Limpando o excesso de cinzas do passado para viver no presente:

Modos de pensar a memória e a História Oral em dois textos de Meneses (1992) e Portelli (2006)

  • Roger Camacho Barrero Junior Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • José dos Santos Costa Júnior Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Historiografia, Teoria da História, História e Memória

Resumo

Longe de ser uma produção que recupera um passado histórico, a memória consiste em todo um trabalho de produção com intenso investimento social de sentidos sobre as experiências passadas. Como as historiadoras e historiadores podem ler a memória como objeto da História? Por meio do diálogo com dois importantes estudiosos da relação história/memória, Alessandro Portelli e Ulpiano Bezerra de Meneses, o texto constrói uma reflexão de caráter teórico-conceitual sobre o lugar da memória na operação historiográfica. A memória pode ser tratada como objeto da história. Tal estatuto impõe a tarefa de situar temporalmente sua produção e a rede de relações em que ela se dá, além dos atores, fins e recursos materiais e simbólicos envolvidos em sua elaboração e gestão social. Fazer a História enquanto trabalho intelectual metodologicamente embasado requer o exercício heurístico, e eminentemente ético, de não naturalizar a memória, mas compreendê-la enquanto produção fisiológica, cultural e politicamente situada. Desnaturalizar a memória para elaborar a história permite multiplicar as leituras do passado e abrir novos olhares sobre o presente.

Biografia do Autor

Roger Camacho Barrero Junior, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando pelo departamento de História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mestre em História pela Universidade Fedral de São Paulo (Unifesp), bacharel e licenciado também em História pela mesma instituição. Estuda temas relacionados ao gênero, trajetórias de vida, partidos políticos e memória. Tem experiência como docente na educação pública e no Programa de Educação Tutorial (PET) do departamento de História da Unifesp. 

José dos Santos Costa Júnior, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando em História na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em História pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Licenciado em História pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Áreas de atuação: história do Brasil, história da infância, teoria e metodologia da história, historiografia brasileira.

Referências

Textos analisados

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. A história, cativa da memória?: para um mapeamento da memória no campo das Ciências Sociais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 34. São Paulo: Edusp, 1992.

PORTELLI, Alessandro. O massacre de Civitella Val di Chianna (Toscana: 29 de junho de 1944) mito, política e senso comum. In: AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

Bibliografia

AMADO, Janaína. O grande mentiroso: tradição, veracidade e imaginação em história oral. Projeto História, São Paulo n. 14, 1996.

ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Editora da Unicamp, 2011.

BOSI, Ecléa. Memória da cidade: lembranças paulistanas. Estudos avançados, v. 17, n. 47, p. 198-211, 2003.

CERTEAU, Michel. A escrita da história. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

COSTA, Cléria Botelho da. A escuta do outro: dilemas da interpretação. História Oral, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 47-65, jul./dez. 2014.

DELACROIX, Chistian; DOSSE, François e GARCIA, Patrick. Correntes históricas na França (séculos XIX e XX). Rio de Janeiro: Ed. da FGV; São Paulo: Ed. da Unesp, 2012.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Sete aulas sobre linguagem, memória e história. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

GRENDI. Eduardo. Microanálise e História Social. In: OLIVEIRA, Mônica Ribeiro de e ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de (orgs.). Exercícios de Micro-História. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2015.

HARTOG, François. Evidência da História: o que os historiadores veem. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

HOBSBAWM, Eric J. Sobre história. São Paulo: Cia. das Letras, 1998.

JOUTARD, Philippe. História Oral: balanço da metodologia e da produção nos últimos 25 anos. In: AMADO, Janaína e FERREIRA & Marieta de Moraes. Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

MEIHY, José C. Sebe Bom. Manual de História Oral. São Paulo: Loyola, 2005.

NORA, Pierre. Entre História e Memória: A problemática dos Lugares. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC – SP. Nº 10. São Paulo: Educ, 1981.

PASSERINI, Luisa. Storia e soggettività: le fonti orali, le memoria. Roma: La Nuova Italia, 1988.

PASSERINI, Luisa. Mitobiografia em História Oral. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC – SP. Nº 10. São Paulo: Educ, 1993.

PATAI, Daphne. Brazilian women speak: Contemporary life stories. Rutgers University Press, 1988.

PESAVENTO, Sandra. Cidade, espaço e tempo: reflexões sobre a memória e o patrimônio urbano. Cadernos do LEPAARQ (UFPEL), v. 2, n. 4, 2004.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, v. 2, nº 3, 1989.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, v. 5, n. 10, p. 200-215, 1992.

PORTELLI, Alessandro. Sonhos Ucrônicos: Memórias e Possíveis Mundos dos Trabalhadores. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC – SP. Nº 10. São Paulo: Educ, 1993.

PORTELLI, Alessandro. O que faz a história oral diferente. Projeto História, v. 14, 1997.

REVEL, Jacques. Microanálise e construção do social. In: REVEL, Jacques (org.). Jogos de Escalas: a experiência da Microanálise. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1998.

RICOEUR, Paul. O esquecimento e a persistência dos rastros. In. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alan François. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007, p. 436-450.

RÜSEN, Jörn. Razão Histórica. Teoria da História: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: Editora UnB, 2001.

TODOROV, Tzevtan. Los abusos de la memoria. Buenos Aires: Editorial Paidós, 2000.

THOMSON, Alistair. Recompondo memórias: questões sobre as relações entre a História Oral e as memórias. Projeto História, São Paulo, Vol. 15, 1997.

Publicado
2020-03-10
Como Citar
Barrero Junior, R. C., & Costa Júnior, J. dos S. (2020). Limpando o excesso de cinzas do passado para viver no presente:. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(7), 170-197. https://doi.org/10.34024/hydra.2019.v4.9705