pp.171-186. ISSN 0103-2186. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21862010000100008.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento: Justificando. Coleção: Feminismos plurais, 2017.

SALES, Jean Rodrigues. "Ditadura militar, anistia e construção da memória social". In: SILVA, Haike R. Kleber (Org.). A luta pela anistia. São Paulo: Editora UNESP/ Arquivo Público do Estado de São Paulo/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009, pp. 21-27.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. "A crise da ditadura militar e o processo de abertura política no Brasil, 1974-1985". In: FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (Orgs.). O tempo da ditadura: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, pp. 243-282. (O Brasil republicano; v. 4)

TODOROV, Tzvetan. Los abusos de la memoria. Barcelona: Paidós, 2000.

VIEIRA, Allana Meirelles; NEVES, Teresa Cristina da Costa. Memória autoritária: a ditadura brasileira em editoriais e artigos sobre os 50 anos do golpe. Ipotesi – Revista de Estudos Literários, (Juiz de Fora. Online) v. 19 n. 2 (2015) p. 42-52.

Publicado
2020-03-11
Como Citar
História, P. (2020). 40 anos de Anistia entre o esquecimento e o negacionismo. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(7), 366- 379. https://doi.org/10.34024/hydra.2019.v4.9875