O eco ao longo dos meus passos:

Guilherme de Almeida e suas cores políticas

  • Guilherme Lopes Vieira Mestrando em História pela Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Guilherme de Almeida, O Estado de S. Paulo, Golpe militar de 1964

Resumo

Este estudo pretende explicitar o perfil político do escritor Guilherme de Almeida (1890-1969), tendo como plano de fundo, sua participação na Revolução Constitucionalista de 1932 e a defesa entusiasmada da tomada de poder pelos militares, após o golpe de abril de 1964. Para alcançar este objetivo, parte significativa de sua produção literária será analisada através da metodologia histórica, que reconhece na literatura seu potencial como testemunho histórico. Nesse sentido, as crônicas, produzidas ao longo de onze anos, entre 1957 e 1968, sob o título “Eco ao longo dos meus passos”, publicadas no jornal O Estado de São Paulo, balizaram o delineamento das “cores políticas” do escritor paulista.

Referências

AQUINO, Maria Aparecida de. Censura, Imprensa e Estado autoritário (1968- 1978): o exercício cotidiano da dominação e da resistência - O Estado de São Paulo e Movimento. Bauru: EDUSC,1999.

BARROS, Frederico Ozanam Pessoa de. Guilherme de Almeida: Literatura Comentada. São Paulo: Abril Educação, 1982.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 2013.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2007.

CANDIDO, Antonio [et al]. A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas: Ed. Unicamp; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992.

________________. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 2000.

________________. Literatura e Sociedade. Rio de Janeiro: Ed. Ouro sobre Azul, 2006.

CAPELATO, Maria Helena. “O controle da opinião e os limites da liberdade: imprensa paulista (1920-1945)”. Revista Brasileira de História, V. 12, Nº 23/24, 1991/1992, p. 55-75.

CHALHOUB, Sidney. “Apresentação”. História Social: revista dos pós-graduandos em História da Unicamp. Campinas, SP, Nº 22/23, primeiro e segundo semestres de 2012.

CHALHOUB, Sidney; PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda (Org.). A História contada: capítulos de história social da literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1998.

CASTRO Jr, Clementino de Souza e. Cunha em 1932. São Paulo: Rev. dos Tribunais, 1935.

COSTA, Cristiane. Pena de aluguel: Escritores jornalistas no Brasil (1904-2004). São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 2005.

DUARTE, Paulo. Mario de Andrade por ele mesmo, edição comemorativa dos 40 anos de falecimento de Mario de Andrade. Editora Hucitec, Prefeitura do município de São Paulo, Secretaria Municipal de Cultura, 1985.

FEDERICI, Hilton. Símbolos Paulistas: estudo histórico-heráldico. São Paulo: Secretaria de Cultura, Comissão de Geografia e História, 1981.FERREIRA, Antonio Celso. A epopéia bandeirante: letrados, instituições, invenção histórica (1870-1940). São Paulo, SP: Editora UNESP, 2002.

GINZURBG, Carlo. Olhos de madeira: Nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 2001.

________________. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 2002.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a Organização da Cultura. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1982.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

LOFEGO, Silvio Luiz. IV Centenário da Cidade de São Paulo: uma cidade entre o passado e o futuro. São Paulo: Annablume, 2004.

MELO, Luis Correa. Dicionário de autores paulistas. São Paulo: Irmãos Andriolis, 1954. (Comissão do VI Centenário da cidade de São Paulo).

NORA, Pierre. “Entre memória e história: a problemática dos lugares”. Trad. Yara A. Khoury. Projeto História. São Paulo: EDUC, Nº 10, dez. 1993. p. 7-28.

RIBEIRO, José Antonio. Guilherme de Almeida: Poeta modernista. São Paulo: Ed. Traço, 1983.

SILVA, Mauricio Pedra da. O sorriso da sociedade – Literatura e Academicismo no Brasil da virada do século (1890-1920). São Paulo: Ed. Alameda, 2013.

VIEIRA, Guilherme. “Casa Guilherme de Almeida: Caminhos de musealização”. In: VIII Seminário Nacional do Centro de Memória (Unicamp): Memória e Acervo. O Arquivo como espaço produtor de conhecimento, 2016, Campinas, SP. Anais. VIII Seminário Nacional do CMU - Memória e acervos documentais, o arquivo como espaço produtor de conhecimento. Campinas-SP: UNICAMP/CMU, 2016. V. 1, p. 1-20.

WILLIANS, Raymond. Cultura e sociedade: de Coleridge a Orwell. Petropólis, RJ: Ed. Vozes, 2011.

Publicado
2019-03-25
Como Citar
Vieira, G. L. (2019). O eco ao longo dos meus passos:. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 2(3), 161-183. https://doi.org/10.34024/hydra.2017.v2.9106
Seção
Dossiê