“Tocados da mania de escrever”:

a escrita como prática de contestação e denúncia na Casa de Detenção do Recife (1861-1875)

  • Aurélio de Moura Britto Doutorando em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
Palavras-chave: Prisão, correspondências, contestação

Resumo

A pretensão deste artigo é demonstrar como os detentos da Casa de Detenção do Recife utilizaram da prática da escrita como forma de tornar público o que reputavam como as irregularidades perpetradas na gestão administrador Rufino Augusto de Almeida (1861- 1875). Deste modo, aqui não enfatizamos as dinâmicas internas de funcionamento da instituição, suas rotinas cotidianas e regulamentos. Nosso desígnio é delinear como determinadas redes políticas externas à instituição e as fissuras institucionais permitiram aos presos remeter às autoridades provinciais e aos jornais de oposição seus queixumes, burlando de um modo ardiloso um conjunto de determinações regulamentares vigentes. Por outro lado, nos interessa perceber as questões que as cartas tematizavam e suas possíveis implicações sociais. Assim, o artigo se abastece na perspectiva histográfica pela qual é premente analisar as conexões e contiguidades entre prisão e sociedade, mapeando suas articulações e interfaces.

Referências

AGUIRRE, Carlos. “Cárcere e sociedade na América Latina, 1800-1940” In: MAIA, Clarissa Nunes; NETO, Flávio de Sá; COSTA, Marcos; BRETAS, Marcos Luiz (orgs.). História das Prisões no Brasil. Vol. 1. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

BARBOSA, Socorro de Fátima P. “A escrita epistolar, a literatura e os jornais do século XIX: uma história”. Revista da Anpoll, Vol 1, Nº 30, 2011, p. 261 – 291.

BRITO, Silvia Carla Pereira de. “O ideário republicano de Antonio Borges da Fonseca”. In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História –ANPUH , São Paulo, julho 2011.

BRITTO, Aurélio de Moura. Fissuras no ordenamento: sociabilidades, fluxos e percalços na Casa de Detenção do Recife. (1861-1875). Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Pernambuco,CFCH. Recife, 2014.

CHAZKEL, Amy. “Uma perigosíssima lição: a Casa de Detenção do Rio de Janeiro na primeira República” In: MAIA, Clarissa Nunes; NETO, Flávio de Sá; COSTA, Marcos; BRETAS, Marcos Luiz (orgs.). História das Prisões no Brasil. Vol. 2. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

FOUCAULT, M. “A vida dos homens infames”. In: FOUCAULT, M. Ditos e escritos IV: Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 40 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

LIMA, Ana Paula da Silva; SANTOS, Maria de Fátima de Souza. “A propósito da prisão e do trabalho penitenciário”. In: Teoria Política & Social, V.1, N.1, p. 15-29, dez. 2008.

MAC CORD, Marcelo. O rosário de D. Antônio: irmandades negras, alianças e conflitos na história social do Recife, 1848-1870. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2005.

MAIA, Clarissa Nunes; ALBUQUERQUE NETO, Flávio de Sá Cavalcanti. “O trabalho prisional na casa de detenção do recife no século XIX”. In: Passagens. Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica, Vol. 3, N. 2, jan-abril, 2011, p. 187-202.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema. São Paulo: Editora Hucitec, 2004.

MAUCH, Cláudia. “Considerações sobre a história da polícia” In: MÉTIS: história & cultura. V. 6, N. 11, p. 107-119, jan./jun 2007.

MELLO, Evaldo Cabral de. O norte agrário e o Império: 1871-1889. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

NASCIMENTO, Luiz do. História da Imprensa de Pernambuco. Diários do Recife (1829-1900). Vol. II (1851-1875), p. 94-159. Recife, Universidade Federal de Pernambuco, 1970.

RICCI, Maria Lúcia de Souza Rangel. A atuação política de um publicista: Antônio Borges da Fonseca, Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 1995.

SANT´ANNA, Marilene Antunes. A imaginação do castigo: discursos e práticas sobre a Casa de Correção do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado). UFRJ/ IFCS, Rio de Janeiro, 2010.

SANTOS, Mário Márcio de Almeida. Um homem contra o Império: Antônio Borges da Fonseca. Paraíba: Ed. A União/ Conselho Estadual de Cultura, 1994.

SILVA, Alexandre Calixto da. Sistemas e Regimes Penitenciários no Direito Penal Brasileiro: Uma Síntese Histórico/Jurídica. / Alexandre Calixto da Silva. – Maringá: UEM, 2009.

SOUZA, F. A. Direitos Políticos em depuração: A Lei Saraiva e o eleitorado do Recife entre as décadas de 1870 e 1880. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, 2012.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa: a força dos trabalhadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

TRINDADE, Cláudia Moraes. “Reforma prisional na Bahia oitocentista”. Revista de História, N. 158, p. 157-198, Universidade de São Paulo, junho, 2008.

TRINDADE, Cláudia Moraes.“Doenças, alimentação e resistência na penitenciária da Bahia, 1861-1865”. História, Ciência, Saúde – Manguinhos, 2011, Vol. 18, N. 4, p. 1073-1093.

TRINDADE, Cláudia Moraes. Ser preso na Bahia do século XIX. Tese (Doutorado) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, 2012.

Publicado
2019-03-25
Como Citar
Britto, A. de M. (2019). “Tocados da mania de escrever”:. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 1(2), 46-77. https://doi.org/10.34024/hydra.2016.v1.9134
Seção
Artigos Livres