Dando forma ao trauma:

recepção e reprodução da memória em Maus de Art Spiegelman.

  • Gustavo Feital Monteiro Mestre em História pela Universidade de Brasília
Palavras-chave: Maus, Nazismo, Holocausto

Resumo

Através da análise da obra Maus escrita por Spiegelman, serão observadas duas características presentes na narrativa da memória do Holocausto. A primeira é referente à forma pela qual o sobrevivente descreve os acontecimentos enquanto procura esquecer o seu passado traumático, atribuindo sentido à sua experiência e sendo direcionado pelas indagações na entrevista. A segunda é voltada à representação dessa experiência em um gênero textual, onde aquele que não viveu tais acontecimentos procura se basear em uma limitada perspectiva para reconstruir um passado subjetivo. Com essas reflexões, é possível fundamentar uma aproximação da história com a memória por meio da elaboração de bases metodológicas que ressaltam a limitação subjetiva das experiências individuais, mas também apontando indícios e abordando o passado por meio de uma perspectiva sensível à heterogeneidade social.

Referências

CHUTE, Hillary. “The Shadow of a past Time: History and Graphic Representation in Maus.” Twentieth Century Literature, vol. 52, n° 2, Hofstra University Press, 2006.

COSTELLO, Lisa A. “History and Memory in a Dialogic of "Performative Memorialization" in Art Spiegelman's "Maus: A Survivor's Tale".” The Journal of the Midwest Modern Language Association, vol. 39, n° 2, Loyola University Chicago Press, 2006.

DOHERTY, Thomas. “Art Spiegelman's Maus: Graphic Art and the Holocaust.” American Literature, vol. 68, n° 1, Durham: Duke University Press, 1996.

FRANK, Anne. O diário de Anne Frank. Rio de Janeiro: Record. 2015.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HILBERG, Raul. A destruição dos judeus europeus. São Paulo: Amarilys, 2016.

HIRSCH, Marianne. “The Generation of Postmemory.” Poetics Today, v. 29, n. 1, New York: Columbia University, 2008.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: UNICAMP, 2003.

LEVI, Primo. É isto um homem? Rio de Janeiro: Rocco, 2013.

MANDAVILLE, Alison. “Tailing Violence: Comics Narrative, Gender, and the Father-Tale in Art Spiegelman's Maus.” Pacific Coast Philology, vol. 44, n° 2, Penn State University Press, 2009.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: UNICAMP, 2007.

SPIEGELMAN, Art. Maus: a história de um sobrevivente. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

STAUB, Michael E. “The Shoah goes on and on: Remembrance and representation in Art Spiegelman’s Maus.” Melus, vol. 20, n° 3, History and Memory, 1995.

WIESEL, Elie. Night. New York: Hill and Wang, 2006.YOUNG, James E. “Interpreting literary testimony: a preface to rereading holocaust diaries and memoirs.” New Literary History, v. 18, n. 2. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1987.

YOUNG, James E. “The Holocaust as Vicarious Past: Art Spiegelman's "Maus" and the Afterimages of History.” Critical Inquiry, vol. 24, n° 3, University of Chicago Press, 1998.

Publicado
2019-03-25
Como Citar
Monteiro, G. F. (2019). Dando forma ao trauma:. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 2(3), 58-77. https://doi.org/10.34024/hydra.2017.v2.9102
Seção
Dossiê