O Historiador e o Engajamento Intelectual

Limites, Possibilidades e Dilemas Éticos nos Debates Públicos sobre a História

  • Danilo Linard Universidade Federal do Ceará - UFC
Palavras-chave: Engajamento Intelectual, Historiografia, Usos e Abusos

Resumo

Considerando os debates públicos sobre temas históricos/historiográficos, refletimos sobre a questão do engajamento intelectual em uma perspectiva histórica, teórica e conceitual. Nesse movimento, discutimos, ainda, como tal questão se impõe ao historiador, evidenciando os usos, os riscos de abuso, os limites e as possibilidades da adoção dessa postura. Em nossa perspectiva, a presente análise pode contribuir para que os profissionais que trabalham no campo da história, seja na pesquisa e / ou no ensino, tornem seu provável envolvimento nessas discussões mais fértil e relevante, afastando-se, portanto, de práticas inadequadas (ou negligentes) que podem causar danos não apenas a outros historiadores, mas também àqueles que consomem conteúdo e conhecimento históricos.

Biografia do Autor

Danilo Linard, Universidade Federal do Ceará - UFC

Doutor em História Social pela Universidade Federal do Ceará - UFC

Mestre em História pela Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Especialista e Graduado em História pela Universidade Regional do Cariri - URCA

Referências

BARROS, José D’Assunção. O campo da história: especialidades e abordagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

BBC BRASIL. O nazismo era um movimento de esquerda ou de direita? 2017. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/salasocial-39809236. Acesso em: 25 ago. 2019.

BBC BRASIL. Nazismo é de direita, define o museu do Holocausto visitado por Bolsonaro em Israel. 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47784368. Acesso em: 25 ago. 2019.

BERNARDO, A. Por que as pessoas estão tomando menos vacina. 16 dez. 2019. Disponível em: https://saude.abril.com.br/medicina/por-que-as-pessoas-estao-tomando-menos-vacina/. Acesso em: 21 fev. 2020.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

DE BAETS, Antoon. Responsible history. New York/Oxford: Berghahn Books, 2009.

DE BAETS, Antoon. Uma teoria do abuso da história. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 33, n. 65, p. 17-60, 2013.

DENIS, Benoît. Literatura e engajamento: de Pascal a Sartre. Bauru, SP: Edusc, 2002.

DUMOULIN, Olivier. O papel social do historiador: da cátedra ao tribunal. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

GIRARDET, Raoul. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

HOBSBAWM, Eric. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

JAPIASSU, Hilton. O mito da neutralidade científica. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

NETWORK OF CONCERNED HISTORIANS – NCH. Disponível em: http://www.concernedhistorians.org/content/home.html. Acesso em: 21 fev. 2020.

PRACONTAL, Michel de. A impostura científica em dez lições. São Paulo: Ed. Unesp, 2004.

PROST, Antoine. Doze lições sobre a história. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica: teoria da história – os fundamentos da ciência histórica. Brasília, DF: Ed. UnB, 2010.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais In: RÉMOND, R. (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2003. p. 231-271.

VIDAL-NAQUET, Pierre. Os assassinos da memória: “um Eichmann de papel” e outros ensaios sobre o revisionismo. Campinas, SP: Papirus, 1988.

Publicado
2020-03-09
Como Citar
Linard, D. (2020). O Historiador e o Engajamento Intelectual. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(7), 68-102. https://doi.org/10.34024/hydra.2019.v4.9719