OS MILITARES DE EL’REY

UM ESTUDO DAS TROPAS MILITARES PRESENTES NA CAPITANIA DA ÁFRICA ORIENTAL PORTUGUESA NO ÚLTIMO QUARTEL DO SÉCULO XVIII

  • Bruno César Pereira graduando pela UNICENTRO
Palavras-chave: Capitania de Moçambique e Rios de Sena, Vila de Sena, forças militares

Resumo

Em linhas gerais a história do Império Ultramarino Português se iniciou com a expansão marítima no século XV. Portugal possuía diversos desafios para manter os domínios conquistados sobre a posse da Coroa lusa. Entre estes desafios temos: a colonização efetiva das terras, os constantes combates sejam com os nativos ou com os demais Estados europeus que disputavam os monopólios, seja do comércio ou das terras, tanto em América quanto em África e Ásia, assim como o desafio de possuir e manter um exército efetivo em cada uma de suas capitanias, entre outros problemas. O presente trabalho pretende discutir a importância das forças militares para contornar estes desafios, em especial na Vila de Sena, localizada na Capitania de Moçambique e Rios de Sena (África Oriental Portuguesa), no último quartel do século XVIII, com particular atenção para a composição e distribuição das três forças que compunham a estrutura militar lusa (Regulares, Auxiliares e Corpos de Ordenança).

Referências

AHU, Moçambique, cx. 34, doc. 6. Ofício de António Manoel de Mello e Castro, para José de Vasconcelos Almeida, sobre o estado geral das tropas [ com relação a Capitania Subordinada de Rios de Sena], 15/07/1780.

AHU, Moçambique, cx. 65, doc. 5. Mappa Geral da Tropa que Goarnece as Fortalezas e Prezidios dos Rios de Senna, Realizado pelo Capitão-Mor Chistovão de Azevedo de Vazcos, 11/07/1793.

AHU, Moçambique, cx. 85, doc. 15, Mapa do Corpo de Ordenança, realizado pelo Capitão-Mor João Felipe, 02/02/1798

AHU, Moçambique, cx. 74, doc. 85. Ofício de Regulamentação, partindo de Lisboa, Palácio de Queluz, para a Capitania de Moçambique e Rios de Sena, 7/08/1796.BURMESTER. Ana Maria de Oliveira. O Estado e População: o século XVIII em questão. Revista Portuguesa de História. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, t. 33, 1999, p. 113-151. (Separata).

FILHO, Jorge da Cunha Pereira. Tropas Militares Luso- brasileiras nos séculos XVII e XIX. Boletim do Projeto " Pesquisa genealógica sobre as origens da família Cunha Pereira", nº 12, 1998. Genealogias.org. p 46-80.

FRAGOSO, Joao; BICALHO, Maria Fernanda; GOUVEA, Maria de Fatima. O antigo regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

LE BRÁS, Hervé (Dir.). A invenção das populações. Lisboa: Instituto Piaget, 2000.

MELLO, Cristiane Figueiredo Pagano de. Os Corpos de Ordenanças e Auxiliares. Sobre as relações militares e políticas na América Portuguesa, História: Questões & Debates, Curitiba, n. 45, p.39-56, 2006.

RODRIGUES, José Damião; RODRIGUES, Casimiro (Orgs). Representação de África e dos Africanos na História e Cultura - séculos XV a XXI. Ponta Delgada: Centro de História Além-Mar, 2011.

RODRIGUES, Maria Eugênia. Cipaios da Índia ou soldados da terra? Dilemas da naturalização do exército português em Moçambique no século XVIII. História: Questões & Debates, n.45, p. 57-95, 2006.

ROWLAND, Robert. População, família e sociedade. Portugal, séculos XIX-XX. Oeiras: Editora Celta, 1997.

SILVA, Kalina Vanderlei P. da. O miserável soldo & a boa ordem da sociedade colonial. Militarização e marginalidade na capitania de Pernambuco dos séculos XVII e XVIII. Tese (Doutorado em História). Recife: Fundação de Cultura Cidade de Recife, 2001.

WAGNER, Ana Paula. População no Império Português: recenseamento na África Oriental Portuguesa na segunda metade do século XVIII. Tese (Doutorado em História),Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2009.

Publicado
2019-03-25
Como Citar
Pereira, B. C. (2019). OS MILITARES DE EL’REY. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 2(4), x. https://doi.org/10.34024/hydra.2018.v2.9095
Seção
Notas de Pesquisa