As jornadas revolucionárias de 1848:

uma análise comparativa do pensamento político de Karl Marx e Alexis de Tocqueville

  • Sérgio Cruz de Castro Lima Mestre em História pela Universidade Severino Sombra – Vassouras/RJ.
Palavras-chave: Tocqueville, Marx, Revolução de 1848

Resumo

Alexis de Tocqueville e Karl Marx foram dois dos principais analistas da Revolução de 1848 na França. O primeiro, verificou no retraimento da participação política e na consequente centralização do poder, um dos aspectos primordiais que culminaram no processo revolucionário; o segundo, por sua vez, preocupou-se em analisar a participação proletária na Revolução e das demais classes sociais, trazendo à tona um pensamento inerente ao âmbito político. Este artigo objetiva analisar a Revolução de 1848 na França pela ótica dos dois pensadores.

Referências

AGUILHON, Maurice. 1848 ou O Aprendizado da República. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

______ . Marianne, objeto de cultura? In: RIOUX, Jean-Pierre; SIRINELLI, François. Para uma história cultural. Lisboa: Estampa, 1998, p. 111-120.

BACZKO, Bronislaw. Imaginação Social. Enciclopédia Einaudi, v. 5. Porto: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1996.

BIGNOTTO, Newton (Org.). Matrizes do Republicanismo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

BLOCH, Marc. Os Reis Taumaturgos. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

BOESCHE, Roger. The Strange Liberalism of Alexis de Tocqueville. London, Cornell University Press, 1987.

BOBBIO, Norberto. Igualdade e Liberdade. São Paulo: Ediouro, 1996.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CARVALHO, José Murilo de. Entre a liberdade dos antigos e a dos modernos: a República no Brasil. DADOS, 32, 3, p. 265-280.

CHÂTELET, François; DUHAMEL, Olivier; PISIER-KOUCHNER, Evelyne. História das Idéias Políticas. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

FURET, François. Pensar a Revolução Francesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

GIRARDET, Raoul. Mitos e Mitologias Políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

JARDIN, André. Alexis de Tocqueville. 1805-1849. Paris, Hachette, 1984.JASMIN, Marcelo Gantus. Alexis de Tocqueville: a historiografia como ciência da política. Rio de Janeiro: Ed. ACESS, 1997.

LEFORT, Claude. Pensando o político: ensaios sobre democracia, revolução e liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2003. MARX, Karl. A Miséria da Filosofia. São Paulo: Global, 1985

______ . O 18 Brumário e Cartas a Kugelmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

______ . A ideologia alemã. São Paulo: Ed. Hucitec, 1993.

______ . O Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Global, 1998.

______ . O Capital: crítica da economia política: Livro I. São Paulo: Boitempo, 2013.

PERROT, Michelle. História da Vida Privada. São Paulo:Companhia das Letras, 1991.v.4.

POCOCK, John G. A. Linguagens do Ideário Político. São Paulo: Edusp, 2003.

QUIRINO, Célia G. Dos infortúnios da igualdade ao gozo da liberdade. São Paulo: Humanitas, 2001.

RÉMOND, René (Org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2003.

RHEINARDT, Mark. The Art of Being Free: Taking Liberties with Tocqueville, Marx and Arendt. New York: Cornell University Press, 1997.

SEN, Amartya. Desigualdade Reexaminada. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SKINNER, Quentin. As Fundações do Pensamento Político Moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

TOCQUEVILLE, Alexis de. A Democracia na América: leis e costumes. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

_________ . A Democracia na América: sentimentos e opiniões. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

_________ . O Antigo Regime e a Revolução. 4ª ed. Brasília: Editora UNB, 1997.

_________ . Lembranças de 1848: as jornadas revolucionárias em Paris. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

_________ . Ensaio sobre a pobreza. Rio de Janeiro: Univercidade, 2003.VIANNA, Luiz Werneck. O Problema do Americanismo em Tocqueville. In: A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1997.

WHITE, Hayden. Meta-história. São Paulo: Edusp, 1992.

Publicado
2019-03-25
Como Citar
Lima, S. C. de C. (2019). As jornadas revolucionárias de 1848:. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 2(3), 209-234. https://doi.org/10.34024/hydra.2017.v2.9108
Seção
Artigos Livres