A EMANCIPAÇÃO FEMININA NA IMPRENSA CARIOCA

UMA ANÁLISE SOBRE O SEXO FEMININO E ECHO DAS DAMAS (1875-1889)

  • Gabriela Bernardes Andrade Unifesp
Palavras-chave: Imprensa feminina, O Sexo Feminino, Echo das Damas.

Resumo

Na primeira metade do século XIX, emergiram no Brasil diversas figuras
femininas, influenciadas por ideias europeias sobre a posição da mulher na
sociedade, manifestando-se por certa igualdade entre gêneros. Nesse período,
lançaram-se na tarefa de atuar na imprensa dirigindo jornais de caráter militante, em
prol de melhores condições sociais e políticas para as mulheres. Este artigo analisa o
processo de emancipação feminina nos jornais O Sexo Feminino e Echo das Damas,
publicados entre 1875 e 1889, no Rio de Janeiro. Esses impressos foram fundados por
mulheres e tinham como objetivo central a discussão da importância da educação
e instrução profissional feminina no Brasil. A proposta consiste em investigar o papel
desses jornais, considerando-os não apenas como fontes, mas também como objetos
de estudo. Pretende-se colocar em perspectiva a multiplicidade de projetos
emancipatórios das mulheres no final do século XIX, observando a imprensa como
instrumento privilegiado de atuação.

Biografia do Autor

Gabriela Bernardes Andrade, Unifesp

Graduanda em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Bolsista de Iniciação Científica do PIBIC/CNPq. Desenvolvendo o projeto de pesquisa “O Sexo Feminino e o Echo das Damas: a luta pela emancipação feminina na imprensa carioca no final do século XIX”, sob orientação do Prof°. Dr. Denilson Botelho (UNIFESP).

Referências

REFERÊNCIAS
BARBOSA, Everton Vieira. Páginas de sociabilidade feminina: sensibilidade musical no Rio de Janeiro oitocentista. São Paulo: Alameda, 2018.
BASTOS, Maria Helena Camara. Educação Infantil e ensino intuitivo: a contribuição de Marie Pape-Carpantier (1815-1878). Conjectura: Filosofia e Educação, v. 15, n. 3, p. 14-46, 2010. BIBLIOTECA NACIONAL. Hemeroteca digital brasileira. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2019.
BICALHO, Maria Fernanda Baptista. O Bello Sexo: imprensa e identidade feminina no Rio de Janeiro em fins do século XIX e início do XX. In: COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina (Org.). Rebeldia e submissão: estudos sobre condição feminina. São Paulo: Vértice, 1989. p. 79-99
CHAGAS, Floriza Garcia. Álbum das Meninas, revista literária e educativa dedicada às jovens brasileiras: estudo de um impresso de Anália Franco (1898-1901). 187 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2016.
COUTO, Amélia Carolina da Silva. Carnet de Voyage. Echo das Damas: orgão dedicado aos interesses da mulher. Rio de Janeiro, 25 de maio de 1888, p. 2.
ENGEL, Magali. Meretrizes e doutores: saber médico e prostituição no Rio de Janeiro (1840-1890). São Paulo: Brasiliense, 1989.
HAHNER, June Edith. A mulher brasileira e suas lutas sociais e políticas: 1850-1937. São Paulo: Brasiliense, 1981.
MOREL, Marco. Os primeiros passos da palavra impressa. In: MARTINS, Ana Luiza; LUCA, Tania Regina de (Org.). História da imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008. p. 23-43.
NASCIMENTO, Cecília Vieira do; OLIVEIRA, Bernardo J. O Sexo Feminino em campanha pela emancipação da mulher. Cadernos Pagu, n. 29, p. 429-457, 2007.
RAGO, Margareth. As mulheres na historiografia brasileira. In: SILVA, Zélia Lopes (Org.). Cultura histórica em debate. São Paulo: Ed. Unesp, 1995. p. 81-91.
TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1993.
Publicado
2019-08-01
Como Citar
Andrade, G. B. (2019). A EMANCIPAÇÃO FEMININA NA IMPRENSA CARIOCA. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 3(6), 115-128. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/hydra/article/view/9591