Um encontro inusitado:

história e literatura nas páginas do Jornal do Commercio do Rio de Janeiro na Primeira República

  • Denilson Botelho Doutor em História Social pela Unicamp. Professor de História do Brasil do Curso de Graduação e do Programa de Pós-Graduação em História da UNIFESP, líder do Grupo de Pesquisa História Social da Cultura: literatura, imprensa e sociedade
Palavras-chave: História social da literatura, imprensa, Lima Barreto

Resumo

O artigo apresenta uma breve reflexão sobre as relações entre história e literatura, a partir de um encontro inusitado entre Lima Barreto e Afrânio Peixoto, ocorrido nas páginas da edição vespertina do Jornal do Commercio em 1911. Considerando a publicação simultânea neste periódico do folhetim Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto, e de críticas elogiosas ao romance A esfinge, de Afrânio Peixoto, desenvolve-se uma análise das condições em que se constrói uma carreira literária e viabiliza-se o reconhecimento de um escritor através de suas relações com a imprensa no Rio de Janeiro da Primeira República. Recusando o relativismo pós-moderno que se utiliza da literatura para negar o estatuto da história e a nossa própria capacidade de conhecer a realidade, adota-se aqui uma perspectiva materialista que dispensa à literatura um tratamento documental na condição de fonte e testemunho.

Referências

AMARAL, Pauliane. “Três momentos do roman à clef na literatura brasileira: uma leitura a partir do cronotopo bakhtiniano”. Estudos Linguisticos, n. 45(3), 2016, p. 1217-1232.

BARBOSA, Francisco de Assis. A vida de Lima Barreto. 8ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002.

BARBOSA, Marialva. Os donos do Rio: imprensa, poder e público. Rio de Janeiro: Vicio de Leitura, 2000.

BARRETO, Lima. Recordações do escrivão Isaías Caminha. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1909.

BARRETO, Lima. Recordações do escrivão Isaías Caminha. 2ª ed rev. e aum. Rio de Janeiro, A. de Azevedo & Costa Editores, 1917.

BARRETO, Lima. “Triste fim de Policarpo Quaresma”. Jornal do Commercio, Edição da Tarde, 14 de agosto de 1911, p. 4.

BARRETO, Lima. Correspondência. Tomo I. São Paulo: Brasiliense, 1956.

BARRETO, Lima. Diário Íntimo. São Paulo: Brasiliense, 1956.

BOTELHO, Denilson. Com dinheiro na mão direita, tem-se os jornais na esquerda: história, literatura e imprensa na Primeira República. In: MONTEIRO, Charles; MADARASZ, Norman Roland; MELLO, Ana Maria Lisboa de (Org.). Literatura e História: encontros contemporâneos. Porto Alegre: Gradiva, 2016, p.191-204.

CHALHOUB, Sidney e PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda (Orgs.). A História contada: capítulos de história social da literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

CHALHOUB, Sidney, NEVES, Margarida de Souza e PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda (Orgs.). História em cousas miúdas: capítulos de história social da crônica no Brasil. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2005.

COSTA, Gabriela de Oliveira Nery da. A “literatura interessada” e a sociedade brasileira sob o olhar de Graciliano Ramos (1937 – 1945). Dissertação de Mestrado. Departamento de História, UNIFESP, Guarulhos, 2016. 128 p.

J. E. “A Esfinje – Romance de Afrânio Peixoto”. Jornal do Commercio, Edição da Tarde, 14 de agosto de 1911, p. 4.

SERTANEJO, Luiz. “Que penso d’A Esfinje”. Jornal do Commercio, Edição da Tarde, 23 de agosto de 1911, p. 4.SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

WILLIAMS, Raymond. “Base e superestrutura na teoria da cultura marxista”. In Cultura e materialismo. São Paulo: Editora Unesp, 2011, p. 43-68.

Publicado
2019-03-25
Como Citar
Botelho, D. (2019). Um encontro inusitado:. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 2(3), 20-32. https://doi.org/10.34024/hydra.2017.v2.9100
Seção
Dossiê