HERANÇA AUTORITÁRIA E A “ESTADANIA”:

O ESTADO BRASILEIRO, A “QUESTÃO SOCIAL” E O HORIZONTE DO POSSÍVEL DE UMA AGENDA PROGRESSISTA NACIONAL

  • Gabriel Duarte Costaguta mestrando pela PUC – RS
  • Daniel Machado Bruno mestrando pela PUC – RS
Palavras-chave: Estado brasileiro, Questão social, Cidadania, Agendas políticas

Resumo

Pensar o Brasil contemporâneo sob a dimensão da agenda de problemas políticos concernentes à sociedade brasileira – em torno de dilemas estruturantes da sua história como a busca da modernização econômica, o diagnóstico da desigualdade social e do autoritarismo político – requer um exercício de compreensão histórica de questões e temas que se presentificam na história contemporânea. A esse respeito, analisar a temática da cidadania em torno do desenho institucional do Estado brasileiro – diante da conjuntura histórica da Primeira República e do primeiro período de Vargas no poder (1930-45) – em sua relação com a sociedade civil, e propor uma breve reflexão acerca da possibilidade de formulação de um projeto político progressista para o país constitui o núcleo substantivo do artigo proposto.

Referências

ABREU, Luciano A. & MOTTA, Rodrigo P. S. (org.). Autoritarismo e cultura política. Porto Alegre: FGV: Edipucrs, 2013.

AVRITZER, Leonardo. Instituições participativas e desenho institucional: algumas considerações sobre a variação da participação no Brasil democrático. Campinas: Opinião Pública, vol. 14, nº 1, junho, 2008, pp. 43-64.

BARISON, Mônica S. Caso de polícia: reflexões sobre a “questão social” e a Primeira República. UNIFOA, Cadernos 22, pp. 43-51.

BASTOS, Élide Rugai e MORAES, João Quartim. O pensamento de Oliveira Vianna. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.

BAUMER, Franklin. O Pensamento Europeu Moderno: séculos XIX e XX. Lisboa: Edições 70, vol. II.

BATALHA, Claudio. O movimento operário na Primeira República. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 2009.

BOTELHO, André e SCHWARCZ, Lilia. Agenda Brasileira: temas de uma sociedade em mudança. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

BRANDÃO, Gildo Marçal. Linhagens do pensamento político brasileiro. São Paulo: Aderaldo & Rothschild Ed., 2007.

CERTEAU, Michel de. A operação historiográfica. In: “A escrita da história”. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982, pp. 65-119.

COSTA, Emília Viotti da. Da Monarquia à República. São Paulo: Ed. UNESP, 2010, p.366.

COSTA, Vanda Maria Ribeiro. A armadilha do leviatã: a construção do corporativismo no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1999.

D’ARAÚJO, Maria Celina. O Estado Novo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

FAORO, Raymundo. Os Donos do poder. Porto Alegre: O Globo, 1975.

FAUSTO, Boris. A revolução de 1930: historiografia e história. São Paulo: Brasiliense, 1981, 7ª edição.

FAUSTO, Ruy. Caminhos da esquerda: elementos para uma reconstrução. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

GARRIDO, Álvaro. O corporativismo como ideia e objeto de estudo. In: “Queremos uma economia nova! Estado novo e corporativismo”. Lisboa: Temas e debates – círculo de leitores, 2016, pp. 17-83.

GOMES, Ângela de Castro. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro: Ed. FVG, 2005.

HABERMAS, Jurgen. Tres modelos de democracia: sobre el concepto de una política deliberativa. Valencia: Episteme, 1994.

LAMOUNIER, Bolívar. O modelo institucional dos anos 30 e a presente crise brasileira. In: Estudos Avançados, vol. 6, nº 14, 1992, p. 42.

___________. Tribunos, profetas e sacerdotes: intelectuais e ideologias no século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 2014;

LYNCH, Christian. Cartografia do pensamento político brasileiro: conceito, história, abordagens. Brasília: Revista Brasileira de Ciência Política, nº 19, janeiro-abril de 2016, pp. 75-119.

___________. Cultura política brasileira. In: Revista da Faculdade de Direito UFRGS, n. 36, 2017.

___________. Conservadorismo caleidoscópico: Edmund Burk e o pensamento político do Brasil oitocentista. In: Lua Nova, São Paulo, n.100, pp.313-362, 2017.

MIGUEL. Luís Felipe. Caminhos e descaminhos da experiência democrática no Brasil. Sinais Sociais, Rio de Janeiro, v.11, n.33, pp.99-129, jan-abr, 2017.

NOBRE, Marcos. Da “formação” às “redes”: Filosofia e cultura depois da modernização. Cadernos de filosofia alemã, nº 19, 2012, pp. 13-36.NUNES, Edson. A Gramática política do Brasil: clientelismo e insulamento burocrático. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.; 2003, 3ª ed.

OLIVEIRA, Lucia Lippi. A questão nacional na Primeira República. Rio de Janeiro: Ed. Brasiliense, 1999.

PEREIRA, Luiz Carlos Bresser. Brasil, sociedade nacional-dependente. In: Novos Estudos CEBRAP, 93, julho 2012, pp. 101-121.

REIS, Bruno Wanderley. Da democracia participativa à pluralidade da representação: breves notas sobre a odisseia do PT na política e na ciência política brasileira. Revista Sociedade e Estado, Brasília, vol. 29, n.1, jan./abr. 2014. pp.113-127.

REIS, Daniel Aarão. Estado e trabalhadores: o populismo em questão. In: Lócus: revista de história, Juiz de Fora, v. 13, n. 2, pp. 87-108, 2007.

RICUPERO, Bernardo. Da formação à forma. Ainda as “ideias fora do lugar”. In: Lua Nova, São Paulo, nº 73, 2008, pp. 59-69.

RICUPERO, Bernardo. O conservadorismo difícil. In: “Revisão do pensamento conservador: ideias e política no Brasil”. São Paulo: Hucitec, 2010, pp.76-94.;

ROSANVALLON, Pierre. Por uma história do político. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2010.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Ordem burguesa e liberalismo político. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

___________. Raízes da imaginação política brasileira. In: Dados, n. 7, 1970, pp. 137-61.

SCHWARZ, Roberto. As ideias fora do lugar: ensaios selecionados. São Paulo: Penguin Classics & Companhia das Letras, 2014.

VIANNA, F. J. Oliveira. Direito do trabalho e democracia social: o problema da incorporação do trabalhador no Estado. Rio de Janeiro: José Olympio, 1951. pp.64-65.

___________. Pequenos Estudos de Psicologia Social. São Paulo: Monteiro Lobato, 1923.

___________. Populações Meridionais do Brasil. São Paulo: Monteiro Lobato & Cia., 1920.

VISCARDI, Cláudia. O teatro das oligarquias: uma revisão da “política do café com leite”. Belo Horizonte: Ed. Fino Traço, 2012.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Brasília: Ed. Da UNB, 1994.

Publicado
2019-03-25
Como Citar
Costaguta, G. D., & Bruno, D. M. (2019). HERANÇA AUTORITÁRIA E A “ESTADANIA”:. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 2(4), x. https://doi.org/10.34024/hydra.2018.v2.9093
Seção
Artigos Livres