Entre costumes e tipos

Uma análise de O Alienista de Machado de Assis

  • Mirna Brito Santana UNIFESP
Palavras-chave: História e Literatura, Saúde pública, Século XIX brasileiro

Resumo

O objetivo desse artigo é pensar nas últimas décadas do século XIX brasileiro e os discursos sobre razão, ordenamento social, modernização e progresso que começavam a ganhar fôlego sob a ótica científica. Para essa reflexão é utilizado como fonte o conto O Alienista de Machado de Assis, como crítica do literato sobre a cientificidade de seu tempo. Espera-se que o diálogo entre realidade e ficção crie compatibilidades, mas também dissonâncias que possam evidenciar a complexidade e contradições na definição de Brasil para os indivíduos desse tempo histórico.

Referências

Fonte

ASSIS, Machado. O Alienista. São Paulo: Ática, 1992.

Bibliografia

CHALHOUB, Sidney. Cidade Febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CRESTANI, Jaison Luís. Machado de Assis e o processo de criação literária: estudo comparativo das narrativas publicadas n’A Estação (1879-1884), na Gazeta de Notícias (1881-1884) e nas coletâneas Papéis avulsos (1882) e Histórias sem data (1884). 2011. 364 p. Tese (Doutorado em Letras). Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Assis, 2011.

CUNHA, Maria Clementina Pereira. Cidadelas da ordem: a doença mental na República. 1. reimp. São Paulo: Brasiliense, 2010.

GONÇALVES, Monique de Siqueira. Estado, medicina mental e sociedade no Segundo Reinado: reclusão e assistência a alienados na capital do Império do Brasil. Anais do XXVII Simpósio Nacional de História - conhecimento histórico e diálogo social. Natal: UFRN, 2013.

MURICY, Kátia. Introdução. A razão cética: Machado de Assis e as questões de seu tempo. São Paulo: Cia das Letras, 1988, p.13-49.

OLIVEIRA, William Vaz de. Discursos e práticas psiquiátricas no Brasil oitocentista: O hospício de Pedro II e o processo de medicalização da loucura. In: Anais do III Simpósio de História do Maranhão Oitocentista: Impressos no Brasil do século XIX. São Luís: UEMA, 2013, p. 1-12.

Publicado
2020-03-10
Como Citar
Santana, M. B. (2020). Entre costumes e tipos. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(7), 227-246. https://doi.org/10.34024/hydra.2019.v4.9714