ÉPICO IMPÉRIO:

A QUESTÃO DOS TEMPOS HISTÓRICOS EM CARAMURU

  • João Gabriel Covolan Silva graduando pela USP
Palavras-chave: História literária, Santa Rita Durão, História Social do Tempo

Resumo

O objetivo deste texto é analisar o poema épico Caramuru, publicado em 1781 por Santa Rita Durão, tendo como problema central a relação estabelecida no poema com os tempos históricos. Aqui, propomos a análise do contexto em que foi escrito; o uso feito da história e dos exemplos do mundo antigo; e por fim a relação entre passado e futuro, bem como a simultaneidade de tempos a que se refere.

Referências

ALCIDES, Sérgio. “Expectativa e metamorfose: saudade da Idade do Ouro na América portuguesa”. In.

JANCSÓ, István; KANTOR, Íris. Festa: Cultura e sociabilidade na América portuguesa. São Paulo: EDUSP; Fapesp; Hucitec, 2001, pp.775-798.

________. Estes Penhascos: Cláudio Manoel da Costa e a paisagem das Minas, 1753-1773. São Paulo: Hucitec, 2003.

ARAÚJO, Valdei Lopes de; PIMENTA, João Paulo G. “História – Brasil”. In.

FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier. Diccionario Político y Social del Mundo Iberoamericano: La Era de las Revoluciones, 1750-1850. Madrid: Fundación Carolina; Sociedad Estatal de Conmemoraciones Culturales; Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2009, pp.593-604.

BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 50ª. ed. São Paulo: Cultrix, 2015.

BOXER, Charles Ralph. Salvador de Sá e a Luta por Brasil e Angola (1602-1686). São Paulo : Editora Nacional Brasiliana, 1973.

HALBWACHS, Maurice. La mémoire collective et le temps”. Cahiers Internationaux de Sociologie. Paris : Les Presses Universitaires de France, vol.101, 1996, pp. 45-65.

HANSEN, João Adolfo. “Para uma história dos conceitos das letras coloniais lusobrasileiras dos séculos XVI, XVII e XVIII”. In. JÚNIOR, João Feres; JASMIN, Marcelo. História dos Conceitos: diálogos transatlânticos. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Ed. Loyola: IUPERJ, 2007, pp.253-266.

________. “Autoria, obra e público na poesia colonial luso-brasileira atribuída a Gregório de Matos e Guerra”. In. Ellipsis. Journal of the American Portuguese Association. Vol. 12, 2014, pp.91-117.

HARTOG, François. “Les classiques, les modernes et nous”. In. Revista de História (USP). Edição especial, 2010, pp. 21-38.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Antologia dos Poetas Brasileiros da Fase Colonial. São Paulo: Editora Nova Perspectiva, 1959.JANCSO, István. Na Bahia Contra o Império: História do ensaio de sedição de 1798. São Paulo: HUCITEC; Salvador: EDUFBA, 1996.

KANTOR, Íris. “Antigos e Modernos na historiografia acadêmica portuguesa e brasílica”. In. Antigos e Modernos: diálogos sobre a (escrita da) história. São Paulo: Alameda, 2009, pp.451-466.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

LIMA, Djalma Espedito. A Épica de Cláudio Manoel da Costa: uma leitura do poema Vila Rica. São Paulo: Dissertação de Mestrado (FFLCH-USP), 2007. Nitheroy: Revista Brasiliense de Sciencias, Letras e Artes. Tomo Primeiro. Paris : Dauvin et Fontaine Libraires, 1836.

NOVAIS, Fernando A. “O Brasil nos quadros do Antigo Sistema Colonial”. In: Aproximações: estudos de História e Historiografia. São Paulo: Cosac Naify, 2005, pp.45-60.

PAMPLONA, Marco A. “Pátria-Brasil”. In. FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier; LOMNÉ, Georges (org.). Diccionario Político y Social del Mundo Iberoamericano - berconceptos II. 1ª edição. Madrid: Universidad del País Vasco; Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2014, pp.51-71.

PIMENTA, João Paulo. “Pasado y futuro en la construción de una 'Historia de Brasil' en el siglo XVIII”. Processos: Revista Ecuatoriana de Historia. Quito: 1º semestre de 2013, pp. 81-95.

_________. “Literatura e condição colonial na América portuguesa (século XVIII)”. In.

FRAGOSO, João e GOUVÊA, Maria de Fátima (orgs.). O Brasil Colonial – 1720-1821 (vol.3). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2014, pp. 595-634.

SLEMIAN, Andrea. “Portugal, o Brasil e os Brasis: a diversidade dos territórios e as disputas pela soberania na construção de um novo Império monárquico na América”. In: Claves, Revista de Historia. Montevideo, deciembre 2015, pp.91-120.

SOUZA, Antonio Candido de Mello e. Literatura e Sociedade. 8ª ed. São Paulo: T. A. Queiroz, 2000; Publifolha, 2000.

VARNHAGEN, Franciso Adolfo de. “Tratado de 1777 e governo de Maria Primeira”. In. História Geral do Brasil. Tomo 4º. São Paulo: Melhoramentos, 1956, pp.267-290.

Publicado
2019-03-25
Como Citar
Silva, J. G. C. (2019). ÉPICO IMPÉRIO:. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 2(4), x. https://doi.org/10.34024/hydra.2018.v2.9092
Seção
Dossiê